Início » Nesta Data » Nasce José Bonifácio
NESTA DATA

Nasce José Bonifácio

Em 13 de junho de 1763, nasce José Bonifácio de Andrada e Silva, estadista brasileiro conhecido como 'o Patriarca da Independência'

Nasce José Bonifácio
Bonifácio era contra o escravismo e dizia que a oligarquia era responsável por reduzir este país fertilíssimo a um estéril deserto (Reprodução/Internet)

O início das preocupações com a ecologia e o meio ambiente no Brasil foi marcado formalmente pelo chamado movimento verde, que se deu com os alemães em 1980. No entanto, um século e meio antes, o estadista brasileiro conhecido como ‘o Patriarca da Independência’, José Bonifácio de Andrada e Silva – cognominado o Patriarca da Independência – já demonstrava preocupação em relação a uma utilização racional do território do país. Ele nasceu em Santos, São Paulo, em 1763, e viveu até 1838.

Em entrevista dada em 2001 à revista Época, o historiador José Augusto Pádua ressaltou a importância de José Bonifácio para as questões ambientais afirmando que, em 1823, ele já previa a falta de chuvas que poderia ocorrer se os montes e as encostas fossem sendo escalvados diariamente, de acordo com palavras do próprio Bonifácio.

Já a outra frente, apesar de condenar o uso mal feito dos solos, evitou se mostrar contra a escravidão, com o objetivo de não desagradar dom Pedro II. Muitos desses autores, como o botânico Francisco Freire Alemão, eram próximos do imperador.

Patriarca da Independência

Bonifácio era formado em Direito Civil e em Filosofia pela Faculdade de Coimbra, em Portugal. Foi membro da Academia de Ciências de Lisboa. Passou 36 anos na Europa se especializando em áreas como mineralogia, siderurgia, química e metalurgia. Voltou para o Brasil em 1819, quando iniciou sua participação em movimentos políticos. Em 1821 tornou-se vice-presidente da Junta Governativa de São Paulo. Entre suas idéias, sempre consideradas avançadas para a época, estavam não só a defesa da reforma agrária, a preservação das matas e rios e o fim da escravidão como a defesa dos direitos de voto para os analfabetos.

Ele foi o primeiro brasileiro a ocupar um ministério, o do Reino, em janeiro de 1822. Tornou-se, junto a Dom Pedro, o principal obreiro da Independência. No entanto, em 1823 – quando ocupava a Pasta do Império – com seu irmão Martim Francisco, começou a se afastar dos Conselhos da Coroa e a se opor a D. Pedro I. Foi eleito para a Assembléia Constituinte de 1823, ano em que teve sua prisão e deportação para a Europa ordenadas pelo imperador.

Tendo voltado ao Brasil em 1829, foi residir na Ilha de Paquetá, de cujo retiro saiu apenas para assumir a cadeira de Deputado pela Bahia, como suplente, nas sessões legislativas de 1831 e 1832.

Reaproximou-se de D. Pedro I que, ao abdicar da Coroa em 1831, o indicou para tutor de seu filho – o futuro Dom Pedro II. Foi destituído da tutoria, pela Regência, em setembro de 1833. Ficou em prisão domiciliar até 1835, quando terminou o processo-crime instaurado contra ele por conspiração e perturbação da ordem pública. Apesar da grandiosidade e do pioneirismo desse brasileiro, especialistas acreditam que ele poderia receber mais destaque e ser melhor estudado. É o que pensa José Geraldo Gomes Barbosa, advogado e integrante do Movimento Pró-Memória de José Bonifácio.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Antonio Campos Monteiro Neto disse:

    Uma observação: Pedro II não era a favor da escravidão. Sua prioridade, no entanto, era evitar o esfacelamento do País, que poderia acontecer caso um movimento abolicionista prematuro tivesse sucesso em alguma província.

  2. Vitafer disse:

    Muito bem Antônio Campos (xará de um tio meu!). Será que ainda temos homens da envergadura de um José Bonifácio “neste país”? (não se fala mais PÁTRIA…).

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *