Início » Vida » Comportamento » Bullying: terrorismo pessoal
JAPÃO

Bullying: terrorismo pessoal

O bullying é uma forma de violência que ocorre em diferentes contextos sociais, mas é especialmente traumático nas escolas japonesas

Bullying: terrorismo pessoal
A tortura psicológica e física pode ter consequências fatais (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Cinco meses depois do maremoto em Fukushima, que obrigou sua família a sair da cidade, um menino matriculou-se em uma escola em Yokohama. Seus novos colegas o receberam com agressões verbais e físicas. Eles o chamavam de “garoto germe” por causa da usina nuclear. Os colegas roubaram seus pertences, lhe deram socos e chutes e o empurraram na escada. Ele só tinha 8 anos.

O bullying continuou por quase três anos até os colegas exigirem dinheiro. Em 2014, disseram ao menino que lhes desse a indenização que sua família teria recebido após o maremoto. Seus pais não tinham recebido nada, mas os parentes haviam emprestado ¥1,5 milhões (US$13,000). Eles guardaram o dinheiro em casa, com medo de perderem de novo o acesso ao banco. O menino deu tudo que os pais tinham aos colegas e depois que o dinheiro acabou não foi mais à escola.

O garoto, hoje com 13 anos, é uma das centenas de crianças e jovens de Fukushima que sofreram agressões na escola. O bullying é uma forma de violência que acontece em escolas do mundo inteiro, mas no Japão tem uma intensidade especial. Em 1986, um garoto cometeu suicídio depois que seus colegas, incentivados pelo professor, lhe infligiram meses de tortura mental com um funeral simulado. Desde então, milhares de artigos e centenas de livros foram escritos sobre o assunto, mas sem sucesso. Segundo dados do governo, em 2015 nove alunos cometeram suicídio por causa de agressões físicas e verbais de seus colegas.

De acordo com Mitsuru Taki, do Ministério da Educação, o bullying em outros países envolve dois ou três alunos que escolhem uma vítima como alvo. No Japão, ao contrário, por causa de uma orientação pedagógica em que os alunos fazem atividades em grupo quase o tempo inteiro, uma grande parte da classe faz uma tortura psicológica e, às vezes física, em uma única vítima, com consequências traumáticas ou fatais.

Fontes:
The Economist-Why bullying in Japanese schools is especially traumatic

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Beraldo disse:

    É!

    O Japão é melhor em tudo.

    Potência anã!

  2. Natanael Ferraz disse:

    Lembro do meu tempo de escola, no então chamado primário (hoje é ensino fundamental), quando alguém tentava “bullyinar” com outro, o assunto era resolvido “na hora da saída”. Antigamente éramos primários, hoje o ensino é fundamental, e o bullying virou estatística de pedagogos.

  3. Abrace Programas Preventivos disse:

    Temos ouvido muito a respeito do bullying e combatê-lo é uma necessidade para que
    as crianças de hoje sejam adultos saudáveis de amanhã.
    Se seus alunos, filhos ou amigos têm sido vítima de bullying ou tem presenciado alguém sofrendo alguma agressão, agora é possível realizar uma denúncia no formulário do site da Abrace – Programas Preventivos. Basta preencher as informações e relatar ameaças, intimidações, assédio, agressões físicas, verbais, sexuais, além do cyberbullying. Qualquer um pode realizar a denúncia com segurança e anonimato: professores, pais, responsáveis e alunos.

    contato@programasabrace.com.br
    http://www.abraceprogramaspreventivos.com.br
    http://www.facebook.com/abraceprogramaspreventivos
    http://www.instagram.com/abraceprogramaspreventivos

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *