Início » Internacional » Uma safra de novas luas
Astrobiologia

Uma safra de novas luas

Com a descoberta de centenas de exoplanetas, os astrônomos estão se perguntando se é possível encontrar também suas luas

Uma safra de novas luas
Existirá vida além da Terra? (Reprodução/The Economist)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os astrônomos estão começando a procurar por satélites em torno de alguns dos milhares de exoplanetas conhecidos e presumidos. Há uma razão para suspeitar que se a vida de fato existe em algum outro lugar além da Terra, então pode ser que a lua de um planeta alienígena não seja um lugar tão improvável para encontrá-la.

A tentativa mais organizada até agora se chama a Caça por Exoluas com o Kepler (HEK, na sigla em inglês). A empreitada é liderada por David Kipping, do Centro de Astrofísica de Harvard-Smithsonian em Cambridge, Massachusetts, e conta com a vantagem de utilizar dados que já foram coletados. O Kepler, um telescópio orbital da NASA, a agência espacial americana, procura por exoplanetas identificando a pequenina diminuição de brilho gerada pela passagem de um desses corpos celestes pela frente de sua estrela hospedeira, conforme visto a partir da Terra — um fenômeno conhecido como trânsito astronômico. Até agora, 105 planetas foram descobertos dessa maneira, e a existência de outros 2.321 foi sugerida, embora sua existência de fato ainda precise ser confirmada pela observação de trânsitos subsequentes.

Se, porém, a abordagem de dr. Kipping não render frutos, os caçadores de luas não precisam se desesperar. Em fevereiro a NASA decidirá se financiará uma nova espaçonave caçadora de planetas chamada de Satélite de Pesquisa de Exoplanetas em Trânsito (TESS na sigla em inglês). Diferentemente do Kepler, que fita fixamente a um único ponto do espaço, o TESS pesquisaria todo o espaço. A diferença fundamental é que as estrelas que serão pesquisadas por ele se encontram muito mais próximas — e que por isso aparecem com mais brilho — do que aquelas que o Kepler observa. Isso facilita tanto a caça de planetas como de luas.

Se a NASA de fato for adiante com o TESS, o telescópio poderia entrar em órbita em 2016. Alguns anos após 2016, a Agência Espacial Europeia planeja lançar um telescópio próprio, o Trânsitos Planetários e Oscilação de Estrelas (cuja sigla em inglês é PLATO, o nome inglês do filósofo Platão). Este também examinará estrelas mais brilhantes que aquelas estudadas pelo Kepler e será uma dádiva para caçadores de exoluas.

Fontes:
The Economist-A harvest of new moons

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *