Início » Internacional » Tradicional ONG britânica se envolve em escândalo sexual
ASSÉDIO SEXUAL

Tradicional ONG britânica se envolve em escândalo sexual

Durante uma missão humanitária ao Haiti em 2011, funcionários da ONG Oxfam contrataram prostitutas e fizeram orgias sexuais

Tradicional ONG britânica se envolve em escândalo sexual
Acusações semelhantes estão sendo feitas a outras ONGs de ajuda humanitária (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Fundada em 1942, a Oxfam é uma das organizações de ajuda humanitária mais conhecidas do Reino Unido, com filiais em mais de 90 países. É também uma organização respeitada e amada pelos 23 mil voluntários que arrecadam em torno de £ 100 milhões (US$ 140 milhões) por ano com a venda de livros usados e casacos de pele de marta antigos. Agora, a Oxfam envolveu-se em um escândalo de abuso sexual e sua reputação ficou seriamente abalada.

Segundo o relato de uma testemunha ao Times, durante uma missão humanitária ao Haiti em 2011, após o terremoto que devastou o país, os funcionários da ONG em Port-au-Prince contrataram prostitutas e fizeram orgias sexuais. A prostituição é ilegal no Haiti e algumas das prostitutas eram menores de idade. Três funcionários envolvidos no escândalo renunciaram aos cargos e a Oxfam demitiu mais quatro por comportamento inadequado, porém encobriu a gravidade de suas ações.

Helen Evans, uma funcionária da Oxfam, disse que advertiu diversas vezes os diretores da organização sobre casos de “abuso sexual” em filiais no exterior e no Reino Unido, mas suas histórias não foram levadas a sério.

A diretora-geral adjunta da Oxfam, Penny Lawrence, responsável pelo programa internacional de ajuda humanitária da organização, renunciou em 12 de fevereiro. No mesmo dia, o Department for International Development (DFID) informou ao seu diretor-geral, Mark Goldring, que a Oxfam poderia perder mais de £ 30 milhões de subsídios do governo se não desse uma explicação detalhada sobre os acontecimentos no Haiti.

A União Europeia (UE), que doara £ 29 milhões à Oxfam, exigiu “máxima transparência” em sua investigação. No dia seguinte, algumas empresas que apoiam as atividades da ONG britânica, como Visa e Marks & Spencer, disseram que estavam revendo sua parceria com a organização.

Acusações semelhantes estão sendo feitas a outras ONGs de ajuda humanitária. Priti Patel, ex-secretária do DFID, disse que o caso da Oxfam é a “ponta do iceberg”, o que pode prejudicar ainda mais a confiança no setor, já enfraquecido segundo as pesquisas de opinião realizadas pela Charity Comission a partir de 2005.

Diante das denúncias de abusos cometidos por funcionários da Oxfam no Haiti, alguns parlamentares conservadores sugeriram eliminar o compromisso de gastar 0,7% do PIB em programas de ajuda humanitária internacional, que consideram um gasto excessivo em uma época de austeridade.

Mas outros conservadores, como Andrew Mitchell, ex-secretário do DFID, argumentaram que a área de desenvolvimento internacional é uma das poucas iniciativas em que o Reino Unido é um líder global. Com a saída da UE seria lamentável que o país perdesse essa liderança, disseram.

Fontes:
The Economist - The saints and sinners of Oxfam

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *