Início » Internacional » Trump reafirma compromisso dos EUA com a Otan
CÚPULA DA OTAN

Trump reafirma compromisso dos EUA com a Otan

Presidente americano se diz satisfeito com o compromisso firmado no encontro de elevar a fatia destinada ao bloco para 2% do PIB de seus respectivos membros

Trump reafirma compromisso dos EUA com a Otan
Atualmente, os gastos dos Estados Unidos com a defesa giram em torno de 3,6% do PIB (Foto: Divulgação/Otan)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reafirmou o compromisso de seu país com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quinta-feira, 12, segundo e último dia do evento, ocorrido em Bruxelas.

Trump chegou à cúpula determinado a exigir que os demais aliados do bloco elevassem para pelo menos 2% do Produto Interno Bruto (PIB) a fatia destinada ao bloco. Tal meta de contribuição foi estabelecida em 2014, mas não vinha sendo cumprida.

Questionado se conseguiu obter o compromisso dos aliados, Trump respondeu não ter dúvidas sobre isso. “Eles vão. Eles vão. Eu não tenho nenhuma dúvida sobre isso. Eles todos fizeram compromissos, e eles investirão até 2% ao longo de um período, um período relativamente curto de anos”, afirmou Trump, segundo noticiou a CNN.

Antes da reunião, Trump já havia expressado indignação pelo fato dos Estados Unidos contribuírem com uma fatia maior. Durante a cúpula, ele manteve a postura ofensiva. De acordo com o presidente da Bulgária, Rumen Radev, os países precisam aumentar a contribuição para 2% do PIB imediatamente, com a próxima meta definida sendo 4%. “O presidente Trump, que falou primeiro, levantou a questão de não apenas atingir 2% hoje, mas [definir] uma nova meta de 4%”, afirmou o búlgaro, segundo informou o G1.

Trump confirmou a informação pelas redes sociais. Em uma postagem no Twitter, o presidente americano afirmou que “todas as nações da Otan devem cumprir seu compromisso de 2%” e, depois disso, “ir para 4%”.

No entanto, segundo a CNN, fontes afirmaram que os países não se comprometeram a aumentar a contribuição do PIB para 4%. Os gastos, de acordo com o jornal, foram acordados em 2% do PIB até 2024. A informação foi confirmada pelo primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau.

Atualmente, os gastos dos Estados Unidos com a defesa giram em torno de 3,6% do PIB. Outros países, no entanto, variam com o direcionamento de recursos. A Alemanha, por exemplo, gastou apenas 1,24% e promete 1,5% do PIB para 2024, se aproximando da meta de 2%.

De acordo com a Otan, conforme noticiou o Deutsche Welle, apenas oito países devem cumprir a meta de 2% ainda em 2018: Reino Unido, Romênia, Grécia, Estônia, Lituânia, Letônia, Polônia e Estados Unidos – que já cumpre.

Por todas as afirmações de Trump logo na sua chegada a Bruxelas, um dos encontros mais esperados era do presidente americano com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. Antes de se encontrar com a chefe de Estado, Trump chegou a afirmar que os alemães eram “reféns da Rússia”.

Ao ser questionado sobre os comentários feitos sobre Alemanha, Trump disse que essa era uma maneira “muito eficaz de negociar”. O presidente americano refutou a existência de atritos durante a cúpula, afirmando que “todos nessa sala se deram bem”.

Ameaças?

No entanto, críticos especulam sobre a veracidade da afirmação. Isso porque, quando foi questionado por um repórter, Trump afirmou que poderia retirar os Estados Unidos da Otan, mas que isso “é desnecessário”. Segundo o chefe de Estado, os aliados se empenharam mais nessa cúpula atual do que nas anteriores. Muitos acreditam que isso ocorreu devido a possibilidade dos Estados Unidos deixarem a Otan.

Em determinado momento da reunião, quando os líderes mundiais falavam da situação da Geórgia e da Ucrânia, Trump voltou ao assunto do direcionamento do PIB, cortando discursos os chefes de Estado da França, Emmanuel Macron, e da Alemanha, Angela Merkel. O diretor-geral da Otan, Jeans Stoltenberg, pediu para que os representantes georgiano e ucraniano saíssem da sala para que o orçamento voltasse a ser discutido.

Outra afirmação de Trump chamou a atenção depois que o presidente conversou com os aliados. Ainda falando sobre o direcionamento de recursos para a Otan, o chefe de Estado americano afirmou que “ficaria muito infeliz” se os outros países não aumentassem os recursos para a Organização, pois os EUA estava contribuindo com a maior parte.  A afirmação foi interpretada como uma ameaça por alguns.

Satisfeito

Se antes e durante a cúpula da Otan o presidente Trump adotou uma postura mais agressiva, após a reunião foi a vez de se mostrar mais cordial, mostrando-se satisfeito com os avanços alcançados. “Eu acredito na Otan. Eu estava extremamente descontente com o que estava acontecendo, e eles aumentaram substancialmente seu comprometimento”, apontou o americano.

Sem dar muitos detalhes, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, celebrou a cúpula, afirmando que a Organização está “mais unida do que antes”, apontando um debate “aberto e franco”.

Relação com a Rússia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, só deve se encontrar com Donald Trump na próxima segunda-feira, 16, na Finlândia. Na reunião, o chefe de Estado americano admitiu que irá questionar o russo sobre uma possível interferência nas eleições de 2016, mas admitiu que Putin pode negar o envolvimento.

Questionado se Putin representava uma ameaça para os Estados Unidos, Trump rejeitou a possibilidade, mas também não o chamou de amigo ou aliado. “Eu só não o conheço muito bem”, afirmou o americano, dizendo que Putin é “um competidor”.

Fontes:
CNN-Trump attends NATO summit
G1-Trump diz que compromisso dos EUA com a Otan continua forte

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *