Início » Internacional » Tecnologias para combater a escravidão moderna
TECNOLOGIA

Tecnologias para combater a escravidão moderna

Alguns softwares em desenvolvimento prometem combater o tráfico de pessoas e a escravidão moderna

Tecnologias para combater a escravidão moderna
O mundo da escravidão moderna está começando a sucumbir à tecnologia (Foto: Pinterest)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A escravidão moderna ocorre de várias formas. Em várias regiões do mundo, há pessoas forçadas a trabalhos manuais ou sexuais por meio de fraude, coerção ou ameaça de violência.

Casos como esses são difíceis de detectar e as vítimas muitas vezes relutam a denunciar por questões compreensíveis. No entanto, o mundo da escravidão moderna está começando a sucumbir à tecnologia.

No sudeste da Ásia, por exemplo, há a prática de usar barcos pesqueiros para traficar pessoas. Isso porque esse tipo de embarcação atraca poucas, o que reduz as chances de fuga das vítimas.

Diante disso, Dornnapha Sukkree, cofundadora de uma organização de caridade de Bangkok chamada MAST, espera combater essa prática desenvolvendo um software que analisa dados de transponders acoplados em barcos pesqueiros. Isso permitiria que os barcos tivessem as respectivas rotas rastreadas via satélite. Aqueles que não atracam de tempos em tempos seriam considerados suspeitos.

Atualmente, há dez barcos pesqueiros sendo usados como teste para o estudo de Sukkree. Se os resultados forem positivos, ela espera convencer o governo da Tailândia a exigir o uso de tranposnders em barcos pesqueiros a partir de determinados tamanhos.

Outro que desenvolve formas de combater a escravidão moderna é Luis CdeBaca, que já comandou operações contra tráfico humano do Departamento de Estado dos EUA e atualmente é membro da Open Society Foundations, uma organização pró-democracia.

Muitas das vítimas de escravidão moderna são atraídas por contratos lucrativos apresentados por traficantes de pessoas que, posteriormente, são reescritos em outro idioma, por vezes, um que a vítima não compreende.

CdeBaca espera combater essa prática através de um banco de dados distribuído chamado blockchain, que armazena informações na rede de forma permanente. Logo, governos de diferentes países poderiam passar a conceder vistos de trabalho apenas quando os contratos forem inspecionados e seja constatado que os termos batem com o contrato originalmente assinado pela pessoa.

Fontes:
The Economist-Software that detects human trafficking

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *