Início » Nesta Data » Collor congela todas as cadernetas de poupança
NESTA DATA

Collor congela todas as cadernetas de poupança

Em 16 de março de 1990, Fernando Collor anunciou o bloqueio de todas as cadernetas de poupança e aplicações financeiras acima de 50 mil cruzeiros

Collor congela todas as cadernetas de poupança
A experiência foi traumática para a população (Foto: Sergio Lima/Agência Brasil)

Em 1990, a inflação no Brasil rondava a casa dos 2.000%. Nos quatro anos anteriores, durante o governo Sarney, o país enfrentou três planos econômicos na tentativa de estabilizar a economia do país e domar a inflação: Cruzado (1986), Bresser (1987) e Verão (1989).

No entanto, os planos fracassaram e os preços continuaram fora de controle. Foi então que em 16 de março de 1990, um dia após tomar posse, Fernando Collor de Mello anunciou o que chamou de “bala de prata” contra a inflação: o Plano Collor.

Uma Medida Provisória anunciada por Collor e sua ministra da Fazenda, Zélia Cardoso de Mello, declarou um bloqueio de 18 meses a todas as cadernetas de poupança e aplicações financeiras acima de 50 mil cruzeiros. A promessa era restituir o acesso após o tempo do bloqueio com juros de 6% ao ano.

A medida tinha como objetivo reduzir o dinheiro em circulação para inibir o consumo, o que reduziria a inflação. A meta era congelar 30% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em 1991, o plano ganhou sua segunda versão, o Plano Collor II, que além do bloqueio da poupança, também previa o controle de preços e de salários e o aumento de impostos, das tarifas de energia, telefone e transportes. A segunda versão também cortou incentivos e subsídios e o cargo de quase 100 mil servidores públicos.

A experiência foi traumática, pois na época a poupança era o principal investimento da população. Longe de solucionar o problema, os planos de Collor afundaram o país em uma recessão sem precedentes, encolhendo a economia em 4,3%. A inflação continuou alta, fechando 1991 em 1.620% e caindo para 1.000% em 1992, quando jovens foram às ruas pedir o impeachment de Collor.

Fontes:
R7-Plano Collor, que confiscou a poupança, completa 20 anos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. jose almeri disse:

    eu levei prejuizo com esse plano color na epoca foi um corre, corre danado para cobrir
    despesas, fazer pagamento, pagar contas atrasadas e agente só podia tirar 30/ da poupança
    hoje eu queria pegar um pouco do dinheiro que eu perdi, como é esse pais, corrupto, e sem
    amor e sem respeito aos idosos, que muitos morreram de infarto, naquela epoca, macabra, de
    grandes ratos do congresso nacional.

  2. Ludwig Von Drake disse:

    Alguns políticos da corriola do Collor e outros apaniguados tiveram informação privilegiada sobre o confisco.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *