Início » Brasil » Câmara ouvirá Glenn Greenwald em audiência pública
MENSAGENS VAZADAS

Câmara ouvirá Glenn Greenwald em audiência pública

Jornalista do site ‘Intercept Brasil’ participará de audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias na próxima terça-feira, 25

Câmara ouvirá Glenn Greenwald em audiência pública
Objetivo é debater os vazamentos de mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol (Foto: Gage Skidmore/Flickr)

O jornalista americano Glenn Greenwald, do site “Intercept Brasil”, vai participar, na próxima terça-feira, 25, de uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM).

O motivo de convite, previsto no Requerimento nº 81/2019, é debater os fatos divulgados sobre a Operação Lava Jato e os diálogos entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e o coordenador da operação, o promotor Deltan Dallagnol, no âmbito da Lava Jato. Desde o último dia 9 de junho, o “Intercept Brasil” tem divulgado conversas entre Moro e Dallagnol.

A audiência pública acontece às 15h no Plenário 10, no Anexo II, da Câmara dos Deputados. O requerimento de convite foi impetrado pelos deputados Camilo Capiberibe (PSB-AP), Carlos Veras (PT-PE), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Túlio Gadelha (PDT-PE). A audiência terá transmissão ao vivo pelo facebook da CDHM, pela TV Câmara e pelo YouTube da Câmara dos Deputados.

“Esta Comissão de Direitos Humanos e Minorias precisa dirimir dúvidas sobre a veracidade das denúncias e o conteúdo do material coletado pelo jornalista que demonstram grave violação dos princípios do devido processo legal sem qualquer tipo de distinção, evidenciando a atuação parcial e política de um poder que deveria ser neutro”, escrevem os parlamentares na justificativa do convite.

Na manhã desta segunda-feira, 24, a presença de Greenwald na CDHM foi confirmada pelo deputado federal Patrus Ananias (PT-MG). De acordo com o parlamentar, a audiência vai focar em “debater as ilegalidades divulgadas sobre a Operação Lava Jato”. Ademais, Ananias afirmou que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, foi convidado para comparecer à CDHM na próxima quarta-feira, 26, mas desistiu de ir.

Parlamentares de esquerda argumentam que os diálogos divulgados pelo “Intercept Brasil” demonstram uma parcialidade do então juiz federal Sérgio Moro, que teria aconselhado o promotor Dallagnol. Enquanto isso, Moro não nega e nem confirma os diálogos, apontando que, caso tenham ocorrido, o teor pode ter sido adulterado.

Pelas redes sociais, Greenwald já havia demonstrado que se sentia à vontade com um convite da Câmara dos Deputados para esclarecer os fatos. No entanto, ainda não foi confirmado se o jornalista americano vai participar apenas da audiência na CDHM ou também estará presente em outras comissões.

Na semana passada, a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (CSPCCO) aprovou um convite, feito através do Requerimento de nº 79/2019, para que Greenwald compareça à Comissão para “prestar esclarecimentos sobre a suposta prática de crimes contra ministro de Estado”.

Inicialmente, o convite foi feito pelo deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), mas ganhou o apoio de outros parlamentares, inclusive de esquerda, para que o jornalista compareça à Comissão.  No requerimento, Silveira cita que o “The Intercept vazou irregularmente informações extraídas de igual forma criminosa dos dispositivos de telefonia (celulares)”.

No último dia 12 de junho, quando o Requerimento foi impetrado, Greenwald respondeu, pelas redes sociais, diretamente um comentário de Daniel Silveira, garantindo que se veriam em Brasília.

Porém, no último dia 21 de junho, Daniel Silveira voltou a usar as redes sociais para afirmar que, segundo informações, Greenwald “está recusando vir a comissão de segurança pública a meu convite, querendo ir apenas na comissão de direitos humanos”. Na ocasião, Greenwald não respondeu.

Leia também: Em novo vazamento, Dallagnol promete apoio a Moro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    24 anos de esquerdismo nefasto, decadente e atrasado não se desmonta em 5 meses.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *