Início » Brasil » Morre o Barão do Rio Branco
NESTA DATA

Morre o Barão do Rio Branco

Em 10 de fevereiro de 1912, morre Barão do Rio Branco, um dos líderes da diplomacia brasileira

Morre o Barão do Rio Branco
Considerado um dos líderes da diplomacia brasileira, seu nome está registrado como uma das figuras mais importantes da pátria, no Panteão que fica na Praça dos Três Poderes, em Brasília (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No dia 10 de fevereiro de 1912, morreu aos 66 anos, no Rio de Janeiro, o Barão do Rio Branco. Nascido no dia 20 de abril de 1845, José Maria da Silva Paranhos Junior era filho do Visconde do Rio Branco, responsável pela lei abolicionista do ventre livre, em 1871. Após estudar no Colégio Pedro II, José Maria se formou em Direito em Recife, em 1866, quando também começou a trabalhar com jornalismo.

Quando voltou ao Rio de Janeiro, virou promotor público em Nova Friburgo. Após ser deputado federal por Mato Grosso, acompanhou o pai nas missões diplomáticas da Guerra do Paraguai.

Recebeu o título de barão do Rio Branco às vésperas do fim do período imperial, mas continuou a usar o título “Rio Branco” em sua assinatura mesmo após a proclamação da república, em 1889. O barão teve um papel decisivo para a definição das fronteiras do Brasil. Nos EUA, tratou de uma questão com a Argentina, no Sul do país, e também obteve sentença favorável na disputa pelo Amapá. Ele também foi ministro das Relações Exteriores durante os mandatos dos presidentes Rodrigues Alves, Afonso Pena, Nilo Peçanha e Hermes da Fonseca. Enfrentou a discussão com a Bolívia sobre o Acre, território que passou a ser brasileiro. Foi eleito presidente Perpétuo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e membro da Academia Brasileira de Letras.

Sua morte em 1912 ocorreu devido a problemas renais.  Após dua morte, a Avenida Central no Rio de Janeiro, construída pela reforma Pereira Passos, passou a se chamar Avenida Rio Branco. Considerado um dos líderes da diplomacia brasileira, seu nome está registrado como uma das figuras mais importantes da pátria, no Panteão que fica na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *