Início » Economia » Nacional » Joaquim Barbosa afirma que houve compra de votos no Congresso
julgamento do mensalão

Joaquim Barbosa afirma que houve compra de votos no Congresso

Ministro disse que existem provas da transferência de R$ 55 milhões do esquema

Joaquim Barbosa afirma que houve compra de votos no Congresso
Segundo Joaquim Barbosa, não há dúvidas de que os réus desta etapa do processo têm responsabilidade pelo esquema de compra de votos (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O ministro relator do processo do mensalão, Joaquim Barbosa, começou sua leitura sobre o núcleo político do esquema nesta segunda-feira, 17. O ministro disse acreditar que houve, de fato, compra de votos no Congresso Nacional. Apesar de não ter concluído sentenças para cada réu, Joaquim Barbosa já sinalizou que deve condenar grande parte dos acusados desta etapa do processo.

Leia também: Dirceu diz que não vai fugir do Brasil caso seja condenado
Leia também: Núcleo político do mensalão será julgado nesta segunda
Leia também: Marcos Valério passará ao menos 13 anos na prisão
Leia Também: STF condena oito por lavagem de dinheiro

O ministro começou seu voto com um quadro geral sobre as acusações do Capítulo 6, que trata dos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, envolvendo os partidos da base aliada do governo entre 2003 e 2004.

Segundo Barbosa, apesar da defesa negar, há prova robusta de que houve transferência de cerca de R$ 55 milhões do esquema, viabilizado pelo publicitário Marcos Valério, ao PP, PL (atual PR), PTB e PMDB. O ministro também desqualificou depoimentos de testemunhas indicadas pelos advogados de defesa, pois segundo o ministro, muitos eram amigos dos réus há pelo menos 40 anos e não tinham “compromisso de dizer a verdade”.

Corrupção Passiva

Após um panorama geral do capítulo, Barbosa começou a analisar o crime de corrupção passiva imputado aos réus ligados ao PP: os então deputados Pedro Corrêa e Pedro Henry e o assessor João Cládio Genu. Segundo Barbosa, o PP fazia oposição ao governo na época e só começou a receber dinheiro do PT com o fim específico de apoiar o governo no Congresso.

O relator prosseguiu com a análise das acusações contra os réus ligados ao PP sobre o crime de lavagem de dinheiro. Nesta etapa, os réus do PP são acusados de usar as empresas Bônus Banval e Natimar para ocultar a origem e o destino dos recursos. Barbosa só deve concluir seu voto sobre essa fatia do processo na próxima sessão do STF.

Fontes:
Agência Brasil-Barbosa afirma que houve compra de votos no Congresso e sinaliza condenação de réus

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *