Início » Internacional » Lei de cidadania que exclui muçulmanos gera protestos na Índia
APROVADA PELO PARLAMENTO

Lei de cidadania que exclui muçulmanos gera protestos na Índia

Lei facilita acesso à cidadania indiana a imigrantes no noroeste do país de várias religiões, exceto a muçulmana

Lei de cidadania que exclui muçulmanos gera protestos na Índia
Protestos e greve de fome ocorrem nos estados de Assam e Tripura (Foto: Twitter/AJ+)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Milhares de pessoas iniciaram protestos no noroeste da Índia contra uma lei aprovada pelo parlamento, vista por críticos como uma forma de marginalizar a população não hindu em áreas de maior diversidade étnica.

Os protestos ocorrem nos estados Assam e Tripura e se tornaram fatais na última quinta-feira, 12, quando duas pessoas morreram após serem alvejadas por disparos de arma de fogo.  

O cerne da questão é a aprovação da chamada Lei de Emenda à Cidadania, aprovada pelo parlamento na última quarta-feira, 11. A lei facilita o acesso à nacionalidade indiana para imigrantes de seis religiões – cristãos, budistas, parsis, jains, sikhs e hindus – que fogem de perseguição religiosa no Afeganistão, Paquistão e Bangladesh. Os dois últimos fazem fronteira com o noroeste da Índia.

A lei, no entanto, não contempla imigrantes de religião muçulmana, o que gera críticas de marginalização das 200 milhões de pessoas que compõem a comunidade muçulmana da Índia.

Os estados de Assam e Tripura fazem fronteira com Bangladesh. Nas últimas décadas, tanto hindus quanto muçulmanos entraram de forma ilegal por esta fronteira em busca de emprego ou para fugir da perseguição religiosa. Alguns enxergam a entrada de imigrantes como uma ameaça cultural, independentemente de sua religião. Outros mantêm uma posição anti-imigrante por conta de divisões religiosas.

A entrada em massa fez do noroeste da Índia uma das regiões do país de maior diversidade religiosa. Porém, a garantia da cidadania a várias religiões, com exceção da muçulmana, gera o alerta de que os integrantes dessa comunidade passem a ser minoria, o que comprometeria a já complicada busca por emprego e acesso a direitos básicos.

Muçulmanos que vivem na região consideram a lei discriminatória e temem que, no futuro, eles sejam considerados ilegais e deportados por conta da religião. Somado a isso, outros residentes de Assam estão indignados por se sentirem traídos pelo governo, que havia prometido identificar e deportar todos os imigrantes ilegais que vivem na região.

Fontes:
CNN-Two killed in protests over controversial Indian citizenship bill

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *