Início » Opinião » Artigos » À moda antiga
Apostando alto

À moda antiga

Kirk Kerkorian enriqueceu de uma maneira tradicional, com perspicácia e talento para os negócios

À moda antiga
Kerkorian foi quem mais investiu na criação de Las Vegas (Foto: Wikipedia)

Kirk Kerkorian foi um dos grandes homens de negócio do século passado. Comprou e vendeu os estúdios MGM três vezes. Foi a pessoa que mais investiu na criação de Las Vegas, a ilha da fantasia de luz neon. Tentou comprar a Chrysler e, em determinado momento, foi um grande acionista da Ford e da General Motors. Kerkorian vivia em grande estilo: tinha uma casa suntuosa em Beverly Hills,amigos como Frank Sinatra e Cary Grant, três esposas e um divórcio litigioso lendário (a terceira Sra. Kerkorian, que só viveu cerca de um mês com ele, tentou processá-lo para que pagasse US$320,000 por mês de pensão alimentícia e custeio das despesas da filha, até que se descobriu que a criança era filha de Steve Bing, um magnata rival).

Apesar disso, Kerkorian era um homem extremamente discreto; evitava a vida social de Hollywood e só assistia aos filmes que financiava quando estavam sendo exibidos no cinema. Depois dos 50 anos, dedicou-se com obsessão a melhorar seu jogo de tênis.

Ele era o protótipo do homem que venceu na vida por seu próprio esforço. Filho de um imigrante armênio, Kerkorian mudou de endereço pelo menos 20 vezes na infância, começou a trazer dinheiro para casa aos 9 anos, foi enviado para o reformatório por ter dado um soco no filho de um professor e ganhou a vida como boxeador, com o apelido de “Rifle Right Kerkorian”.

Com a proximidade da guerra, aprendeu a pilotar e conseguiu um emprego que consistia em levar bombardeiros canadenses à Royal Air Force britânica. Com o dinheiro que ganhou nessas missões arriscadas, Kerkorian fundou a Trans-International Airlines, que transportava os viciados em jogo e celebridades de Los Angeles para Las Vegas. Trabalhou como mecânico, faxineiro, cobrador e piloto na empresa e, com frequência, se juntava aos passageiros nos cassinos.

Sua paixão verdadeira não era administrar empresas, e sim fazer negócios; Kerkorian ganhou mais de US$100 milhões com a venda, a compra e a venda mais uma vez de sua empresa de aviação. Ao se mudar para Las Vegas na década de 1960, inevitavelmente entrou em contato com os mafiosos que viviam na cidade. Mas apesar de investigarem sua vida, a polícia e os jornalistas nunca descobriram indícios de sua colaboração com os mafiosos. A audácia era um traço marcante em sua personalidade. Conseguiu ser mais esperto do que homens de negócios famosos, como Howard Hughes e Ted Turner. Kerkorian construiu três vezes o maior hotel do mundo, em 1969, 1973 e 1993.

Homens de negócios audaciosos como Kerkorian eram mais comuns nos conselhos de administração de empresas do Ocidente. Hollywood foi criada por imigrantes europeus, como Sam Goldwyn e os irmãos Warner, que se guiavam pelo instinto. Ainda há alguns homens desse gênero; as biografias de Rupert Murdoch e Donald Trump são bem mais ortodoxas do que a de Kerkorian, e ambos têm alma de homens de negócios. Mas, em geral, eles estão cedendo o lugar para outros tipos de pessoas: empresários do setor de tecnologia que ficam ricos usando sua criatividade; e os especialistas em private equity e fundos de hedge que enriquecem por meio da engenharia financeira.

Fontes:
Economist-The great gambler

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *