Início » Brasil » Governo veta divulgação de pesquisa da Fiocruz sobre drogas
ESTUDO ENGAVETADO

Governo veta divulgação de pesquisa da Fiocruz sobre drogas

Elaborado com base em uma extensa pesquisa, estudo sobre o uso de drogas no país teve a publicação negada. Ministro Osmar Terra aponta ‘viés ideológico’

Governo veta divulgação de pesquisa da Fiocruz sobre drogas
Pesquisa foi engavetada por contrariar o entendimento do governo sobre o tema (Foto: EBC)

Prestigiada no Brasil e no exterior por sua excelência científica, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) teve uma pesquisa sobre o uso de drogas no país vetada de ser publicada, por determinação do governo federal.

Segundo noticiou o jornal Globo, trata-se do 3º Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira, que analisou o consumo de drogas lícitas e ilícitas no Brasil. A Fiocruz iniciou a pesquisa em 2014, quando venceu a licitação para realizar o estudo, concluído em 2017. O estudo, então, foi elaborado ao longo de três anos, com base em um extenso levantamento, que entrevistou 16 mil pessoas e envolveu o trabalho de 500 pesquisadores.

A pesquisa utilizou cerca de R$ 7 milhões de reais, pagos pelo governo, de um total de R$ 8 milhões disponibilizados pelo edital. Porém, ela foi engavetada por contrariar o entendimento do governo federal sobre o tema. Isso porque a pesquisa não respalda a ideia de que há uma epidemia de drogas no Brasil, como costuma afirmar o ministro da Cidadania, Osmar Terra.

Apesar de polêmico, o engavetamento do estudo não é ilegal, e está previsto em uma cláusula do contrato de licitação, que diz que a pesquisa somente pode ser divulgada com aval da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), órgão ligado ao Ministério da Justiça. Porém, o engavetamento da pesquisa teve repercussão negativa no meio científico, bem como a justificativa dada por Terra para justificar o veto à divulgação.

Em entrevista ao Globo, Terra atacou a Fiocruz, afirmando não confiar nas pesquisas da fundação. “Eu não confio nas pesquisas da Fiocruz. Se tu falares para as mães desses meninos drogados pelo Brasil que a Fiocruz diz que não tem uma epidemia de drogas, elas vão dar risada. É óbvio para a população que tem uma epidemia de drogas nas ruas. Eu andei nas ruas de Copacabana, e estavam vazias. Se isso não é uma epidemia de violência que tem a ver com as drogas, eu não entendo mais nada. Temos que nos basear em evidências”, disse o ministro.

Questionado sobre a extensão da pesquisa, bem como as evidências compiladas, Terra afirmou que a pesquisa “não tem validade científica” e disse que a Fiocruz “é prestigiada para fazer vacina, para fazer pesquisa de medicamento”. “Agora, para droga, ela tem um viés ideológico de liberação das drogas”, disse o ministro.

A Fiocruz divulgou um comunicado no qual defende a metodologia usada no levantamento, afirmando que o estudo atual é mais abrangente que os dois anteriores – também feitos pela fundação.

“O 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira é mais robusto e abrangente que os dois anteriores, pois inclui, além dos pouco mais de 100 municípios de maior porte presentes nos anteriores, municípios de médio e pequeno porte, áreas rurais e faixas de fronteira. Foram entrevistados mais de 16 mil indivíduos. Essa abrangência só foi possível graças à utilização, exigida no próprio edital, do mesmo plano amostral adotado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para realização da já reconhecida Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). O plano amostral adotado permite, portanto, um cruzamento desses resultados com dados oficiais do país. Vale destacar que a abrangência amostral foi solicitada pelo próprio edital e que todos os critérios solicitados foram devidamente atendidos”, diz a nota.

A fundação defendeu o trabalho de seus pesquisadores e destacou que o levantamento produziu dados de extrema importância para o país. “A Fiocruz orgulha-se do trabalho realizado pelos seus pesquisadores e assegura que o 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira cumpriu o proposto em edital, respeitando todo o rigor metodológico, científico e ético pertinentes a este tipo de estudo, produzindo informações de extrema importância para o país e a sociedade brasileira”, informou a fundação.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Luiz Alberto Franco disse:

    A ignorância do ministro Terra mostra que ele está nivelado com outros notáveis (nesse quesito) do ministério Bolsonaro. A argumentação baseada na observação de ruas de Copacabana evidencia que ele é incapaz de distinguir o que é observação isolada e o que é resultado da execução de um plano de amostragem. Pobre país que tem ministros como esse.

  2. Rene Luiz Hirschmann disse:

    O Sr. Osmar Terra está agindo contra a democracia por interesses próprios, claro que esse senhor não é o “supra sumo da honestidade e ética”, esta envolvido em coisas ilícitas, fazendo com que o dinheiro público pague o aluguel de suas salas comerciais, mas impedir que seja divulgado um levantamento da Fiocruz é demais.

  3. DINARTE DA COSTA PASSOS disse:

    Nossa! Mais então está havendo censura aos trabalhos científicos. Que horror, estamos regredindo para trás de 1978.Este governo precisa acabar logo, se não ele acaba com a Democracia.

  4. Vânia A. M. Koerich disse:

    Penso que para nossos governantes é mais fácil deixar a população achar que todo a criminalidade existente no Brasil está relacionada com o uso e tráfico de drogas. Assim, o povo não cobra pela falta de investimento em segurança pública.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *