Início » Internacional » Supremo dos EUA rejeita pedido para impedir casamento gay no Alabama
Casamento gay

Supremo dos EUA rejeita pedido para impedir casamento gay no Alabama

O equilíbrio entre os poderes estaduais e federais entram novamente em conflito no país

Supremo dos EUA rejeita pedido para impedir casamento gay no Alabama
Roy Moore concorrendo a eleição em 2012 (Reprodução/AP Photo/Montgomery Advertiser, Amanda Sowards)

O Supremo Tribunal Federal dos Estados Unidos rejeitou, no dia 9 de fevereiro, o pedido do procurador-geral do estado do Alabama, Luther Strange, de impedir o casamento de pessoas do mesmo sexo. Em uma decisão de sete votos a favor e dois contra, os juízes do Supremo rejeitaram o pedido que visava impedir o direito à união legal de homossexuais no estado sulista, um dos mais conservadores do país. O Alabama é o 37º  estado do país onde os homossexuais podem se casar legalmente.

Entenda o caso

Em janeiro, a juíza federal Callie Granade havia revogado a proibição vigente no Alabama sobre o casamento entre homossexuais ao considerá-la inconstitucional. Entretanto, após a decisão da máxima instância judicial do país, o presidente do Supremo estadual, Roy Moore, ordenou aos juízes estaduais que não emitissem licenças matrimoniais no dia 8 de fevereiro. Muitos obedeceram.

Em janeiro, o Supremo dos Estados Unidos anunciou que vai avaliar em junho se o casamento gay deve ser considerado um direito constitucional e portanto legalizado em todo os 50 estados do país. Em recente entrevista, o presidente americano, Barack Obama, disse acreditar que o Supremo optará neste ano pela legalização do casamento entre homossexuais em todo o país. Obama é o primeiro presidente da história dos Estados Unidos a expressar publicamente seu apoio ao casamento entre casais do mesmo sexo.

Uma lembrança do passado

Não é a primeira vez que autoridades estaduais do Alabama tentam reverter uma decisão federal. Em 1963, o governador do Alabama da época, George Wallace, seguiu à risca uma das frases que marcou seu discurso de posse: “segregação agora, segregação amanhã, segregação para sempre”. Em 11 de junho desse mesmo ano, o conservador parou, literalmente, na porta da Universidade de Alabama em Tuscaloosa, quando os estudantes negros Vivian Malone e James A. Hood foram ao campus para assistir às aulas. O governador ficou parado na entrada da universidade, enquanto autoridades federais tentavam permitir a entrada dos alunos. O então presidente Kennedy falou em audiência nacional horas após o confronto em Alabama, delineando seus planos para a legislação federal abrir espaço para uma maior integração no país.

 

Fontes:
The New York Times-Same-Sex Marriages Proceed in Alabama as State Judge’s Order Is Defied
The Washington Post-Why Roy Moore’s gay marriage gambit isn’t just Alabama being Alabama
The Wall Street Journal-Alabama’s Chief Justice Fails in Bid to Block Gay Marriages
U.S. News-George Wallace Stood in a Doorway at the University of Alabama 50 Years Ago Today
R7-Após decisão do Supremo dos EUA, homossexuais já podem se casar no Alabama

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *