Início » Economia » Putin declara apoio a Maduro
LAÇOS ECONÔMICOS

Putin declara apoio a Maduro

O presidente da Rússia manifestou o apoio a Maduro, que está em Moscou em busca de auxílio financeiro para seu país

Putin declara apoio a Maduro
Rússia e Venezuela mantêm laços estreitos há muitos anos (Foto: Kremlin)

O presidente da Rússia, Vladmir Putin, manifestou nesta quarta-feira, 6, o apoio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que está em Moscou em busca de auxílio financeiro para seu país.

Maduro busca o apoio da Rússia para contornar seu isolamento no cenário internacional, especialmente no continente americano. Acusado de minar as instituições democráticas da Venezuela a fim de se manter no poder, enquanto o país enfrenta uma forte crise econômica e política, Maduro foi alvo de sanções aplicadas pela União Europeia e Estados Unidos,

Putin reconheceu que “a situação na Venezuela continua difícil”, destacando que a Rússia apoia os esforços de Maduro para conseguir o entendimento na sociedade e a normalização das relações com a oposição”.

“Certamente, condenamos qualquer ação que tenha uma clara natureza terrorista, qualquer tentativa de mudar a situação com ajuda da força”, disse Putin.

Por sua vez, Maduro afirmou que seu governo superou diversos desafios. “Enfrentamos várias ameaças e agressões, mas aprendemos como lidar com elas. Mantemo-nos firme, estamos vencendo”, disse o presidente venezuelano.

Maduro afirmou estar entusiasmado com a ampliação dos laços econômicos com a Rússia , uma grande aliada de Caracas.  Ele disse ter certeza que a conversa com Putin resultaria em “boas notícias para a cooperação e para as economias dos países”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que Maduro viajou para a Rússia especificamente para solicitar ajuda financeira. “A conversa terá como foco a ajuda de que o líder venezuelano precisa”, disse Peskov, sem revelar o quanto a Rússia estaria disposta a fornecer à Venezuela.

Rússia e Venezuela mantêm laços estreitos há muitos anos. O antecessor de Maduro, Hugo Chávez, também possuía o status de “bem-vindo” no Kremlin.

A Rosneft, maior petrolífera russa, investiu no país sul-americano, onde a produção de petróleo vem caindo a cada mês. Mesmo em queda, a Venezuela precisa continuar o fornecimento para a Rússia, China e Cuba para agradar os aliados políticos e cobrir suas dívidas. O país também fornece petróleo para os Estados Unidos para obter dólares.

Igor Sechin, CEO da Rosneft, visitou Caracas recentemente, pressionando o governo de Maduro a continuar atento aos compromissos que possui com a Rússia. Críticos unificaram a culpa sobre as duas décadas de governos socialistas e corrupção, antes da ascensão da indústria petrolífera da Venezuela, na forma da estatal Petróleos da Venezuela (PDSVA).

Com sua economia diretamente ligada ao petróleo, o país sofreu com a queda global do preço da commodity. A crise econômica que afeta a Venezuela, que gera escassez de alimentos e medicamentos, além da hiperinflação, provocou o êxodo de milhares de venezuelanos. A ONU estima que 3 milhões de pessoas deixaram o país desde 2015.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *