Início » Internacional » Tecnologias que não saíram do papel agora podem ser fabricadas
Tecnologias órfãs

Tecnologias que não saíram do papel agora podem ser fabricadas

A Wing Ship Technology Corporation, uma empresa da Coreia do Sul, retomou a ideia de construir aeronaves que voam a poucos metros acima da superfície do mar

Tecnologias que não saíram do papel agora podem ser fabricadas
É possível que a Wing Ship Technology Corporation consiga fabricar um veículo utilizando o efeito solo, que atenda às expectativas dos entusiastas dessa ideia (Reprodução/Wing Ship Technology)

Apesar da ideia interessante de fabricar veículos que aproveitam o efeito solo, esse projeto ainda não se concretizou.

Pronto para decolar? Algumas tecnologias parecem maravilhosas no papel, mas não se viabilizam no mundo real. Aviões. Autogiros. Hovercrafts. Esses aviões funcionam e têm uma função específica. No entanto, nunca corresponderam às expectativas, nem foram amplamente adotadas.

O mesmo aconteceu com o projeto de construir aviões que voam a poucos metros acima da superfície do mar por meio de uma interação aerodinâmica com a superfície, criando um colchão de ar que dá sustentação ao voo rasante. Essas aeronaves usam menos combustível do que um avião e são mais velozes do que um navio.

Houve várias tentativas de construí-las. A Boeing fez uma tentativa na década de 1990, com o Pelican Ultra Large Transport Aircraft. A antiga União Soviética fez um protótipo do ecranoplano, que hoje apodrece na base naval em Kaspiysk. Dois engenheiros alemães tentaram construir um carro de corrida aquático utilizando o efeito solo. Porém ninguém conseguiu fabricar um veículo melhor do que as opções existentes. Mas a Wing Ship Technology Corporation, uma empresa da Coreia do Sul, retomou a ideia. O Exército da Coreia do Sul já concordou em comprar alguns veículos e a empresa disse que espera anunciar suas primeiras vendas comerciais (para uma companhia de petróleo e gás e uma empresa de transporte de balsas no mar Mediterrâneo) em breve.

O protótipo é equipado com um motor turbopropulsor e tem capacidade para transportar cinquenta passageiros. O casco assemelha-se ao de um catamarã, e o veículo tem um projeto inovador de asas aerodinâmicas. A velocidade de cruzeiro de 180kph é maior do que a do hidroavião, seu principal rival.

É possível que a Wing Ship Technology Corporation consiga fabricar um veículo utilizando o efeito solo, que atenda às expectativas dos entusiastas dessa ideia. Mas se o projeto se concretizar, será um exemplo da importância da persistência, mesmo diante da complexidade das novas tecnologias.

Fontes:
The Economist-A phoenix rises

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *