Início » Opinião » Biografias » Betinho
NESTA DATA

Betinho

Em 9 de agosto de 1997, morreu o sociólogo Betinho, criador do movimento Ação da Cidadania que dedicou a vida a causas sociais

Betinho
Em 1986, Betinho descobriu que havia se contaminado com o vírus HIV (Foto: Wikipedia)

Herbert José de Souza nasceu em Bocaiúva, interior de Minas Gerais, em 3 de novembro de 1935. Betinho, como ficou conhecido, passou a infância em uma penitenciária, onde seu pai trabalhava.

Sua militância política começou na Juventude Estudantil Católica e, posteriormente, na Juventude Universitária Católica, da Universidade Federal de Minas Gerais, onde se formou em Sociologia, em 1962. Neste mesmo ano, fundou a Ação Popular, da qual foi o primeiro coordenador. Foi assessor do Ministério da Educação durante o governo de João Goulart e lutou pelas “reformas de base”.

Após o golpe militar em 1964, dedicou-se à resistência contra a ditadura, mas nunca deixou de lutar pelas causas sociais. Em 1971, foi exilado para o Chile, onde assessorou até ser deposto, em 1973, o então presidente Salvador Allende. Para escapar do golpe de Pinochet, refugiou-se na embaixada do Panamá.

Com a Anistia, em 1979, voltou ao Brasil, onde passou a lutar pela reforma agrária. Em 1981, fundou o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas – o Ibase – junto com os economistas Carlos Afonso e Marcos Arruda.

Em 1986, Betinho descobriu que havia se contaminado com o vírus HIV durante uma transfusão de sangue, a que se submetia regularmente devido à hemofilia que ele e os irmãos – o cartunista Henfil e o músico Chico Mário – herdaram da mãe. Seus irmãos morreram em 1988, por conseqüência do mesmo vírus que contraíram em iguais condições que Betinho.

Betinho integrou o movimento Ética na Política, que culminou no impeachment do presidente Fernando Collor. Mas o trabalho realizado na campanha Ação da Cidadania contra a Miséria e Pela Vida que trouxe notoriedade definitiva para o sociólogo, que pretendia que o projeto fosse além de um movimento social de caráter assistencialista.

Hebert de Souza morreu em 9 de agosto de 1997, aos 61 anos, no Rio de Janeiro, bastante debilitado pela Aids.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    O cara representa tudo que o Brasil não precisa, tudo aquilo de que nós temos que nos livrar, tais como assistencialismo, socialismo, comunismo, reforma agrária e a praga do MST, as infames reformas de base do maluco do Jango. Enfim, ele represente o típico herói da Rede Globo.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *