Início » Notícia » Facebook é pressionado a deletar grupos antivacina
SAÚDE

Facebook é pressionado a deletar grupos antivacina

Especialistas pedem que a rede social impeça a propagação de notícias falsas sobre a vacinação

Facebook é pressionado a deletar grupos antivacina
A OMS apontou um aumento mundial de 30% nos casos de sarampo (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Facebook vem sendo pressionado para conter o crescente número de grupos privados que propagam ideias equivocadas sobre supostos riscos gerados pela vacinação, além de também propagarem notícias falsas, dando a entender que as vacinas são prejudiciais, e não benéficas para a saúde.

Os movimentos antivacina, que promovem a relutância ou recusa em vacinar os filhos, foram nomeados uma das dez principais ameaças à saúde global de 2019, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Diversas pessoas relatam que os “anti-vaxxers” (como se intitulam os adeptos do movimento) estão se propagando em grupos fechados de Facebook, a fim de convencer pais a não vacinarem seus filhos.

No Facebook, há grupos de variados assuntos que possibilitam trocas de experiências. Porém, especialistas em saúde pedem que a rede social tenha mais cuidado ao permitir esse tipo de conteúdo em sua plataforma, visto que a informação em tais grupos pode ser dissipada erroneamente.

A porta-voz da Academia Americana de Pediatria, Wendy Sue Swanson disse que “o Facebook deve priorizar lidar com a ameaça à saúde humana quando mentiras e desinformações são compartilhadas. Isso não é apenas autoagressão, é dano à comunidade”.

A especialista se reuniu com estrategistas para informar sobre sua preocupação, uma vez que um desses grupos já tinha mais de 150.000 pessoas. “Os pais merecem a verdade. Se eles estiverem recebendo algo que não é verdade, provavelmente aumentarão seus níveis de ansiedade e medo e potencialmente mudarão a aceitação de vacinas, o que é perigoso”, relatou Swanson.

Além da porta-voz, Fiona O’Leary, uma ativista dedicada à informação sobre o autismo, pediu para que a plataforma não permita a propagação de grupos privados com essa temática. “Se eles [o Facebook] não fecharem grupos privados, eu gostaria que existisse um fiscal que removesse imediatamente as informações erradas que causam danos às crianças”, declarou a ativista.

A OMS apontou um aumento mundial de 30% nos casos de sarampo, que é uma doença altamente contagiosa e atinge principalmente as crianças, causando surdez, inflamação cerebral e até mesmo a morte.

Um surto da doença no mês de janeiro, com 48 casos, colocou Washington em estado de emergência. Foi declarado que a maioria dos pacientes tinham menos de dez anos de idade e não estavam vacinados.

 

Leia mais: Movimento antivacina é ameaça à saúde global em 2019

Fontes:
The Guardian-Facebook under pressure to halt rise of anti-vaccination groups

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. ACM disse:

    Tem fundamento esse movimento contra a vacina, como bem mostra o livro “Vaccines on Trial”, por Pierre St. Clair, de 2017. Mas como vacina gera muita receita (lucro) para o Big Farma, claro q o lobby esta’ agindo pesadamente, para nao reduzir o faturamento.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *