Início » Internacional » UE chega a um acordo sobre migração
CRISE MIGRATÓRIA

UE chega a um acordo sobre migração

Acordo foi firmado na cúpula da UE em Bruxelas. Documento, no entanto, ainda está repleto de pontos nebulosos

UE chega a um acordo sobre migração
O maior desafio segue sendo o da chanceler alemã, Angela Merkel (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Líderes europeus chegaram a um acordo sobre o tema da migração na cúpula da União Europeia (UE), que ocorreu na última quinta-feira, 28, em Bruxelas, na Bélgica. Apesar da promessa dos países-membros de receber migrantes resgatados no Mar Mediterrâneo, muitos pontos do acordo ainda seguem nebulosos. O plano é criar plataformas de desembarque fora da União Europeia, centros de processamento nos países-membros e evitar movimentos secundários (movimentos migratórios entre países da UE).

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, disse estar satisfeito com o texto. “Foi uma longa negociação, mas a partir de hoje a Itália não está mais sozinha”. Os líderes europeus concordaram que devem ajudar migrantes resgatados no Mediterrâneo para aliviar a situação da Itália e da Grécia, mas os detalhes não ficaram claros. A situação migratória tinha piorado quando a Itália fechou seus portos para barcos de resgate de imigrantes.

Numa tentativa de evitar uma situação caótica, os líderes concordaram que deveria haver uma “tentativa compartilhada”, mas “apenas de forma voluntária” Os países vão aceitar migrantes resgatados e estabelecer centros de processamento para verificar pedidos de asilo em seu território. Nestes centros, uma seleção será feita para avaliar quem tem direito a asilo. Os que não tiverem, vão ser devolvidos ao seu país de origem. Aqueles que conseguirem a proteção serão distribuídos entre os países voluntários.

No entanto, a Itália disse que bloquearia as conclusões do texto se não recebesse mais ajuda. Num viés mais consensual, os líderes europeus pediram também pela criação de plataformas de desembarque em países do norte da África em cooperação com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) e com a Organização Internacional para Migrações (OIM). Estas plataformas seriam financiadas pela UE, mas até agora nenhum país fora da Europa concordou com a proposta. Marrocos e Albânia, por exemplo, já anunciaram que vão se opor à ideia.

O maior desafio segue sendo o da chanceler alemã, Angela Merkel, que precisa assegurar o futuro de seu governo. “Nós ainda temos muito trabalho para fazer para conectar as diferentes visões”, disse Merkel, ressaltando, porém, que “foi um bom sinal” que a União Europeia conseguiu chegar a um acordo. Agora, ela precisa convencer seus parceiros de coalizão que ela tem uma forma de controlar o fluxo de migrantes. Afinal, o ministro do Interior, Horst Seehofer, que também é líder do CSU, o partido de Merkel, ameaçou fechar as fronteiras alemãs para os refugiados a não ser que a chanceler tivesse um plano de migração até 1º de julho.

Fontes:
The Guardian-EU leaders hail summit victory on migration but details scant
AFP-Os pontos-chave do acordo migratório da UE
DW-Líderes da UE chegam a acordo sobre migração

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *