Início » Nesta Data » Protesto de trabalhadores nos EUA dá origem ao Dia do Trabalho
NESTA DATA

Protesto de trabalhadores nos EUA dá origem ao Dia do Trabalho

Em 1º de maio de 1886, operários de Chicago iniciam protestos que desencadearam greve geral nos EUA e deram origem ao Dia do Trabalho

Protesto de trabalhadores nos EUA dá origem ao Dia do Trabalho
Operários de Chicago foram às ruas por melhores condições de trabalho (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Dia do Trabalho é celebrado por vários países do mundo no dia 1º de maio. O que poucos sabem é que a origem da data remonta aos protestos de trabalhadores ocorridos em 1886, em Chicago, que no mesmo dia desencadearam uma greve geral nos EUA.

Em 1º de maio de 1886, milhares de trabalhadores de Chicago, na época um polo industrial, foram às ruas por melhores condições de trabalho. Entre as exigências estava a redução da jornada de trabalho de 13 para oito horas e aumento de salário.

Naquela época, era comum que operários de indústrias da Europa e dos EUA trabalhassem até 17 horas por dia, sem férias, folga semanal, aposentadoria ou salários dignos. Tal fato extenuava a saúde dos operários, que começaram a exigir melhores condições de trabalho.

Em 3 de maio, dois dias após os protestos seguidos por greve geral, um confronto entre policiais e manifestantes resultou em morte de trabalhadores, além de deixar feridos. O fato revoltou os operários e acabou gerando mais confrontos entre a classe e policiais.

Em 4 de maio, um dos líderes do movimento, August Spies, convocou os trabalhadores para um novo protesto, a ser realizado na praça Haymarket, no sul de Chiago. O protesto contou com a adesão de 2 mil trabalhadores. O clima era de revolta devido à morte dos trabalhadores no dia anterior.

Spies e os outros líderes do movimento, Samuel Fielden, Adolph Fischer e Albert Parson, começaram a discursar na praça, enquanto uma forte chuva dispersou parte dos manifestantes.

Quando Fielden estava finalizando seu discurso, policiais armados chegaram ao local exigindo a dissolução do protesto. Tendo a ordem negada, eles investiram contra os trabalhadores. Um grupo de operários lançou uma bomba contra policiais, que tentavam dissolver a manifestação. Com a explosão, sete policiais morreram.

Os policiais responderam com tiros que mataram vários trabalhadores e deixaram centenas de feridos. O ato ficou conhecido como Haymarket Square Riot.

As semanas e meses que se seguiram foram de terror, com decreto de estado de sítio, proibição de sair às ruas e criminosos pagos por donos de indústrias para invadir casas de trabalhadores que participavam do movimento para bater e roubar pertences.

A repressão também ganhou um teor xenófobo, já que muitos operários que trabalhavam nas indústrias eram imigrantes estrangeiros. Spies, por exemplo, era alemão.

Os eventos culminaram na prisão de milhares de trabalhadores. Os líderes do movimento foram indiciados pela bomba que matou os policiais e foram levados a julgamento. Adolph Fischer, August Spies e Albert Parson foram condenados à morte e executados em 11 de novembro de 1887. Samuel Fielden recebeu pena de prisão perpétua, que depois foi convertida para uma sentença de seis anos.

Em 1889, a Segunda Internacional Socialista, organização criada na França por iniciativa de Friedrich Engels, instituiu o dia 1º de maio como Dia Internacional do Trabalho, em homenagem aos operários mortos em 1886.

Fontes:
UOL-Hoje na História: 1886 - Confronto entre trabalhadores e policiais deixa dezenas de mortos em Chicago
Jusbrasil-Manifestações e conflitos em Chicago (1886): origem da data (Dia do Trabalho)

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *