Início » Internacional » Semelhanças entre o Sacro Império Romano e a UE
Desunião Europeia

Semelhanças entre o Sacro Império Romano e a UE

O “antigo império” oferece lições surpreendentes para a União Europeia de hoje em dia

Semelhanças entre o Sacro Império Romano e a UE
União Europeia não pode permitir que a crise do euro afaste países membros (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os congressos eram mais divertidos antigamente. Quando Ferdinando III, o monarca Habsburgo do Sacro Império Romano, chegou a Regensburgo, a Bruxelas daquela época, ao fim de 1652, trazia 60 músicos e 3 anões. Havia passeios de trenó, fogos de artifício e a primeira ópera italiana encenada em território germânico. Além disso, o Reichstag (assembleia imperial) se parecia bastante com o Conselho Europeu (a reunião dos líderes dos estados membros) de hoje em dia. O imperador chegava com um séquito de 3.000 pessoas para se encontrar com os príncipes, bispos, margraves e outras pessoas importantes do império. Eles negociaram por mais de um ano. Quando Ferdinando retornou a Viena, com 164 navios deslizando pelo Danúbio, muita coisa havia acontecido.

No entanto, o teor exato desses acontecimentos tem sido discutido com entusiasmo por historiadores desde então, e hoje em dia essa discussão se tornou especialmente relevante. A visão tradicional é a de que a Europa Central, exausta devido à crise (a Guerra dos Trinta Anos, a qual havia acabado em 1648), fracassava novamente em se organizar para formar uma união propriamente dita – isto é, estados centralizados. Portanto, ao longo dos 150 anos seguintes, o “antigo império” se decompôs devido à fragmentação até se tornar geopoliticamente irrelevante. Conforme o historiador prussiano Heinrich von Treitschke descreveu no século XIX, a região se tornou “uma mixórdia de formas imperiais decadentes e territórios inacabados”, até que o fim de sua existência em 1806 foi marcado por um soluço que mal pode ser ouvido.

Tal leitura serviria como alerta para que os líderes da UE de hoje não repitam a história: Vós não deveis permitir que a crise do euro transforme forças centrípetas (“união cada vez mais próxima) em forças centrífugas, com países membros saindo da zona do euro ou mesmo da UE. Isso geraria uma dissolução gradual da UE semelhante à dissolução do império romano, a qual exporia o continente à sua antiga maldição de Kleinstaaterei (estatismo diminuto) em um mundo de gigantes como EUA, China e Índia. Na pior das hipóteses, as antigas energias nacionalistas voltariam à tona, do mesmo modo que saíram do controle um século após 1806.

Contudo, há uma visão revisionista que se originou na Alemanha em décadas recentes, mas que é cada vez mais aceita em círculos acadêmicos de outros lugares, que encara a estrutura institucional do império que emergiu do Reichstag de 1653 como um protótipo da UE moderna. No entanto, seus proponentes afirmam isso de maneira positiva. Peter Claus Hartmann, historiador da Universidade de Mainz, afirma que o antigo império, embora não fosse politicamente ou militarmente poderoso, era extraordinariamente diverso e livre de acordo com os padrões da Europa da época. Como um de seus súdito, JohannWolfgang von Goethe, escreveu, o continente era uma lugar “em que, emtempo de paz, todos podem prosperar”.

De acordo com essa leitura, os líderes da EU de hoje não precisam temer uma “união mais folgada”. Eles poderiam saudar a crise como uma oportunidade, como em 1653, de refinar e consertar as estruturas federalistas da UE. Isso significaria aceitar a ideia de soberania dual (isto é, ambígua), outrora dividida entre o imperador e os príncipes, hoje em diaentre Bruxelas e os estados membros. Com o princípio da “subsidiariedade”, o qual organizar tanto o império quanto a UE, a Europa pode permanecer livre e feliz, afirma Hartmann.

Fontes:
The Economist-European disunion done right

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Gelio Fregapani disse:

    O artigo, bastante interessante, refere-se não ao Império Romano mas ao Sacroimpério Romano-Germânico, cujos expoentes foram Carlos Magno e Otto, o Grande.
    Esta observação é importante pois a referência ao Império Romano causará confusão aos que não se aprofundaram na História. GF

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *