Início » Internacional » Tunisianos tentam frear anistia a políticos corruptos
PROTESTOS NA TUNÍSIA

Tunisianos tentam frear anistia a políticos corruptos

Tunisianos estão indignados com projeto de lei do governo de 'reconciliação econômica', que visa anistiar empresários e parlamentares acusados ​​de corrupção

Tunisianos tentam frear anistia a políticos corruptos
'Não ao perdão': os manifestantes dizem que estão defendendo o espírito da revolução (Foto: Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No dia 13 de maio, milhares de tunisianos caminharam pelas ruas de Túnis, a capital da Tunísia, acenando cartazes com as palavras “não ao perdão”. Os manifestantes protestavam contra um projeto de lei de “reconciliação econômica” destinado a anistiar empresários e funcionários do governo acusados ​​de corrupção durante o regime do ex-presidente Zine el-Abidine Ben Ali. A corrupção foi um dos motivos da revolução que depôs Ben Ali há seis anos, logo após o início da Primavera Árabe, em dezembro de 2010.

Os manifestantes dizem que estão defendendo o espírito da revolução. Mas os líderes da Tunísia alegam que o projeto de lei é fundamental para estimular o investimento em uma economia debilitada. Segundo as cláusulas do projeto de lei, os empresários e funcionários do governo terão de devolver seus ganhos ilícitos ao Estado.

O governo espera recuperar bilhões de dólares com a aplicação da lei. O dinheiro seria usado para cobrir um déficit orçamentário equivalente a 5,9% do PIB este ano. Além disso, em uma tentativa de recuperar a economia, o primeiro-ministro, Youssef Chahed, propôs medidas de austeridade, como demissão de servidores públicos, aumento de impostos e interrupção de investimentos em infraestrutura.

Os críticos temem que a anistia aos corruptos irá incentivar a prática de atos ilícitos. A antiga elite de Túnis e do litoral do país não se envolve com os assuntos do governo. Mas uma nova classe de empresários inescrupulosos aproveita-se de suas conexões com os líderes do governo para fazer negócios. No interior, os comerciantes prosperam com o contrabando e com o comércio da mercadoria contrabandeada.

A corrupção e o regionalismo provocaram um sentimento de amargura e desconfiança entre os tunisianos. Será preciso criar um diálogo econômico de âmbito nacional, semelhante ao da política que propiciou a transição democrática na Tunísia a partir de 2013, com a realização em novembro de 2014 das primeiras eleições livres do país.

Fontes:
The Economist-Tunisians wonder whether to let powerful crooks off the hook

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Markut disse:

    Lá como cá, tudo igualzinho, o cinismo e a desfaçatez da corrupção institucionalizada pleiteia “a reconciliação econômica” ????????
    O Criador precisa ,urgente, convocar um “recall” da índole humana.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *