Início » Internacional » Tailândia volta a aplicar pena de morte após quase 10 anos
PENA DE MORTE

Tailândia volta a aplicar pena de morte após quase 10 anos

A Tailândia não executava nenhum condenado desde agosto de 2009. País foi criticado por ação

Tailândia volta a aplicar pena de morte após quase 10 anos
Segundo o Departamento de Correções do país, 326 pessoas foram executadas desde 1930 (Foto: Wikimedia)

Depois de quase dez anos, a Tailândia voltou a aplicar a pena de morte. Na última segunda-feira, 18, Theerasak Longji, de 26 anos, recebeu uma injeção letal. Ele havia sido condenado por homicídio qualificado, após esfaquear um jovem, de 17 anos, 24 vezes para roubar seu celular.

Theerasak Longji foi apenas a sétima pessoa a ser executada por injeção letal desde que o método foi adotado pela Tailândia, em 2003, dando fim ao pelotão de fuzilamento. Segundo dados do Departamento de Correções do país, 326 pessoas foram executadas desde 1930. A Tailândia não executava nenhum condenado desde agosto de 2009.

A nova execução fez com que duas das principais organizações de defesas de direitos humanos, a Anistia Internacional e a Human Rights Watch (HRW), se posicionassem contra a ação do governo tailandês.

“Depois de quase dez anos sem execução, isso representa um grande retrocesso na jornada do país em direção à abolição. O governo tailandês deve suspender imediatamente qualquer plano para realizar novas execuções e estabelecer uma moratória sobre a implementação da pena de morte”, afirmou Katherine Gerson, ativista da Anistia Internacional na Tailândia.

Segundo números do Ministério da Justiça da Tailândia, 510 pessoas, sendo 94 mulheres, estão no corredor da morte no país. Além disso, 193 já teriam esgotado todos os recursos na Justiça. De acordo com a Anistia Internacional, mais da metade dos condenados teriam sido presos por delitos relacionados a drogas.

A HRW foi mais incisiva em suas críticas. Relembrando que autoridades tailandesas vão se encontrar com a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, e com o presidente da França, Emmanuel Macron, a HRW solicitou que os chefes de Estado se posicionem contrários a atitude da Tailândia.

“A primeira-ministra May e o presidente Macron devem expressar suas profundas preocupações sobre a deterioração dos direitos humanos sob o regime militar na Tailândia”, afirmou Brad Adams, diretor da HRW na Ásia.

O Departamento de Correção da Tailândia, por sua vez, se defendeu das críticas. Os tailandeses relembraram que muitos países, como Estados Unidos e China, ainda aplicam a pena de morte em diferentes casos. Além disso, de acordo com o comunicado do órgão, o governo “espera que esta execução sirva como um lembrete para aqueles que pensam em cometer crimes graves”.

“Embora muitos países tenham abolido a sentença de morte, ainda há muitos outros países que ainda a usam, como os EUA e a China, que se concentram na proteção da sociedade e dos cidadãos para não se tornarem vítimas de crimes sobre a prioridade dos direitos humanos. aqueles que violaram a lei”, explicou em comunicado.

 

Leia também: China tem mais penas de morte do que o resto do mundo

Fontes:
Independent-Thailand uses lethal injection to execute first prisoner in nearly a decade

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Buckminster disse:

    Parabéns Tailândia. O Brasil está precisando muito deste tipo de pena para políticos corruptos, traficantes e latrocidas pois estes estão no mesmo nível criminal haja vista a potencialidade de suas ações maléficas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *