Início » Internacional » ‘Talvez precisemos fazer mais’, diz Trump após massacres no Texas e Ohio
ATAQUES NO TEXAS E EM OHIO

‘Talvez precisemos fazer mais’, diz Trump após massacres no Texas e Ohio

Trump atribui ataques – que deixaram total de 29 mortos - a problemas mentais dos atiradores e culpa a mídia. Oposição culpa retórica xenófoba do presidente

‘Talvez precisemos fazer mais’, diz Trump após massacres no Texas e Ohio
‘Essas são pessoas que estão muito transtornadas mentalmente’, disse Trump (Fonte: Reprodução/Flickr)

O presidente americano Donald Trump se pronunciou na noite do último domingo, 4, em relação aos ataques a tiros que deixaram um total de 29 mortos nos estados do Texas e de Ohio no fim de semana.

Em coletiva de imprensa, Trump se defendeu das críticas da oposição, afirmando que seu governo já fez muito para impedir ataques, “mas talvez mais tenha que ser feito”.

“Fizemos muito mais do que os outros governos. Fizemos muito, na verdade. Mas talvez precisemos fazer ainda mais”, disse o presidente americano.

Trump ofereceu condolências às famílias das vítimas, agradeceu o trabalho da polícia e afirmou que “o ódio não tem lugar” nos Estados Unidos. “Nós temos que fazer isso parar; isso vem acontecendo há anos e tem que parar”, disse ele, destacando que seu governo “irá cuidar disso”.

O presidente americano atribuiu os ataques a problemas mentais dos atiradores. “Também é um problema de saúde mental. Essas são pessoas que estão muito, muito seriamente transtornadas mentalmente”, disse Trump.

A suspeita de que o massacre no Texas foi motivado por ódio racial levou a oposição a culpar a retórica de Trump anti-imigração. Antes de realizar o ataque em um supermercado na cidade texana de El Paso, o atirador, identificado como Patrick Crusius, de 21 anos, escreveu e divulgou um manifesto contra imigrantes, cuja linguagem usada se assemelhava à de Trump. No manifesto, o atirador disse que o ataque era uma reposta ao que chamou de invasão latina no Texas.

Parlamentares democratas argumentam que as recentes declarações do presidente – que há poucos dias se envolveu em uma polêmica ao afirmar que quatro deputadas deveriam “voltar para seus países” – fomentam um clima de ódio e violência contra imigrantes nos Estados Unidos.

Em seu pronunciamento, Trump não citou o manifesto do atirador. Ele também não abordou a questão da lei das armas no país, novamente levantada após os ataques.

Parlamentares de oposição criticaram o que consideraram uma recusa do presidente em reconhecer o problema. “Não podemos resolver um problema se nos recusamos a nomeá-lo: nacionalismo branco. Uma ideologia incentivada por um presidente que alimenta as chamas do ódio e protege supremacistas brancos com mensagens de apoio. Devemos fazer o que Trump não fará: condenar este mal e erradicá-lo de nossa sociedade”, escreveu o democrata Joe Biden, considerado o principal adversário de Trump em sua busca pela reeleição em 2020.

A líder dos democratas na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, abordou a questão das armas. “Nós temos a responsabilidade junto ao povo que servimos de agir. Os republicanos do Senado devem cessar sua ultrajante obstrução e se juntar à Câmara para colocar um fim no horror e derramamento de sangue que as armas geram diariamente nos EUA”, escreveu a deputada, se referindo ao Senado, que tem maioria republicana.

Outro favorito na disputa pela presidência, o senador Bernie Sanders acusou Trump de racismo e pediu ao presidente americano para cessar sua retórica anti-imigrantes. “Sr. presidente: pare com sua retórica racista, de ódio e anti-imigrantes. Sua linguagem cria um clima que alimenta extremistas violentos”, escreveu Sanders.

Em uma postagem seguinte, acompanhada de um vídeo com uma entrevista, Sanders foi ainda mais crítico. “Temos um presidente que ativamente demoniza minorias raciais e religiosas, que protege nazistas e homens do Klan [ku klux klan] e que brande o supremacismo branco como uma arma política”, escreveu o senador.

Nesta segunda-feira, 5, Trump tornou a se manifestar sobre os ataques, desta vez culpando a mídia. “A mídia tem uma grande responsabilidade com a vida e segurança neste país. Fake News têm contribuído largamente para o ódio e raiva que se construíram ao longo de muitos anos. A cobertura midiática tem de começar a ser justa, balanceada e sem viés, ou esses problemas terríveis só irão piorar”, escreveu o presidente americano.

Leia também: Por que Trump acirra eleitores contra deputada somali?


Fontes:
G1 - Trump afirma que 'talvez mais tenha que ser feito' em resposta a massacres no Texas e Ohio

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *