Início » Internacional » Alabama sanciona castração química para pedófilos
ESTADOS UNIDOS

Alabama sanciona castração química para pedófilos

Condenados por crimes sexuais contra menores de 13 anos terão de fazer o procedimento como contrapartida para obter liberdade condicional

Alabama sanciona castração química para pedófilos
O tratamento da castração química pode provocar diversos efeitos colaterais (Foto: Pixabay)

A governadora do Alabama, Kay Ivey, do Partido Republicano, sancionou o projeto de lei que exige que as pessoas que foram condenadas por delitos sexuais sejam submetidas à castração química em troca da liberdade condicional. A informação foi confirmada nesta terça-feira, 11.

Com a lei aprovada, criminosos maiores de 21 anos, condenados por crimes sexuais contra menores de 13 anos, passarão por castração química, realizada através de drogas que bloqueiam a produção de testosterona, antes de deixarem a prisão. Além disso, serão obrigados a pagar pelo procedimento, que será administrado pelo Departamento de Saúde Pública. Caso não haja acordo, permanecerão presos.

Um mês antes de sair em liberdade condicional, o detento irá iniciar o processo de castração química, que envolve a administração de comprimidos ou injeções que neutralizam o desejo sexual, impossibilitando a realização dos atos sexuais. A lei exige que eles continuem esse “tratamento” até que as autoridades considerem necessário, visto que, se a pessoa interromper o uso da medicação, os efeitos são revertidos.

De acordo com a lei sancionada, os acusados poderão interromper esse processo a qualquer momento, mas serão obrigados a retornar para a prisão. Qualquer pessoa que deixar de receber o tratamento sem o aval das autoridades será considerada culpada de um crime de Classe C, punido pela lei do Alabama com até dez anos de prisão, além de uma multa de US$ 15 mil.

Os efeitos colaterais do tratamento para a castração química podem gerar depressão, osteoporose e anemia, além de outros possíveis efeitos como anafilaxia, insuficiência renal e mesmo cardíaca.

Segundo o republicano Steve Hurst, deputado pelo estado do Alabama e responsável por apresentar o projeto, muitas pessoas lhe disseram que a castração química é desumana.

“Perguntei a eles: ‘O que é mais desumano do que quando você molesta sexualmente uma criança pequena quando ela não pode nem se defender ou fugir?’”, afirmou Hurst.

A utilização da castração química é internacionalmente controversa. Sobre o assunto, os críticos afirmam que a medida viola os direitos humanos.

Fontes:
CNN - Alabama governor signs chemical castration bill into law
The New York Times - Alabama approves ‘chemical castration’ bill for some sex offenders

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    É legal dar para um tarado, maníaco sexual, uma opção. O que não é possível é dar a um elemento desses regime semi-aberto.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *