Início » Economia » Internacional » Empresas de tecnologia lucram com a agenda anti-imigração
RELATÓRIO

Empresas de tecnologia lucram com a agenda anti-imigração

Relatório descreve apoio logístico dado por empresas de tecnologia ao Serviço de Imigração e Controle Alfandegário dos EUA

Empresas de tecnologia lucram com a agenda anti-imigração
Dados armazenados pelas empresas são vitais para facilitar o processo de detenção e deportação (Foto: Flickr/Griffinofwales)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um relatório recém divulgado por um grupo de ativistas pró-imigração, descreveu o apoio logístico dado pela Amazon, Palantir e Microsoft às funções de vigilância, detenção e deportação de imigrantes ilegais do Serviço de Imigração e Controle Alfandegário (ICE) dos EUA.

O relatório mostrou como o ICE expandiu seu alcance, com a infraestrutura fornecida por empresas de tecnologia, que enfrentam uma crescente pressão interna e externa para cancelar seus contratos com o governo.

De acordo com Jacinta Gonzalez, porta-voz da organização não governamental Mijente, uma das responsáveis pela elaboração do relatório, os contratos das empresas de tecnologia com o ICE e com o Departamento de Segurança Interna (DHS) são cercados de um profundo sigilo. “A tecnologia da informação está sendo usada em tempo real e muitas empresas estão lucrando”, disse Gonzalez.

O relatório, elaborado pela empresa de pesquisa Empower LLC, a pedido da Mijente, do National Immigration Project e do Immigrant Defense Project, também descreveu como o lobby das empresas de tecnologia pressionou o governo ao longo dos anos para contratar seus serviços de armazenamento de dados em nuvem.

A Amazon Web Services (AWS), uma plataforma de serviços de computação em nuvem, é responsável pelo gerenciamento dos sistemas de informação do DHS no valor de US$ 6,8 bilhões, segundo o relatório. A Amazon é a principal empresa de armazenamento de dados de agências governamentais. A AWS armazena dados em nuvem de um sistema que “processa mais de 300 mil informações biométricas por dia” a fim de impedir a entrada de imigrantes ilegais nos EUA.

A Palantir Technologies, uma empresa de software e serviços de informática fundada com o apoio financeiro da CIA e por Peter Thiel, também desempenha um papel importante no gerenciamento e análise de dados da divisão de investigação do ICE. Sua ferramenta Falcon Search and Analysis ajuda as autoridades a analisar dados e a produzir relatórios de agências de inteligência.

O orçamento do ano fiscal de 2019 inclui um programa de modernização do setor de TI do ICE no valor de US$ 24,6 milhões, um investimento em biometria com um custo de US$ 97,2 milhões e a criação de um sistema de identificação informatizado, como reconhecimento facial, no valor de US$ 11,9 milhões. A AWS e a Palantir participam desse projeto de modernização do ICE.

O DHS também compartilha informações biométricas com o governo do México, por meio de um aplicativo armazenado em nuvem pela AWS e pela plataforma Microsoft Azure.

A Microsoft tem um contrato de armazenamento em nuvem de dados do DHS com duração até 2020. Mas os executivos da empresa declararam em julho que o contrato destinava-se apenas ao gerenciamento de e-mails e de processamento de informações.

Segundo Gonzalez, os dados armazenados pelas empresas de tecnologia são vitais para facilitar o processo de detenção e deportação de imigrantes ilegais, muitas vezes com um tratamento desumano, como a separação recente de crianças dos pais e parentes presos ao cruzarem as fronteiras dos EUA.

Fontes:
The Guardian-Tech firms make millions from Trump's anti-immigrant agenda, report finds

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *