Início » Internacional » Trump quebra tradição e não promove jantar no final do Ramadã
EUA

Trump quebra tradição e não promove jantar no final do Ramadã

Durante quase 20 anos, presidentes americanos promoviam celebração no final do mês sagrado dos muçulmanos

Trump quebra tradição e não promove jantar no final do Ramadã
No governo Trump, o Ramadã passou quase em branco (Foto: Flickr/Gage Skidmore)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não promoveu um jantar no final do Ramadã, mês sagrado dos muçulmanos, quebrando uma tradição de quase 20 anos da Casa Branca.

No governo Trump, o Ramadã passou quase em branco. Apenas uma declaração sobre a data foi publicada no final da tarde de sábado, 24, coincidindo com o final do mês sagrado. Segundo o Washington Post, a declaração da Casa Branca foi assinada por Donald e Melania Trump, mas não foi postada nas redes sociais do presidente.

Em maio, a Reuters noticiou que o secretário de estado, Rex Tillerson, negou uma recomendação do Gabinete de Religião e Assuntos Globais do Departamento de Estado de promover uma recepção. O primeiro jantar em celebração ao fim do Ramadã foi promovido por Thomas Jefferson. Na ocasião, em 1805, o presidente recebeu um embaixador tunisiano. Hillary Clinton voltou com o evento, em fevereiro de 1996, quando era primeira-dama, recepcionando na Casa Branca cerca de 150 pessoas.

O jantar após o pôr do sol virou uma tradição anual desde 1999. Legisladores, diplomatas e líderes da comunidade muçulmana dos Estados Unidos costumam participar do evento. George W. Bush, por exemplo, promoveu o jantar todos os anos durante seus dois mandatos, mesmo depois do atentando de 11 de setembro de 2001. Obama, por sua vez,  promoveu seu primeiro jantar de fim do Ramadã em 2009.

O governo Trump é acusado de islamofobia depois de sua polêmica proibição de entrada de pessoas provenientes de seis países predominantemente muçulmanos. Depois de o decreto ser temporariamente bloqueado por dois tribunais federais, a Suprema Corte americana ainda analisa um recurso do governo.

Este mês, cerca de 100 ativistas muçulmanos protestaram contra Trump do lado de fora da Trump Tower, em Nova York. O grupo rezou e quebrou o jejum na rua. A manifestação foi organizada por grupos de direitos dos imigrantes.

Fontes:
The Guardian-Donald Trump abandons traditional White House Ramadan celebration

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Carlos disse:

    Gostei!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *