Início » Opinião » Biografias » Nasce Millôr Fernandes
NESTA DATA

Nasce Millôr Fernandes

Em 16 de agosto de 1923, nasce o escritor e dramaturgo brasileiro Millôr Fernandes

Nasce Millôr Fernandes
Millôr Fernandes participou das revistas 'O Cruzeiro' e 'O Pasquim' (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Millôr Fernandes foi um desenhista, humorista, tradutor, escritor, dramaturgo e jornalista brasileiro. Ficou conhecido pelo tom crítico em suas obras, aliado ao teor satírico. Millôr participou de algumas das principais publicações do país, como as revistas O Cruzeiro e O Pasquim.

Filho de um engenheiro imigrante espanhol, Millôr nasceu em 16 de agosto de 1923, no bairro do Méier, Rio de Janeiro. No entanto, por conta de um descuido de seus pais, somente foi registrado em 27 de maio do ano seguinte. Seu nome de batismo é Milton Viola Fernandes, mas a caligrafia do tabelião que redigiu a sua certidão o fez mudar para Millôr.

Millôr ficou órfão de pai quando tinha 2 anos de idade e passou a ser criado pela mãe, ao lado dos seus três irmãos. Aos 12 anos, perdeu a mãe e passou a morar com seu tio, Antônio Viola.

A primeira aparição de Millôr em uma publicação foi graças a seu tio, que o levou a publicar desenhos no periódico O Jornal. A partir daí iniciou sua carreira de jornalista precocemente. Aos 14 anos foi contratado pela revista O Cruzeiro como repaginador e contínuo. Assumindo um papel de “faz-tudo” na revista, com pouco tempo começou a escrever e teve a sua própria coluna: a Pif-Paf (que depois se tornaria revista).

No período que coincidiu com o auge da revista O Cruzeiro (entre 1945 e o início dos anos 1960), Millôr ganhou notabilidade não só como colunista, mas também como desenhista, roteirista de teatro e escritor. Em 1968, se tornou colunista da revista Veja, onde permaneceu até 1982. Retornou como chargista entre 2004 e 2009.

Uma das suas colaborações mais marcantes foi no periódico O Pasquim, um tabloide com finalidade desafiar o regime militar. Apesar de não ter sido um dos fundadores do veículo, teve um papel importante na sua construção.

Como jornalista, ainda trabalhou na revista Isto É, em 1983, e em 1996 passa a colaborar no Estado de S. Paulo, O Dia e Correio Brasiliense. Além disso, Millôr atuou como tradutor de obras de Shakespeare, Molieré, Brecht e Tennessee Williams.

Morreu em 27 de março de 2012, por conta de uma parada cardiorrespiratória e de falência múltipla dos órgãos.

Fontes:
E-biografias-Millôr Fernandes
UOL Educação-Millôr Fernandes

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *