Início » Internacional » Sudão do Sul gasta metade do orçamento com armamento
EM CRISE ALIMENTAR

Sudão do Sul gasta metade do orçamento com armamento

Apesar da grave crise alimentar, país gasta pelo menos metade de seu orçamento em armas

Sudão do Sul gasta metade do orçamento com armamento
País tem cerca de 100 mil pessoas passando fome (Fonte: Reprodução/Divulgação Médicos Sem Fronteira)

Apesar da grave crise alimentar, o Sudão do Sul, que se tornou independente em 2011, gasta pelo menos metade de seu orçamento em armas, segundo um relatório da ONU.

Leia também: Hiperinflação custa caro ao Sudão do Sul

Estimativas do próprio governo e da ONU apontam que o país tem cerca de 100 mil pessoas passando fome. Trata-se de uma das piores situações humanitárias do mundo.

Em fevereiro, o governo disse que 50% da população não teria acesso confiável a alimentos a preços acessíveis até julho. O Sudão do Sul tem 12,5 milhões de habitantes e enfrenta uma guerra civil desde 2013.

Noventa e sete por cento da renda do Sudão do Sul vêm do petróleo. Especialistas estimam que entre março e outubro do ano passado a venda do produto atingiu cerca de US$ 243 milhões.

O relatório da ONU aponta que o governo de Salva Kiir gasta pelo menos a metade, “e provavelmente muito mais”, do seu orçamento com armamento.

Um documento na ONU mostra ainda que “as armas continuam inundando o Sudão do Sul, asseguram diversas fontes, muitas vezes em coordenação com os países vizinhos”.

A inflação anual no Sudão do Sul é de 800%. Atualmente, US$ 1 vale cerca de 120 libras sudanesas.

A guerra civil atingiu “proporções catastróficas para os civis” e as milícias podem se tornar incontroláveis e alimentar os combates por vários anos, segundo um informe confidencial das Nações Unidas que vazou em fevereiro.

Entre as atrocidades cometidas no país estão assassinatos de crianças, castrações, estupros e degolas.

Fontes:
G1 - Com 100 mil passando fome, Sudão do Sul gasta metade do orçamento em armas

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *