Início » Internacional » Sete dicas para ajudar as crianças com o equilíbrio emocional
DIFICULDADES EMOCIONAIS

Sete dicas para ajudar as crianças com o equilíbrio emocional

Lidar com as emoções já é difícil para um adulto, mas ainda mais complicado para as crianças

Sete dicas para ajudar as crianças com o equilíbrio emocional
Conhecer, reconhecer, legitimar, refletir, controlar, manifestar e explicar as emoções (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Tão antigos quanto os seres humanos, são os seus sentimentos. Assim que as primeiras pessoas surgiram, apareceram também as primeiras emoções, palavra derivada do latim emovere, que significa movimento.

Mesmo sabendo de sua existência e buscando entender os seus significados, não é fácil lidar com as diferentes emoções, seja ela alegria ou tristeza. De acordo com José Luiz Marín, presidente da Sociedade Espanhola de Medicina Psicossomática e Psicoterapia, o equilíbrio e a felicidade são encontrados quando as emoções param de brigar.

Se já é difícil para um adulto ter que lidar com suas emoções, imagine para uma criança, que está com a curiosidade aflorada e não entende bem tudo o que está passando. Tão difícil quanto isso é um pai ensinar para um filho sobre algo que não compreende.

Dessa forma, separamos sete passos que os adultos precisam conhecer para conseguir orientar melhor os seus filhos em momentos de dificuldades emocionais.

1 – Conhecer as emoções

Antes de ensinar algo, é preciso saber algo. E assim também funciona com as emoções. Para auxiliar que as crianças lidem melhor com os diferentes sentimentos, é necessário que os pais também entendam o que eles estão sentindo, seja medo, raiva, tristeza, alegria, amor, etc. E não é necessário nem que compreenda-se por completo emoções mais complexas, como a inveja, mas as chamadas “emoções básicas”.

2 – Reconhecer as emoções

Uma coisa é saber o que é cada emoção, outra é conseguir identificá-la, tanto em si mesmo, quanto nos outros – no caso, nas crianças. Caso se conheça os gestos gerados pelas emoções, como, por exemplo, o sorriso quando se está alegre ou a lágrima quando se está triste, é possível reconhecer o sentimento e administrá-lo, principalmente nos filhos. Dessa forma, é possível orientar a criança a lidar com a emoção da melhor forma, fazendo-a compreender aquele sentimento e registrar em seu conhecimento que, por exemplo, quando ela não gosta de algo, ela está sentindo repulsa.

3 – Legitimar as emoções

Entenda o sentimento da criança e permita que ela o sinta. Os adultos tendem a interpretar as emoções das crianças a partir do seu ponto de vista e querer forçá-las a sentir da mesma forma. No entanto, para uma criança não é assim que funciona. Por exemplo, seu filho pode amar a cor amarela, enquanto você sente repulsa sempre que vê um objeto amarelo. A melhor escolha não é tentar doutrinar a criança de que “amarelo é feio”, mas permitir que ela continue admirando a cor e tenha liberdade para expressar essa emoção. Caso seja feita de outra forma, seja tentando mudar esse sentimento ou ignorando-o, a criança pode, com um tempo, parar de querer demonstrá-lo e se fechar, minando a comunicação familiar.

4 – Refletir sobre as emoções

Além de conhecer e reconhecer os sentimentos, é preciso entendê-los, saber o porquê sentimos determinada emoção, para poder explicar para as crianças. É importante passar algum tempo refletindo sobre as coisas que acontecem em nosso interior a partir de determinados acontecimentos. Dessa forma, quando os filhos passam por situações semelhantes, ou que possam despertar os mesmos sentimentos, será mais fácil explicar tudo o que está ocorrendo para que a criança atinja um equilíbrio emocional.

5 – Controlar as emoções

As emoções vão surgir naturalmente, isso é um ato involuntário. Todos sentem raiva, amor, alegria ou tristeza. Mas é importante aprender a regular esses sentimentos. Por exemplo, quando alguém fala mal de algo que você gosta, é normal ficar desapontado, até sentir raiva. Mas é necessário que se mantenha o controle sobre essa emoção, não deixando que os instintos de agredir a pessoa, por exemplo, sejam aflorados ou que se guarde mágoa por causa disso.

6 – Manifestar as emoções

Se por um lado precisamos aprender a controlar as emoções, também necessitamos saber a melhor forma de manifestá-las, mantendo o equilíbrio e decidindo o momento nos quais elas podem ser expressadas. Afinal, ouvir um filho falando sobre o quanto gosta dos seus pais é sempre prazeroso, não é? No entanto, o fato do sentimento ser expresso a todo momento também pode não ser visto com bons olhos, precisando manter um equilíbrio nas ações.

7 – Explicar as emoções

Por fim, depois de passar por todos esses estágios, é necessário estabelecer uma explicação clara para que as crianças entendam os motivos para que sentisse determinada emoção. Quando uma criança acorda assustada de um pesadelo, por exemplo, é porque ela está com medo, com os seus pais precisando explicar tudo o que aconteceu e ajudando a filha a voltar a dormir de forma mais tranquila.

Fontes:
El País-Sete passos para ajudar as crianças a enfrentar dificuldades emocionais

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *