Início » Nesta Data » EUA, Israel e Egito assinam os Acordos de Camp David
NESTA DATA

EUA, Israel e Egito assinam os Acordos de Camp David

Os acordos, assinados em 17 de setembro de 1978, pavimentaram o caminho para um tratado de paz entre Israel e Egito

EUA, Israel e Egito assinam os Acordos de Camp David
Begin, Carter e Sadat em Camp David (Foto: Jimmy Carter Library)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os Acordos de Camp David, assinados em 17 de setembro de 1978 pelos então presidentes dos EUA, Jimmy Carter, do Egito, Anwar Sadat, e o primeiro-ministro israelense, Menachem Begin, pavimentaram o caminho para a aprovação de um tratado histórico de paz entre Israel e Egito, concluído em março de 1979.

O presidente Carter teve um papel importante como mediador desses acordos. Desde o início de seu governo, Carter e seu secretário de Estado, Cyrus Vance, realizaram intensas negociações com líderes árabes e israelenses para buscar um fim à disputa por terras no Oriente Médio.

Nos primeiros meses de 1978, o Egito insistia na retirada de Israel da Península do Sinai, da Cisjordânia e de Gaza, mas Israel rejeitava essa demanda. O governo israelense propunha dar alguma autonomia aos povos palestinos durante um período transitório de cinco anos, seguidos pela possibilidade de conceder a soberania. O impasse levou Carter a interceder diretamente, convocando uma cúpula em Camp David, em Maryland, a casa de campo dos presidentes americanos, para reunir Sadat e Begin em conversas diretas.

A Cúpula de Camp David (Camp David Summit) aconteceu entre os dias 5 e 17 de setembro de 1978. Foi um momento histórico, tanto para a disputa árabe-israelense como para a diplomacia americana. Raramente um presidente dos Estados Unidos havia dedicado tanta atenção a uma única questão de política externa.

As negociações se estenderam por duas semanas e foram extremamente difíceis, especialmente no formato trilateral. Para contornar o problema, Carter reunia-se com as delegações egípcias e israelenses separadamente ao longo dos 12 dias da cúpula.

As negociações envolveram diversas questões, incluindo o futuro dos assentamentos israelenses e das bases aéreas na Península do Sinai, mas foi a situação em Gaza e na Cisjordânia que representou a maior dificuldade. No final, embora a cúpula não tenha produzido um acordo formal de paz, teceu as bases para a paz egípcio-israelense, com o anúncio de dois documentos que estabeleciam os princípios de um acordo de paz bilateral, bem como uma fórmula para a concessão da soberania palestina em Gaza e na Cisjordânia.

 

Fontes:
US Department of State - Camp David Accords and the Arab-Israeli Peace Process

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Jimmy Carter reintroduziu o socialismo no Brasil. Como bom democrata e socialista deu um passaporte americano para o Brizola quando o salafrário estava totalmente neutralizado no Uruguai. Chegou no Brasil e se tornou governador. Imediatamente decretou FAVELA território livre de Polícia e LIVRE PARA BANDIDO E TRAFICANTE, tornando, em dois mandatos, as favelas cariocas no maior entreposto mundial de drogas. Depois veio o patê e o lula com a variação petista de cleptocracia, a PROPRINOCRACIA. Fim da história.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *