Início » Internacional » Três motivos para acreditar que Obama não será o vencedor
Eleições americanas

Três motivos para acreditar que Obama não será o vencedor

Um articulista do site American Thinker considera que Barack Obama não é uma "escolha aceitável" para governar o país, porque seria muito jovem e inexperiente, liberal demais e teria consciência racial exacerbada.

Steven Warshawsky diz que está convicto de que Obama não vencerá a eleição, e prevê que ele será menos votado do que o também democrata John Kerry foi em 2004. O articulista diz que o povo norte-americano não irá confiar a segurança e a prosperidade do país a alguém tão "imaturo".

Warshawsky acredita ainda que há pouco espaço nos EUA para políticas de engenharia social de cima para baixo, como as que Obama está oferecendo, e afirma que ele não é um político "pós-racial", como o próprio candidato democrata e aqueles que o apóiam tentam fazer crer.

Fontes:
American Thinker - Why Barack Obama Will Not Win

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

10 Opiniões

  1. lussa disse:

    Ninguém pode ser presidente de um país só porque é negro. Esse Obama é um grande mentiroso. Mente até sobre o seu passado. É muçulmano ,e um anti-americano declarado. Não acredito que o povo americano vai cair nessa.

  2. yama disse:

    Escrevo não sendo uma opinião, mas,uma concordância do que,provavelmente, no todo ou em parte, já passou pela mente de boa parte da população instruída que as três condições existentes são de fato motivos fortes para esperar mais do que prever que a eleição de Obama não ocorra.
    A opinião que poderia emitir é que o mundo não é os EUA e tão pouco a minoria culta que conhece a a história do Homem, o mundo "pensa" qua a falácia do "querer é poder" vale como uma afirmativa de realidade sem prever o que as fantasias podem provocar no mundo heterogêneo como é o dos humanos.

  3. E. Coelho disse:

    Quais são as qualificações do Obama?

    Pelo visto ele sabe fazer promessas, promessas… Entretanto, o eleitor americano sabe que alguém vai pagar a conta, pois não existe "almoço grátis", sendo assim, dificilmente irá eleger alguém para incetivar o paternalismo, esmolagem, bolsa isso, bolsa aquilo, cotas disso e daquilo.
    Espero que ele não seja eleito, pois, isto terá reflexos na economia mundial e atingirá o Brasil direta ou indiretamente.

  4. Manfred Konrad Richter disse:

    Ah, claro… e a "experiência" de G. W. Bush [Filho] ajudou muito o país!?.

  5. Henrique disse:

    Pelo jeito a velha maneira de governar ainda atrai a maioria das pessoas… o novo intimida! No Brasil temos a classe política "carcamana" que assola o país há décadas e agora com o "continuísmo" deslavado do PT, sua corrupção estrutural e seus programas assistêncialistas e manipulados (me engana que eu gosto)… Nos EUA o dito "experiênte" Bush e seus Falcões levaram o país quase à falência, invadiram o Iraque na maior mentira e manipulação pró-petróleo da história (depois falam dos Russos que invadiram a Geórgia) enriquecendo ainda mais as indústrias de petróleo e bélica as quais financiaram suas campanhas…
    Mudar? …talvez por isto Obama intimide tanto! Mexer com estruturas enraizadas no poder não agrada às classes dominantes tampouco à certos grupos de comunicação que deste meio tira sua influência e sustento.
    Espero que Obama ganhe(independente de todos os seus defeitos e faláceas)para mudar um pouco da arrogância e idéia de síndico do mundo dos EUA !

  6. Arlon Borges disse:

    Lendo na íntegra o artigo americano a gente vê que realmente Obama não tem experiência alguma que o credencie para ser presidente do país mais poderoso do mundo.

    Não tem experiência como executivo; como advogado e professor não fez nada de importante, fica a impressão de que o forte dele é o marketing. E o fato de ter freqüentado durante vinte anos aquela igreja radical, convidando o pastor super-radical para casá-lo e batizar seus filhos, é meio assustador.

  7. Robson Sirenoni disse:

    O fato de o candidato Barack Obama ser jovem e inexperiente não significa que ele não fará um bom governo, caso eleito. A desconfiança sobre ele cai devido ao fato dele ser um "produto novo". Me parece que há também um pouco de preconceito por parte de algumas pessoas por ele ser negro; ao mesmo tempo que o medo por parte de outros sobre o futuro dos EUA, principalmente o econômico. Mas, agora, é aguardar as eleições e torcer para que o próximo presidente – Obama ou McCain – faça um excelente governo, e que essa excelência possa contribuir para um mundo melhor em todos os sentidos. Numa hora dessas, só o voto decide!

  8. Claudio H. Picolo disse:

    Não sei qual é a do Obama.
    O que sei é que Bush "filho" não me pareceu nem um pouco "maduro" ao longo de seu governo.
    Aliás, segundo o documentário "Farenheit 11/9", do Michael Moore a "experiência" do mesmo foi suficiente para falir todas as empresas que presidiu.
    Uma coisa o Obama tem mesmo contra ele: ele é negro, o que vai contra a tradição de "forças" muito estranhas que "escolhem" os presidentes dos EUA.
    Al Gore que o diga.

  9. Chicão Somavilla disse:

    Barak Obama sofre ataques com fundo racista e discriminatorios tais os que Lula sofreu em suas tentativas para chegar a Presidencia da Republica.
    Nos EUA, o que manda é a cor da pele e a cor da Grana. Grana Obama tem, como também a pele negra.
    Os brancos mandantes não se imaginam de forma alguma perder o comando da nação para um que não seja dos seus.A China falsifica entre tanas coisas, voz de cantora como aconteceu na abertura dos Jogos Olimpicos. Os EUA falsificam a Democracia simplesmente.

  10. Carlos Hammes disse:

    Penso um pouco diferente. Para mim, com a eleição de Obama, o mundo terá uma um novo olhar sobre as minorias. Vimos esta semana o mundo todo comemorar a vitória do democrata americano como ha muito não se via, como um herói. Obama resgatou a confiança e a espçerança do povo norte-americano, não que isso mude realmente alguma coisa, mas contribui no sentido de unificar a população acerca de um meso objetivo: vencer a crise. O conservadorismo e a exclusão estão, pouco a pouco, sendo vencidos pela população mundial, afinal, as classes populares estão se dando conta de que seu voto é o único bem que realmente p o único bem que realmente pode interferir na maneira de ser tratado. É através do voto que se define, pelo menos, as diretrizes governamentais que se quer. A população norte-americana mostrou nas urnas o que quer: menos discriminação e mai

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *