Início » Internacional » Trump promete acordo comercial com Reino Unido após Brexit
'ACORDO FENOMENAL'

Trump promete acordo comercial com Reino Unido após Brexit

Em viagem ao Reino Unido, presidente americano causou polêmica ao tentar incluir o sistema público de saúde britânico na promessa de acordo comercial

Trump promete acordo comercial com Reino Unido após Brexit
Após repercussão negativa, Trump voltou atrás em sua declaração sobre o NHS (Foto: Shealah Craighead/White House)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, continua, nesta quarta-feira, 5, a sua visita oficial ao Reino Unido, onde se reúne com a primeira-ministra britânica, Theresa May.

Às vésperas da saída de May do cargo de premier, Trump acenou a dois candidatos cotados para assumir o cargo com um acordo comercial “fenomenal”, a ser implementado após a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

Trump não entrou em detalhes sobre o possível acordo comercial após o Brexit. No entanto, afirmou que, ao negociar um pacto comercial, tudo tem de estar na mesa, incluindo o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) – órgão que reúne os quatro sistemas públicos de saúde do país.

“Quando você está negociando, tudo está na mesa. Então, NHS ou qualquer outra coisa. Há muito mais que isso. Mas tudo estará sobre a mesa, absolutamente”, destacou Trump. A afirmação do presidente americano despertou críticas da oposição ao governo do Reino Unido, chefiada pelo líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, – a quem Trump se recusou a encontrar.

Pelas redes sociais, Corbyn criticou a afirmação de Trump, destacando que o “NHS não está à venda”. O NHS é o serviço de saúde pública do Reino Unido. A afirmação de Trump despertou temores de uma tentativa de privatização, ou flexibilização de normas para que mais empresas americanas ganhem licitações para contratos no NHS.

Corbyn não foi o único a criticar a afirmação de Trump. Diferentes políticos e cidadãos britânicos rejeitaram a declaração do presidente americano. O secretário de Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, garantiu que o NHS “não está na mesa de negociações e nunca estará”. “Não no meu turno”, disse Hancock.

Mais tarde, Trump voltou atrás em sua afirmação, afirmando que não vê o NHS na mesa de negociações. Diante da mudança de posição, Hancock voltou a usar as redes sociais para afirmar que “fica feliz” em ver que Trump não enxerga o NHS na mesa de negociações.

Huawei

Outro assunto abordado foi o posicionamento diferente dos países em relação à empresa chinesa de tecnologia Huawei. Os Estados Unidos estão liderando uma frente contrária à expansão da companhia chinesa, que luta pelo domínio da tecnologia 5G, mas é acusada por Trump de fazer espionagem para o governo chinês.

Enquanto isso, o Reino Unido não impõe restrições à Huawei. Quando perguntado por jornalistas sobre a diferença no posicionamento, e se isso poderia colocar restrições ao acordo comercial, Trump negou. Segundo o chefe de Estado, o acordo comercial também vai englobar a questão da Huawei.

“Nós vamos ter um acordo sobre a Huawei e tudo mais. Temos uma incrível relação de inteligência [com o Reino Unido] e poderemos resolver quaisquer diferenças. Eu acho que não vamos ter isso [limitações]. Nós discutimos isso. Eu não vejo absolutamente nenhuma limitação. Nós nunca tivemos limitações. Este é realmente um grande aliado e parceiro, e não teremos problemas com isso”, destacou Trump.

Brexit

Theresa May deixará o cargo de primeira-ministra britânica na próxima sexta-feira, 7 – ela estendeu sua permanência na posição por causa da visita de Trump, prevista desde abril. Diante disso, Trump acenou a dois dos principais nomes ao cargo: o ex-prefeito de Londres Boris Johnson – que é o favorito para assumir a posição de primeiro-ministro – e o secretário das Relações Exteriores, Jeremy Hunt.

O Brexit tem prazo para ocorrer até o dia 31 de outubro, depois que May conseguiu negociar uma extensão do prazo com a União Europeia. Após a saída do Reino Unido do bloco econômico, Trump espera reforçar os laços comerciais com os britânicos.

Em diferentes momentos, Trump relembrou, juntamente à May, as relações bilaterais entre os Estados Unidos e o Reino Unido. De acordo com a Casa Branca, em 2018, os países movimentaram mais de US$ 260 bilhões em comércio bilateral de bens e serviços. Ademais, em termos de investimento estrangeiro direto, os países movimentaram quase US$ 1,3 trilhão – estima-se que mais de 2,2 milhões de empregos dependem diretamente desses investimentos.

Um dos temores no Reino Unido era que Trump usasse sua visita ao país para diminuir May, criticando o trabalho da primeira-ministra para aprovar o Brexit. No entanto, o presidente americano assumiu uma posição completamente oposta, exaltando os esforços de May para conquistar a “independência” britânica da União Europeia.

“Eu gostaria de parabenizá-la por ter feito um trabalho fantástico, em nome do povo dos Estados Unidos, e é uma honra ter trabalhado com você”, afirmou Trump publicamente. Mais tarde, em outra oportunidade, o chefe de Estado americano exaltou o profissionalismo de May e o amor que a primeira-ministra sente pelo Reino Unido.

Visita ao Reino Unido

Trump iniciou sua visita ao Reino Unido na última segunda-feira, 3. Neste período, o presidente americano encarou muitos protestos e críticas, inclusive do atual prefeito de Londres, Sadiq Khan. No entanto, Trump diminuiu o impacto das manifestações. “Onde estão os protestos? Eu não vejo protestos. Eu vi um pequeno protesto hoje [terça-feira, 4] quando cheguei – muito pequeno”, afirmou o presidente.

Além se reunir com May, o presidente americano se encontrou com membros da família real, como a rainha Elizabeth II e o príncipe Charles. Já nesta quarta-feira, Trump viajou à Portsmouth para a celebração dos 75 anos do chamado “Dia D” da Segunda Guerra Mundial.

No dia 6 de junho de 1944, soldados britânicos e americanos viajaram à Normandia, na França, dando um importante passo para a vitória na Segunda Guerra Mundial. Na próxima quinta-feira, 6, Trump pretende ir à França para a celebração oficial da data.

Fontes:
The New York Times-Trump Attends 75th Anniversary D-Day Event: Live Updates
Reuters-Trump promete acordo comercial pós-Brexit "fenomenal" ao Reino Unido e solução para caso Huawei

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    Finalmente uma luz para o UK. O que parecia inviável, o BREXIT, no fim das contas vai dar certo. Com a ajuda dos EUA, a Inglaterra já venceu até nazistas e não há para não superar este impasse com a ajuda de Donald.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *