Início » Opinião » As mudanças nas pensões
Coluna Esplanada

As mudanças nas pensões

Maior mudança é a implementação da carência para recebimento de pensões nos casos de morte

As mudanças nas pensões
Em 2011, o valor das pensões bateu R$ 61,6 bilhões (Fonte: Reprodução/Hoje.ES)

Siga o colunista no Twitter @leandromazzini

Leandro Mazzini é jornalista e escritor

A despeito das especulações, o governo já tem no prelo a nova reforma previdenciária, ao qual a coluna teve acesso. A maior mudança é a implementação da carência para recebimento de pensões nos casos de morte. Só haverá benefício para órfãos e cônjuges com contribuição mínima de dois anos. O mesmo período — dois anos de união estável comprovada — será determinado para o direito a pensão no casamento. Será extinta a pensão vitalícia para as(os) viúvas(os) jovens, para cônjuge com idade inferior a 40.

A conta

Em 2011, o valor das pensões bateu R$ 61,6 bilhões. A reforma, se concretizada, vai gerar economia de R$ 1,8 trilhão ao Tesouro até 2050, diz o estudo.

Subindo

‘Em percentual do PIB, a despesa com pensões da Previdência cresceu de 1,1%, em 1995, para cerca de 1,5% do PIB em 2011’, alerta o documento.

Só aqui

Pensões por morte já respondem por 27,4% do estoque de benefícios da Previdência. O Brasil é o único país onde não há carência de tempo de contribuição para os casos.

Pré-reforma

A implementação da carência é fundamental, avalia o governo. Segundo o levantamento, a economia será de R$ 54,9 bilhões até 2018. ‘O Brasil possui regras injustificadamente frágeis para a concessão e manutenção das pensões em comparação com outros países’, justifica o documento que vai balizar o discurso presidencial.

País dos velhinhos

A chamada transição demográfica preocupa. ‘O envelhecimento populacional irá resultar, em média, em cerca de 1 milhão a mais de idosos por ano nas próximas quatro décadas’.

Turma da bengala

Está comprovado que o Brasil envelhece a passos largos. O número de idosos irá passar do atual patamar de 20,6 milhões para cerca de 64 milhões em 2050. A reforma é essencial para segurar as contas, avaliam os governistas.

E agora?

Como solucionar o caso do Psol que pleitea no STF a distribuição igualitária do tempo de tv e rádio, independente do número de parlamentares?

Bomba

O famoso humorista Mução, preso pela operação da PF contra pedofilia por divulgar material na rede, é filho da ex-secretária geral da Receita Federal Lina Vieira.

Faxina social

Os marqueteiros de José Serra estão de cabelo em pé com as políticas impopulares do aliado Kassab. A Prefeitura decidiu proibir a distribuição de refeições nas ruas da cidade feita por 48 entidades assistenciais a moradores de rua.

Operação abafa

Preocupado com a repercussão do lançamento de seu candidato contra o PT no Recife, o governador Eduardo Campos (PE) baixou de jatinho em São Paulo ontem. Conversou por duas horas com o ex-presidente Lula.

Trio Cachoeira

Foi marcada para dia 11 de Julho a divulgação dos pareceres contra três deputados suspeitos de envolvimento no esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira. São eles Leréia (PSDB-GO), Sandes Júnior (PP-GO) e Rubens Otoni (PT-GO).

Mal cheiro

Vovó Mafalda, consultora da coluna que é pateta mas não boba, sente cheiro de absolvição do trio. Não há provas suficientes (vídeos) de que teriam recebido dinheiro do contraventor. Apenas citações ou ilações, dirão os relatórios.

Trem-bala

A Sudeco informou que o trem bala Brasília-Goiânia a ser implantado, se o projeto vingar, é de média velocidade (de 100km/h a 120km/h).

Epa, epa

Os partidos de oposição a Serra convocaram a turma jovem dos diretórios e pela rede. Preparam em São Paulo dois grandes protestos. Querem atingi-lo através de Kassab.

Ponto Final

Como diria Rubem Braga. Esse povo brasileiro é muito afobado.

Com Gilmar Correa e Marcos Seabra

contato@colunaesplanada.com.br
www.colunaesplanada.com.br

* É proibida a reprodução total ou parcial da coluna sem a prévia autorização do editor da Esplanada

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Joaquim Caldas disse:

    Como fica as famílias do parlamentares,no caso das pensões? É só contra os contribuintes do INSS? Bando de ladrões.

  2. caetano disse:

    mais uma vez querem tirar direitos dos trabalhadores e suas famílias.Estes bandos de políticos sem criatividades.
    NÃO EXISTE ROMBO NO INSS ! O PROBLEMA É DE GESTÃO ADMINISTRATIVA O MINISTRO NÃO SABE NEM FALAR DIREITO!!

  3. Mauricio Fernandez disse:

    Na gatunagem ninguém mete a mão. Está provado que estão todos comprometidos. Mas, é quando menos se espera que as coisas acontecem…………

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *