Início » Opinião » Artigos » O MST e as eleições
Artigos

O MST e as eleições

Se esse espaço não tivesse como título geral Comentário do dia, não precisaria comentar as declarações do senhor Rainha**, bastaria transcrever. Senão, vejamos.

Vamos sair da trincheira no dia 19, às 17 horas, vitoriosos com o governo Lula, diz em alto e bom som José Rainha Junior, líder do MST no Pontal do Paranapanema. A trégua nas invasões é uma estratégia do MST para não prejudicar a campanha do presidente Lula, confirma. Afinal, tudo tem limite: não é politicamente correto invadir propriedade alheia em dias como o de Natal ou de Finados. Mesmo entre bandidos, há um mínimo de ética—e, além disso, não fica bem para o bom povo urbano que apóia o MST conviver nessas datas com violência.

Trata-se, no fundo, de derrotar o projeto neoliberal. Para isso, Rainha conclama todas as facções da esquerda a temporariamente se unirem contra o candidato de oposição a Lula—o que o torna, automaticamente, o candidato da volta à ditadura. Contra isso, aliás, já tem a receita: se as eleições produzirem uma vitória de Alckmin, o MST levará o povo para as ruas, enfrentando assim o golpe.

Curiosas reflexões, tanto em sua candura como em sua lógica. A candura é extrema: o que a esquerda quer é ampliar a tomada do poder, parcela significativa do qual já detém e que não pretende ceder; as eleições são boas quando elegem um representante seu, um golpe quando elegem alguém que se opõe ao seu projeto. Quando fala das invasões, omite o objetivo do roubo e do saque e se concentra em seu objetivo político. E termina sua peroração cobrando a estatização e coletivização da terra: se não houver solução, vai ter luta e ocupação.

A rota, portanto, já está traçada. O candidato-presidente deve ser grato ao MST, que se exime de fazer marola para não prejudicar sua reeleição. O MST mais uma vez se afirma como a jóia da coroa do presidente, que tem a ornamentá-la jóias menores, como Newtão, Quércia, Jader e Collor.

** 'Rainha: trégua do MST acaba logo após eleição' – O Globo, pág. 15.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. ana catia disse:

    com tantos roubos do pt, só maluco ainda votar no lula

    lula fora!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Italo disse:

    Todo brasileiro deveria ter direito a um pedaço de terra para produzir ou sobreviver de seus esforços, ainda mais num país igual o Brasil onde direito á propriedade é garantir que grandes áreas improdutivas assim continuem, que imensas áreas de preservação sejam destruidas, e que nossos semelhantes vivam acampados com suas familias á beira das estradas esperando decência administrativa, a mesma espera é imposta aos que passam fome. A sociedade não é só a parte que tem voz e tem sido ouvida, existe outra parte que não espera gerações pelo fim da fome e do descaso e busca mais igualdade e transforma a “nossa sociedade”, produz transferência de renda ainda que “à bala”, conseguiremos explicar no futuro que essa luta é menos legitima que áquela que levou colheitadeiras modernas à bloquear estradas e exigir bilhões do governo e foram prontamente atendidas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *