Início » Vida » Ciência » LED pode estar piorando poluição luminosa
LUZ

LED pode estar piorando poluição luminosa

Segundo cientistas, a solução não está em trocar o tipo de lâmpada, mas em simplesmente mudar o espectro da luz

LED pode estar piorando poluição luminosa
Este tipo de luz pode dificultar os novos atlas, porque os satélites não conseguem ver direito este espectro de luz (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Ficar sob a luz das estrelas está cada vez mais difícil hoje em dia. Atualmente, a experiência mais comum de ver o céu está em olhar as nuvens ou a chuva.

Leia mais: Futuro promissor para as lâmpadas LED

Fabio Falchi e Chris Elvidge são cientistas que estudam imagens noturnas da Terra desde os anos 1990. Em 2001, eles produziram seu primeiro atlas com imagens que os satélites tiravam às 20h da hora local. A nova versão, contudo, foi feita com outro satélite que fotografava às 1h e 2h da manhã. Por conta disso, os atlas não podem ser diretamente comparados.

No entanto, os cientistas acreditam que a poluição luminosa aumentou e que parte da culpa disto é da luz LED. Afinal de contas, muitas cidades estão mudando suas luzes públicas das velhas lâmpas de vapor de sódio de alta pressão ou das lâmpadas de iodetos metálicos pelas LEDs, que usam menos energia e brilham mais, especialmente na parte do espectro de luz visível que mais dispersa. Em outras palavras, isto significa que as cidades estão ficando mais brilhantes e que as luzes estão alcançando distâncias maiores. Estas luzes podem perturbar os animais noturnos e podem confundir o ritmo circadiano dos seres humanos, ou seja, o ciclo biológico, que é baseado entre outras coisas, na variação de luz.

Além disso, este tipo de luz pode dificultar os novos atlas, porque os satélites não conseguem ver direito este espectro de luz. Segundo Flachi, a solução não está em trocar o tipo de lâmpada, mas em simplesmente mudar o espectro de luz. “Nós estávamos acostumados com as lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão, que eram amarelas, quando nós mudamos para o branco do LED, é muito brilhante para os nossos olhos. A solução então é usar o LED de luz quente”.

Segundo Falchi e seus colegas, o céu visto nas grandes cidades como Nova York e Tóquio é tão brilhante à noite, que o olho humano não consegue mais se adaptar verdadeiramente à baixa luminosidade.

 

Fontes:
The Atlantic-The Milky Way Is Disappearing

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *