Início » Vida » Meio Ambiente » Por queimadas, Nestlé reavalia compra de carne e cacau do Brasil
AMAZÔNIA

Por queimadas, Nestlé reavalia compra de carne e cacau do Brasil

Incêndios na Amazônia ultrapassaram média do mês de agosto e quase triplicaram em relação ao mesmo mês em 2018, segundo dados do Inpe

Por queimadas, Nestlé reavalia compra de carne e cacau do Brasil
Nestlé promete ‘ações corretivas’ a produtores que violarem padrões da marca (Foto: Victor Moriyama/Greenpeace)

A Nestlé está analisando o comércio com o Brasil devido ao aumento de queimadas na região amazônica. A empresa suíça compra produtos como cacau, carne, óleo de soja e de palma de produtores brasileiros.

O temor da companhia é que a matéria-prima esteja sendo proveniente das regiões de queimadas na Amazônia. Por isso, a Nestlé afirmou estar reavaliando o comércio, prometendo ainda “ações corretivas” a produtores que violarem os padrões da marca.

A Nestlé não é a primeira empresa a mostrar preocupação com os incêndios na Amazônia. Na semana passada, a VF Corporation, dona de marcas como Vans e Timberland, suspendeu a compra de couro brasileiro. Já o banco nórdico Nordea suspendeu temporariamente, também na última semana, a compra de bônus brasileiro devido aos incêndios na região amazônica.

“Desenvolvemos o Padrão de Fornecimento Responsável da Nestlé, que nossos fornecedores precisam respeitar e aderir em todos os momentos. Se forem identificadas lacunas, nos envolvemos com os fornecedores para entregar planos de mitigação e rastrear a eficácia das ações tomadas”, afirmou a Nestlé em um comunicado enviado ao Estadão.

Nesta segunda-feira, 2, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, vai se reunir com representantes de multinacionais, como Nestlé, Louis Vitton, Mercedes-Benz, para tratar da situação da Amazônia. Skaf, segundo informações da Folha de S.Paulo, vai apontar o sensacionalismo com o qual as notícias sobre a região amazônica estariam sendo veiculadas.

No entanto, números divulgados pelo Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) no último domingo, 1, demonstram que os incêndios na Amazônia quase triplicaram em agosto. No mesmo mês em 2018, foram registradas 10.421 incêndios na região amazônica. Em agosto de 2019, porém, foram registradas 30.901 queimadas na região, ficando acima da média para o mês, que é de 25.853 focos de incêndio.

Os dados demonstram que foi o pior mês de agosto, em relação a incêndios, em nove anos. Em 2010, o número foi maior, quando foram registrados 45.018 focos de queimadas. Na série histórica, o recorde negativo foi registrado em 2005, quando houve 63.764.

Leia também: Amazônia: por que Bolsonaro pode, sim, ir parar no Tribunal Penal Internacional? 
Leia também: Comunidade internacional reage a queimadas na Amazônia

Fontes:
O Globo-Nestlé reavalia fornecedores de carne e cacau do Brasil, após queimadas na Amazônia
Estadão-'Profundamente preocupada com a Amazônia', Nestlé diz revisar compra de carne e cacau da região
DW-Número de focos de incêndios na Amazônia é o maior em nove anos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Roberto Henry Ebelt disse:

    Até parece!

  2. jayme endebo disse:

    Parece piada dessas multinacionais, a amazônia não produz cacau e os trabalhos escravos na áfrica e asia de seus produtos serão boicotados? Segue um roteiro pré estabelecido e bem armado. Vamos aguardar para ver o que eles realmente querem.

  3. Leonora Hermes Luz disse:

    A Nestlé manifesta em favor da preservação da nossa floresta e ao mesmo tempo é responsável pela drenagem abusiva de nossas fontes de água mineral, isso no Brasil e no mundo inteiro.
    A imagem da Nestlé é queimada mundo afora. Compreendo a motivação de todos os boicotes mas não engulo a promoção de auto imagem de uma empresa predatória como a Nestlé às custas de uma situação lamentável como a da Amazônia nas mãos deste governo infeliz.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *