Início » Internacional » Egito acusa ONU de politizar morte de ex-presidente
PEDIDO DE INVESTIGAÇÃO

Egito acusa ONU de politizar morte de ex-presidente

ONU pediu uma investigação minuciosa e independente sobre a morte de Morsi, suspeita de ser fruto de condições degradantes a que ele era submetido na prisão

Egito acusa ONU de politizar morte de ex-presidente
Eleito em 2012, Morsi foi o primeiro presidente civil do Egito (Foto: Flickr/European External Action Service)

A morte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi durante um depoimento em um tribunal do Cairo na última segunda-feira, 17, gerou uma rusga entre o governo egípcio e a Organização das Nações Unidas (ONU).

Na última terça-feira, 18, o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu uma investigação “minuciosa e independente” da morte de Morsi.

“Qualquer morte súbita na prisão deve ser acompanhada por uma investigação rápida, imparcial, minuciosa e transparente, realizada por um órgão independente para revelar a causa da morte”, afirmou Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado.

O pedido se deu por conta das condições em que Morsi era mantido desde que foi preso, em julho de 2013, quando foi deposto por um golpe militar.

Parentes, aliados e médicos de comissões independentes relataram que Morsi era mantido em solitária 23 horas por dia, o que é considerado tortura pelas diretrizes da ONU. Além disso, ele também não recebia tratamentos médicos dos quais necessitava.

Nesta quarta-feira, 19, em resposta ao pedido da ONU, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Egito, Ahmed Hafez, afirmou que a ação da organização é uma “tentativa deliberada de politizar um caso de morte natural”.

“É uma tentativa mal-intencionada que não apenas mina o comprometimento do Egito com os padrões internacionais, como também salta para conclusões infundadas, sem qualquer prova do que foi mencionado”, disse Hafez.

Eleito em 2012, Morsi foi o primeiro presidente civil do Egito e primeiro presidente ativista islâmico a ser eleito democraticamente após a queda do ditador Hosni Mubarak, em meio aos protestos da Primavera Árabe no país.

Na segunda-feira, Morsi passou mal enquanto prestava depoimento em um tribunal no Cairo, referente a um processo no qual é investigado por acusação de espionagem. Segundo testemunhas, ele se agitou e desmaiou em seguida. Seu corpo foi encaminhado já sem vida para um hospital próximo. Há suspeita de que o mal-estar tenha sido fruto das condições degradantes às quais Morsi era submetido na prisão.

Fontes:
G1-Egito acusa a ONU de querer politizar a morte de Morsi

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *