Início » Brasil » Brumadinho ainda tem 37 desaparecidos
TRÊS MESES APÓS TRAGÉDIA

Brumadinho ainda tem 37 desaparecidos

Buscas entraram no 91° dia e dezenas de familiares ainda esperam notícias de seus entes que continuam desaparecidos

Brumadinho ainda tem 37 desaparecidos
A Vale continua focada na reparação e no apoio aos atingido (Foto: Wikipédia/Diego Baravelli)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Três meses após o rompimento de uma das barragens da Vale, famílias em Brumadinho ainda aguardam noticias de 37 pessoas que continuam desaparecidas após a tragédia, que, até o momento, tem um total de 233 mortos, segundo o Instituto Médico Legal da Polícia Civil de Minas Gerais.

A polícia informou que as famílias continuam esperando que seus entes sejam encontrados. O Corpo de Bombeiros entrou em seu 91° dia de buscas, com o auxílio de 136 militares, quatro cães farejadores e 101 máquinas nas 24 frentes de trabalho das buscas.

Segundo uma nota emitida pela Vale, a empresa continua focada na reparação e no apoio aos atingidos e afirmaram que estão prestando assistência psicológica, atendimento médico e auxílio financeiro aos afetados pela tragédia.

Até o momento, 274 famílias receberam R$ 100 mil como doação e a Vale fechou um acordo preliminar que permite realizar pagamentos emergenciais para todas as famílias que moravam em Brumadinho, ou que residiam até um quilômetro da calha do Rio Paraobeba. Segundo a Vale, mais de 14 mil moradores já receberam os valores nos municípios de Brumadinho.

Em contrapartida, algumas famílias afirmaram que a Vale não executou o pagamento de todos os benefícios. Em sua defesa, a empresa afirmou que irá comprovar que todos os depósitos já foram realizados.

Relembre o caso

No dia 25 de janeiro, a barragem da Mina Córrego Feijão se rompeu, fazendo com que uma onda de lama de rejeitos invadisse a cidade, afetando também ao rio Paraopeba, um dos afluentes do Rio São Francisco. Após o rompimento, o Ministério Público de Minas Gerais apontou que a barragem estava classificada internamente como “zona de atenção”.

Fontes:
G1-Três meses após tragédia da Vale, famílias ainda esperam notícias de 37 desaparecidos em Brumadinho

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *