Início » Internacional » Timor Leste protesta a recusa da Austrália de negociar fronteira marítima
PETRÓLEO E GÁS

Timor Leste protesta a recusa da Austrália de negociar fronteira marítima

A tentativa de extrair dinheiro da última gota de petróleo

Timor Leste protesta a recusa da Austrália de negociar fronteira marítima
Timor Leste alega que a recusa está custando a perda de bilhões de dólares ao país e é uma violação à sua soberania (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Milhares de pessoas reuniram-se há pouco tempo à frente da embaixada da Austrália em Díli, a capital à beira-mar do Timor Leste, em talvez a maior manifestação desde que o minúsculo país conquistou sua independência há 14 anos. Os manifestantes protestavam contra a recusa da Austrália de negociar uma fronteira permanente no mar de Timor, onde existem reservas incalculáveis de petróleo e gás. O Timor Leste alega que a recusa está custando a perda de bilhões de dólares ao país e é uma violação à sua soberania.

A Austrália mantém sua posição que os acordos de partilha de receitas assinados há anos pelos dois países permanecem em vigor. Um deles adia a discussão de fronteiras marítimas permanentes até 2057, apesar de declarações recentes do Partido Trabalhista de oposição ao governo australiano em favor das negociações terem dado alguma esperança aos timorenses.

No entanto, uma solução favorável aos timorenses nessa discussão apenas adiará a questão mais crítica que o Timor Leste enfrenta: o que fazer quando as reservas de petróleo e gás terminarem. Nove décimos das receitas do país originam-se da exploração de petróleo e gás. Só alguns poucos países com economias frágeis, entre eles o Sudão do Sul e a Líbia, são mais dependentes de hidrocarbonetos.

O Timor Leste e a Austrália mantêm relações amistosas há muito tempo. Entretanto, sem um acordo referente à fronteira marítima permanente esse relacionamento amigável, segundo muitos timorenses, terminaria. Embora a Austrália tenha negociado um acordo de fronteira marítima com a Indonésia em 1972, essa iniciativa não se repetiu com Timor Leste. Mas de acordo com a lei internacional sobre o direito do mar, alegam os timorenses, essa fronteira se situaria a uma distância equidistante entre os dois países.

 

Fontes:
The Economist-Line in the sand

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Para discutir com o vizinho, a prudência manda deixar um bordão atrás da porta. Timor Leste não tem nenhum.

  2. Roberto1776 disse:

    Esse é o problema de micro-países. Países tão pequenos como Timos Leste estão fadados a desaparecer, se não fisicamente, pelo menos economicamente. Melhor fariam se se juntassem ao primeiro mundo australiano, porém como seu pensamente é eminentemente português, certamente tal opção nem lhes passa pela cabeça.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *