Início » Internacional » Turquia ameaça cortar cooperação militar com os EUA
POLÍTICA INTERNACIONAL

Turquia ameaça cortar cooperação militar com os EUA

Erdogan quer que os EUA extraditem o clérigo Fethullah Gulen

Turquia ameaça cortar cooperação militar com os EUA
O presidente turco Recep Tayyip Erdogan acusa o clérigo Fethullah Gulen de ter instigado a tentativa de golpe do dia 15 de julho (Foto: Wikimedia)

O governo turco, além de ameaçar a União Europeia com “caminhões de refugiados”, também está chantageando os Estados Unidos, segundo informações da Folha de S.Paulo.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan acusa o clérigo Fethullah Gulen de ter instigado a tentativa de golpe do dia 15 de julho. Gulen está no autoexílio na Pensilvânia, nos Estados Unidos, desde 1999. Erdogan quer que os EUA o extraditem, no entanto, o país vem se negando a fazer isso. Autoridades americanas afirmam que só irão extraditar o clérigo se receberem provas claras de seu envolvimento no golpe fracassado. Porém, essa resistência pode estar com os dias contados.

Os EUA e a Turquia, que são membros da Otan, têm cooperação militar estreita. Os EUA usam a base turca de Incirlik para ataques contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque e também mantêm um posto da CIA no país.  Mas, o relacionamento entre os dois países já vinha azedando. Afinal de contas, Washington criticou publicamente o crescente autoritarismo de Erdogan e suas investidas contra jornalistas e ativistas curdos. Já Erdogan estava furioso com os Estados Unidos por causa do apoio dos americanos aos curdos do norte da Síria, que lutam contra o Estado Islâmico e são aliados do PKK na Turquia, considerado um partido terrorista pelo governo turco. Os EUA dão ajuda militar aos curdos sírios e estariam construindo bases no território deles.

O presidente Erdogan, por sua vez, já vinha se aliando com a Rússia. O governo turco pediu desculpa a Putin no mês passado – o país estava rompido com a Rússia desde que derrubou um jato russo em 24 de novembro do ano passado. O rompimento afetou duramente a Turquia, já que a Rússia era sua maior fonte de turistas e importante parceiro comercial.

Agora, Erdogan anunciou uma vista à Rússia em 9 de agosto. A Rússia, por sua vez, condenou veementemente a tentativa de golpe, muito antes da União Europeia e dos Estados Unidos se manifestarem. Para Moscou, a base turca de Incirlik seria uma importante presença para o Oriente Médio. Hoje em dia, a Rússia tem apenas a base de Tartus, na Síria.

Desta forma, Washington pode acabar entregando o clérigo Gulen e fechando os olhos para as violações de direitos humanos no país, com o objetivo de manter sua base estratégica na guerra contra o Estado Islâmico.

Fontes:
Folha de S.Paulo-União Europeia e Estados Unidos são reféns de Erdogan na Turquia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *