Início » Internacional » Um projeto bélico por trás de uma usina nuclear israelense
ARMAS NUCLEARES

Um projeto bélico por trás de uma usina nuclear israelense

Uma das usinas nucleares mais antigas do mundo ajudou a construir o arsenal nuclear secreto de Israel

Um projeto bélico por trás de uma usina nuclear israelense
Acredita-se que a usina nuclear é a fonte do material físsil usado para fabricar as armas nucleares de Israel (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Com a cúpula brilhando à luz do sol em uma zona de exclusão no deserto de Negev, o reator nuclear perto da cidade israelense de Dimona foi durante anos um assunto de intensa especulação. Seu nome oficial simples, Centro de Pesquisa Nuclear, esconde um objetivo bélico. Os serviços de inteligência estrangeiros, cientistas nucleares e um antigo funcionário israelense dizem que a usina nuclear é a fonte do material físsil usado para fabricar as armas nucleares de Israel.

Os segredos atômicos do país sempre foram preservados com extremo cuidado, portanto, pouco se sabe a respeito da usina em Dimona. No entanto, funcionários da Comissão de Energia Atômica de Israel (IAEC) admitiram em uma conferência científica no mês passado, que o reator apresentava sinais de desgaste em razão da idade. Uma inspeção com ultrassom no núcleo de alumínio descobriu 1.537 pequenos defeitos e fissuras, disseram. A vida útil de um reator desse tipo é em geral de cerca de 40 anos. Com 53 anos de fabricação, o reator nuclear de Dimona é um dos mais antigos do mundo em funcionamento.

O reator, fornecido pela França, foi ligado 15 anos depois da criação do Estado de Israel. O primeiro-ministro do novo Estado, David Ben-Gurion, preocupado com possíveis conflitos na região, insistiu que Israel precisava desenvolver um programa nuclear, como um meio de intimidação. O programa foi dirigido por seu assistente, Shimon Peres, e os principais componentes do reator foram ativados pela primeira vez em 1963. O governo alegou que Dimona era uma “fábrica têxtil”.

Muitos dos sistemas auxiliares do reator foram reformados ou substituídos, mas o núcleo de alumínio não pode ser trocado. Os defeitos e fissuras detectados são monitorados com precisão e não há indícios que o reator possa causar problemas. Entretanto, na maioria dos países ele teria sido desativado há muito tempo. E as preocupações com sua segurança só aumentarão no futuro.

Fontes:
The Economist-A textile factory with a difference

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Leonam Guimaraes disse:

    O reator de Dimona não comstitui uma usina nuclear, entendida como instalação nuclear para geração de energia elétrica. Dimona é um reator de pesquisa capaz de produzir plutônio “grau de arma” (“weapon grade”).

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *