Início » Opinião » Biografias » Tiradentes: um herói nacional e uma figura rara
Nesta Data

Tiradentes: um herói nacional e uma figura rara

Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, nasceu em 16 de julho de 1746

Tiradentes: um herói nacional e uma figura rara
Tiradentes foi um dos membros da Inconfidência Mineira, que lutou pela independência do país

Um dos raros consensos de nosso tempo é o da ausência de heróis, de gigantes na paisagem humana e intelectual deste início de século, disse Carlos Heitor Cony em crônica escrita para a Folha de São Paulo em maio de 2004. No texto, o escritor ainda complementou seu pensamento afirmando que, se os heróis contavam com pouco espaço na história e nas cabeças das pessoas, os vilões não tinham esse problema: reis dos noticiários, esses têm vida breve e atuação datada, mas, enquanto estão atuando, roubam a cena de tal forma que fica impossível ignorá-los. Na ocasião, Cony citou Waldomiro Diniz, Cachoeira, Celso Pitta e Paulo Maluf. Não é difícil presumir que, fosse escrito hoje, o texto citaria Delúbios e Valérios.

Apesar da ausência de heróis na memória dos brasileiros, agravada pela tímida atenção que recebem dentro das salas de aula e nos livros escolares, algumas figuras ilustres se destacam e parecem ter seus feitos históricos bem claros para a maioria dos cidadãos. É o caso de Tiradentes – herói com direito a feriado nacional, o que torna mais fácil a sua memorização e valorização.

A ocorrência Tiradentes aparece aproximadamente 2.160.000 vezes no buscador Google, o que mostra que não é difícil encontrar dados relacionados a essa personalidade, diferente do que acontece com outros grandes nomes da história brasileira.

O fim da vida de Joaquim José da Silva Xavier, que viveu no século XVIII lutando pela independência do Brasil em meio à dominação dos portugueses, remete a questões relacionadas à impunidade que observamos ainda hoje no país. Quando a Inconfidência Mineira foi delatada, em 1789, por Joaquim Silvério dos Reis, seu líder Tiradentes não contava com influências políticas ou econômicas suficientes para reduzir a sua pena. Alguns filhos da aristocracia foram condenados a penas mais brandas quando houve o julgamento dos inconfidentes em 1792. Os castigos podiam ser, por exemplo, o açoite em praça pública ou o desterro. A Tiradentes – e apenas a ele, entre todos os membros da Inconfidência – restou a execução, em 21 de abril de 1792, e ainda a exposição de partes de seu corpo em postes da estrada que ligava o Rio de Janeiro a Minas Gerais. Sua casa foi queimada, seus bens foram confiscados e seus descendentes foram declarados infames.

Se ainda hoje nota-se e protesta-se contra o tratamento vip dado a presos que têm boas condições financeiras ou influências – ou ambos – em outros quesitos o Brasil atual é bem diferente da terra habitada por Tiradentes. Ele nasceu em 1746 na Vila de São João Del Rey, hoje a cidade mineira que leva o seu apelido – Tiradentes – e foi criado em Vila Rica – hoje Ouro Preto. Nessa época não havia no país constituição nem o direito de desenvolver indústrias em território brasileiro, e os impostos cobrados do povo pela metrópole eram extorsivos e provocavam revolta.

Tiradentes ficou órfão cedo, aos 11 anos. Trabalhou como mascate, pesquisou minerais e foi médico prático. Diz-se que tinha a habilidade de extrair dentes e colocar novos que ele mesmo fazia. Como militar, pertenceu ao Regimento dos Dragões de Minas Gerais. No posto de alferes comandava uma patrulha de ronda do mato, prendendo ladrões e assassinos.

A conspiração representada pela Inconfidência Mineira agregou militares, escritores de renome, poetas famosos, magistrados e sacerdotes e, influenciada pela independência dos Estados Unidos em 1776, tinha como principais idéias proclamar uma república independente, com a abolição imediata da escravatura; construir uma universidade; promover o desenvolvimento da educação para o povo e outras reformas sociais. O movimento planejava chamar o povo para protestar no dia em que o governo fizesse a chamada derrama – nome dado à cobrança de impostos – mas não chegou a se concretizar, devido à traição de Joaquim Silvério dos Reis, que se passou por companheiro para denunciar o grupo.

Tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional em 1938, a cidade de Tiradentes apresenta um acervo barroco que permaneceu escondido por muito tempo e hoje está sendo visto por visitantes de diversas origens. Entre seus pontos turísticos principais estão capelas construídas no período em que viveram os membros da Inconfidência – algumas foram habitadas por padres que participaram da conspiração – e o casarão da prefeitura, construído em 1720.

Templos históricos que remetem ao período vivido por Tiradentes, entre igrejas, museus e construções. Estão entre as atrações o Museu do Aleijadinho, o Museu da Inconfidência – que reúne documentos relacionados à Inconfidência – e 19 igrejas e capelas. A cidade foi também tombada como Patrimônio Nacional, em 1938, e declarada Patrimônio Cultural da Humanidade em 1980 pela Unesco.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

88 Opiniões

  1. Jane kelly disse:

    tiradetes a sua hitoria e linda parabens essas pessoas que falaram mau são muitas da invejosa

  2. Nato Alves Barrozo disse:

    Realmente com a abertura democrática de nosso país, cada vez mais vamos sabendo de coisas que são diferentes daquelas aprendidas na escola. Uma delas é a respeito da iconoclastia de Tiradentes.
    Dizem que ele não usava nem barba e nem bigode. Esta imitação de Cristo, foi feita há tempos e sacramentada através da Lei Federal 4897 de 1966 pelo presidente Castelo Branco, quando foi definido a imagem com barba e cabelos longos de Tiradentes. Dizem tbm que Joaquim José da Silva Xavier, era maçom, bem como quase a totalidade dos líderes do movimento de independência. Segundo historiadores, dentre eles Machado de Assis e Assis Brasil, relatam que Tiradentes não morreu enforcado. Quem morreu em seu lugar e teve seu corpo esquartejado foi o facínora italiano Renzo Orsini. Tiradentes, com a ajuda dos maçons da época e da rainha de Portugal, Da. Maria I, refugiou-se no porão da mesma Rua dos Latoeiros e depois foi para Lisboa no navio “Golfinho”, onde viveu até 1808. No mesmo ano voltou ao Brasil com a família real. Chegando ao Rio de Janeiro reviu sua mulher Francisca e sua filha Joaquina e morreu de velhice. Tiradentes teria inclusive tratado de assuntos atinentes à inconfidência com Thomas Jefferson, embaixador americano na França, bem como seu exílio e Portugal. Tiradentes foi pessoa de confiança de D. João. Tanto que teria tratado de Da. Maria I em sua fase de loucura. Inclusive teria trazido para o Brasil uma filha bastarda do rei por imposição da rainha Carlota Joaquina. Boa noite!

  3. Moster High fanclube ... disse:

    essas pessoas que falam mau do tira dentes deveriam ter vivido naquela época para dar valor como jóse milton que comparou o tira dentes a um vampiro querido vc tome cuidado pode ser picado por um vampiro e quem sabe ser salvo por um heroi e tambem a vanessa que disse que sse texto é falso e que o tira dentes e uma invenção querida se enxergua vc não sabe de nada sua……….. menina leia o texto denovo vc precisa disso saber interpretar …,…,..,.
    bejo para aquele que concondam comigo e que gosta do tira dentes ate prque se não fosse por ele quem sabe se o brasil tinha sido independente como é thau leia o texto em

  4. Moster High fanclube ... disse:

    esse tal de josé milton de quevedo esta totalmente errado vampiro e legual e o tira dentes tambem ele tem que se enxerguar acorda …… querida ….

  5. andrieli disse:

    esse texto arraso a minha nota
    ele me ajudou muito legual né
    os estudantes desinteressados em ler deviam receber portunidades de ler esse texto para aprender mais com ele
    esse texto e o maximo porque ele me ajudou muito em todas as materia não só nos trabalhos mas sim no aprendizado
    que eu nunca vou esquecer

  6. kauanny arruda morais disse:

    muito grande

  7. Matheus disse:

    Nós adotamos a imagem de herói a Tiradentes pelo fato de que ele fez parte da minoria, além de ser pobre, daria uma ideia subentendida de que somente a minoria age, e se age não tem êxito. Ou seja, o grande motivo para Tiradentes ser considerado um HEROI é para servir de exemplo para toda a população de que se se revoltarem ao que está sendo imposto não terão êxito.
    Nós não buscamos justiça igual ao povo dá época, simplesmente aceitamos, então pelo fato de Tiradentes ter sido morto por buscar justiça todos que estavam pesando em ideias de independência desistiram, porque Tiradentes agora é um exemplo do que não se deve fazer, novamente simplesmente aceitaram.
    E é essa a imagem de repressão que ainda carregamos e continuaremos carregando se o povo não mudar o jeito de pensar.
    Uma democracia é voto da maioria, a maioria é o povo, e tem que ser assim como o povo quer e não como os políticos querem, e é isso que precisamos entender para conseguir correr atrás de nossos direitos, além da constituição.
    E sim! Tiradentes é realmente um herói, e se tem essa necessidade de ser, para passar à população a imagem de injustiça, de aceitação publica sem protesto, porque quem seguiria um exemplo fracassado? E assim o governo poderia manipular cada vez mais e mais o pensamento populacional.
    E se o governo consegue manipular a população, poucos tentarão mudar algo, pelo simples fato de ter esse exemplo. Então o governo teria uma democracia disfarçada, fazendo tudo o que quer e o povo não se incomodaria com nada, simplesmente aceitaria, pelo fato de seu HEROI ter fracassado, assim abrindo um espaço para o governo cobrar o que quiser quando e quando quiser, claro que os cidadãos terão direitos iguais, mas a voz que poderiam ter deixam de ter, por esse simples fato, pense nisto!

  8. Tarcisio Filho disse:

    Apesar de ter algumas informações sobre a vida dele não me agradou
    Mas a redação estava boa valeu a pena algumas partes do texto 😉

  9. Tarcisio Filho disse:

    Parabéns gostei muito… ja me ajudou com meus estudos valeu.

  10. Cristina disse:

    Nossa nunca vi um texto mais bem criativo do que esse.

  11. Rodrigo disse:

    … tão misterioso quanto o nome das outras 09 (nove) caravelas da época do descobrimento do Brasil, além Nina, Pinta e Sta. Maria, é um mistério o nome dos outros participantes desta tentativa de Revolução. Será que era Tiradentes um “Rambo” ou um “bode-expiatório” que morreu por não ser filho de nobres ?

  12. ROOSEWELT ALMEIDA SANTOS disse:

    Em que documento o autor encontrou a data de 15 de julho como a data do aniversário de Joaquim José da Silva Xavier. Seria uma suposição? O autor não comenta nada sobre Joaquim José da Silva Xavier e a Ordem Maçônica, uma vez que boa parte dos Inconfidentes eram e a simbologia apresentada na Bandeira de Minas Gerais vai de encontro a esta realidade. Foi ou não foi Maçom?.

  13. Alzira Esteves Ayres Mattos disse:

    Nem mesmo de um intelectual como V. Sa., ou mesmo se mineiro fosse, poderia compreender tal entusiasmo por uma figura quase lendária como foi Tiradentes. Sequer discutir obras contemporãneas justificariam a forma como defende a figura de uma pessoa cuja qualidade, se verdadeira, foi igual a tantos outros qe lutaram por uma sociedade brasileira mais justa. Quantas “virtudes” leio pela primeira vez , tudo na base do “diz-se que”… (???!!!). Quantos brasileiros morreram pela nossa pátria, lutando, efetiva e comprovadamente! recuso-me a apontar conflitos estrangeiros (muitos verdadeiros, é claro!) para comparar ou justificar este ou aquele momento a ser associado com hipotéticas açãoes do sr. Tiradentes. Quantos brasileiros lembram-se de José Bonifácio de Andrada e Silva. Dele temos provas escritas em universidades e Bibliotecas de nosso país, da Europa e Asia. Sobre seus passos como estudioso do Direito, da Ecologia (o 1º brasileiro a falar sobre ela), mineralogia, psicologia, diplomacia, segurança nacional (Brasília é o maior exemplo, pois foi tão visionário quanto Dom Bosco!). Deixou seu nome (ligado ao nosso país, espalhado pelo mundo. É considerado herói pelos governantes (só no papel) ? nem mesmo o governo paulista reconhece seu dia (está na lei, é 13 de junho), deslocando a capital paulista para a cidade de Santos, como dita a lei!!! Sei e reconheço que houve por todo nosso país, tantos outros heróis, muitos anônimos mas não esse sr. Tiradentes cujo nome encabeça o texto do jornalista Cony. Lamento paulistas mas nós abaixamos as orelhas para um herói de “araque”, porque até que me provem com documentos (os que li não me convencem…) como nós temos de José Bonifácio (inclusive de sua própria lavra!) e de tantos outros brasileiros, ele será sempre uma farsa. Tenho dito.

  14. Chicovsky disse:

    Imposto cobrado pela metrópole era extorsivo? Os portugueses eram otários mesmo…. cobravam o “QUINTO” 20% da renda…. Hoje o governo federal nos arranca 43%!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Se 20% era extorsivo e 43% o que é????????????????

  15. José Milton DeQuevedo disse:

    Gostem ou não porque Herói Brasileiro, no Brasil é como ser Vampiro, não tem graça nenhuma!

  16. Miguel Ribeiro Gomide disse:

    Tiradentes morreu na forca, não porque era o mais pobre dos Inconfidentes e sim, porque era judeu cristão novo, metalúrgico e maçon. Naquela época Portugal era dominado pela Inquisição. Nas cidades históricas durante o ciclo do ouro, a maior parte da população era de cristãos novos e seus descendentes. Em Vila Rica funcionava um tribunal da Inquisição. Outro vetor da História: de acordo com o livro TIRADENTES, autoria de Assis Brasil, Editora Imago, os maçons substituiram Tiradentes por um ator de circo, de nome Renzo Orsini, também condenado à forca por ter se apossado de um castiçal de ouro de uma igreja.

  17. João Cirino Gomes disse:

    As vezes eu me revolto e até concordo que os professores estão tendo salários insignificante pelo fato de; no passado ensinar que D Pedro é um herói por ter proclamado a independência!

    Os professores ou eram mal formados ou coniventes!

    Vejam bem; D Pedro não era filho do rei de Portugal?

    E se o pai que era rei de Portugal nos explorava com taxas absurdas, como o filho iria proclamar e Independência e ir contra os interesses de sua família e de seu país?

    Na verdade nós somos escravizados por falta de informação e boa formação!

    A realidade é que Tiradentes, ou Melhor Joaquim José da Silva Xavier foi enforcado e esquartejado para servir de exemplo aos revolucionários que lutavam por liberdade e justiça social!

    Depois de trinta anos que Tiradentes foi enforcado, o rei de Portugal notou que havia novos descontentamentos e a revolução iria ressurgir

    Então se reuniu ao filho D Pedro, e arquitetaram uma saída!

    E dai D Pedro molhou as mãos de uns e outros vendidos traidores do povo, igual estes que estão doando nossos impostos, vendendo nosso país, e nossas riquezas, e arquitetaram a tal independência, que não passa de história da carochinha!

    Desde o descobrimento do Brasil, o cidadão trabalhador e patriota, não passa de idiota.

    A população precisa saber, “que em uma democracia”, deve prevalecer a vontade da maioria!

    Agora me mostre um cidadão que quer trabalhar trinta anos para se aposentar e ver seus direitos sendo desrespeitados?

    Me mostre um cidadão que paga INSS, FGTS vários outros impostos para ter direito a educação, segurança, saúde moradia, e fica satisfeito ao ver seus FGTS sendo usado para financiar copa do Mundo?

    Me mostre um cidadão que paga imposto para a construção de rodovias e vê as rodovias que foram construídas superfaturadas com seus impostos, sendo vendidas a preço de bananas a políticos, que depois cobram absurdos deste mesmo cidadão para rodar nas estradas que foram construídas com seus impostos!

    São tantos os absurdos que se formos enumerar precisaremos escrever livros, ou seja bibliotecas!

    E devido a tantas hipocrisias demagogias mentiras e injustiças, sou a favor do abaixo assinado pelo fim da imunidade e fórum privilegiado!

    Ou então continuaremos escravizados pagando impostos absurdos para dar mordomias, aos canalhas que alem de terem altos salários ainda nos roubam, superfaturam desviam e nunca precisam devolver um centavo daquilo que surrupia, e nunca são punidos!

    Notem que as cadeias estão superlotadas, mas de pobres sem poder aquisitivo ou influencia!
    Uns por furtar maisena, outros por furtar lata de leite!
    E muitos com penas vencidas!
    Enquanto quem rouba e desvia bilhões, estão soltos se passando por santinhos e salvadores da pátria, pois a população desinformada, idolatra quem rouba, desvia, doa aos amigos,e gasta seu imposto para distorcer fatos acobertar maracutaia e esconder a realidade!

    Abaixo-assinado Fim da imunidade e impunidade! Ou voto Nulo, em quem promete, só visando vantagens!

    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=Janciron

  18. scheila santos disse:

    Adorei a comparação com os tempos atuais.

  19. Rosaura disse:

    Gostaria de aplaudir o comentário do leitor Kalil Saliba. Parabéns!!!!!!
    Realmente a corda arrebenta para o lado dos mais fracos, como disse o leitor Laerte dos Santos.

  20. Kalil Saliba disse:

    Neste 21 de abril, data da heroica Conjuração Mineira de 1789, ao render honras aos herois de nosso povo Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes, e todos os conjurados, devemos resgatar a historia da luta do povo brasileiro contra o jugo da coroa portuguesa e pela libertação nacional.’DEZ VIDAS EU TIVESSE, DEZ VIDAS EU DARIA’. A destemida e generosa sentença de Tiradentes ainda ecoa por todos os rincões deste Brasil, ainda sentimos na sua figura de heroi do povo nosso desejo de libertar da opressão, e da vergonha de assistir calados tudo o que esta acontecendo em nosso país.Felizmente o povo brasileiro nunca parou de lutar.
    Nosso heroi Tiradentes não é o mesmo das classes dirigentes, que encenam todos os anos em Ouro Preto farta distribuição de medalhas, agraciados os Silvério dos Reis de plantão, ai sim realizam verdadeiro esquartejamento do Alferes rebelde.
    A nação brasileira continua sob dominação estrangeira. A”derrama” continua, o governo tira recursos da saúde, previdencia, educação, moradia, saneamento e outras aréas sociais, para entupir o bolso dos banqueiros.Os cincos maiores bancos (BB,CEF,Bradesco,Itaú,Santander) apresentaram em 2011 um lucro líquido (recorde) de quase 51 bilhões, quase o total do montante do corte orçamentario executado por Dilma para seu segundo ano de gerençia (R$ 55 bilhões).Os cortes no orçamento federal, e também nos estaduais e municipais, ja estão ameaçando provocar uma crise institucional (de Estado) foi o que evidenciou na greve salarial, em fevereiro, das policias e bombeiros militaresda Banhia e do Rio de Janeiro que fazem parte da coluna vertebral do Estado e sustentama repressão contra os movimentos de luta pela terra e sobretudo contra as ocupações urbanas, como se evidenciou no massacre da desocupação de Pinheirinhos, SP e contra a ocupação de Tarumã em Mannaus AM, assim, como na crescente militarização das universidades estaduais e federais, como se vê na USP, na Unicamp, na UNIR de Rondonia e no Piaui.Diante desse quadro nós brasileiros patriotas, democratas e revolucionários, temos que sair da indiferencia e colocar-mos nossas vidas a serviço da independêcia de nossa patria, assim como fêz Tiradentes.

  21. Mauricio Ramon Dacal disse:

    “RARISSIMA” Como Os Dinossauros extinto…!

  22. Laerte Santos disse:

    É como se diz sempre a corda partedo lado mais fraco.

  23. Antonio Campos Monteiro Neto disse:

    É difícil aceitar que tenha havido camaradagem das tropas brasileiras para com os açougueiros alemães. É bom lembrar que a mentalidade deles estava moldada por uma longa campanha de fanatização e propaganda sobre a superioridade ariana e a necessidade de Lebensraum (espaço vital), que os levou a invadir países como a Polônia e a Rússia e exterminar a população eslava – 26 milhões de homens, mulheres e crianças. Sem falar dos judeus – 6 milhões -, cujo holocausto é bastante conhecido.

  24. EDVALDO TAVARES - Brasília/DF disse:

    HISTÓRIA SOBRE HERÓIS DA FEB (FORÇA EXPEDICIONÁRIA RASILEIRA)NO TEATRO DE GUERRA DA ITÁLIA DURANTE A II GRANDE GUERRA MUNDIAL (1939 – 1945)

    Por que a 148ª Divisão Alemã se entregou somente aos brasileiros na Itália?

    “Foi em abril de 1945. Os alemães tinham retraído da Linha Gótica depois da nossa vitória em Montese, e provavelmente pretendiam nos esperar no vale do rio Pó, mais ao Norte. Nosso Esquadrão de Reconhecimento, comandado pelo Pitaluga, os avistou na Vila de Collechio, um pouco antes do rio. A pedido do General fui ver pessoalmente e lá, por ser o mais antigo, coordenei a noite um pequeno ataque com o esquadrão e um pelotão de infantaria, sem intenção maior do que avaliar, pela reação, a força do inimigo. Sem defender efetivamente o local, os alemães passaram para o outro lado do rio e explodiram a ponte. Então observamos que se tratava de uma tropa muito maior do que poderíamos ter imaginado. Eram milhares deles e nós tínhamos atacado com uma dezena de tanques e pouco mais de cinquenta soldados”.

    “Informamos ao comando superior que o inimigo teria lá pelo menos um regimento. O comando, numa decisão ousada, pegou todos os caminhões da artilharia, encheu-os de soldados e os mandou em reforço à pequena tropa que fazia frente a tantos milhares.” – ” Considerei cumprida a minha parte e fui jantar com o Coronel Brayner, que comandava a tropa que chegara” prosseguiu Dionísio. “Durante a frugal refeição de campanha, apresentaram-se três oficiais alemães com uma bandeira branca, dizendo que vieram tratar da rendição. Fiquei de interprete, mas estava confuso; no início nem sabia bem se eles queriam se entregar ou se estavam pensando que nós nos entregaríamos, face ao vulto das tropas deles, que por sinal mantinham um
    violento fogo para mostrar seu poderio”.

    “Esclarecida a situação, pediram três condições: que conservassem suas medalhas; que os italianos das tropas deles fossem tratados como prisioneiros de guerra (normalmente os italianos que acompanhavam os alemães eram fuzilados pelos comunistas italianos das tropas aliadas) e que não fossem entregues à guarda dos negros norte-americanos”.

    “Esta última exigência merece uma explicação: a primeira vista parece racismo. Que os alemães são racistas é óbvio, mas porque então eles se entregaram aos nossos soldados, muitos deles negros? Bem, os negros americanos naquela época constituíam uma tropa só de soldados negros, mas comandada por oficiais brancos. Discriminados em sua pátria, descontavam sua raiva dos brancos nos prisioneiros alemães, aos quais submetiam a torturas e vinganças brutais. É claro que contra eles os alemães lutariam até a morte. Não era só uma questão de racismo”.

    “Eu perguntei ao interprete do lado alemão (nos entendíamos em uma mistura de inglês, italiano e alemão), por que queriam se render, com tropa muito superior aos nossos efetivos e ocupando uma boa posição do outro lado do rio. Ele me respondeu que a guerra estava perdida, que tinham quatrocentos feridos sem atendimento, que estavam gastando os últimos cartuchos para sustentar o fogo naquele momento e que estavam morrendo de fome. Que queriam aproveitar a oportunidade de se render aos brasileiros porque sabiam que teriam bom tratamento”.

    “Combinada a rendição, cessou o fogo dos dois lados. Na manhã seguinte vieram as formações marchando garbosamente, cantando a canção ‘velhos camaradas’, também conhecida no nosso Exército”.

    “A cerimônia era tocante” – prosseguiu Dionísio. “Era até mais cordial do que o final de uma partida de futebol. Podíamos ser inimigos, mas nos respeitávamos e parecia até haver alguma afeição. Eles vinham marchando e cada companhia colocava suas armas numa pilha, continuando em forma, e seu comandante apresentava a tropa ao oficial brasileiro que lhe destinava um local de estacionamento. Só então os comandantes alemães se desarmavam. A primeira Unidade combatente a chegar foi o 36º Regimento de Infantaria da 9° Divisão Panzer Grenadier. Seguiram-se mais de 14 mil homens, na maioria alemães, da 148° Divisão de Infantaria e da Divisão Bessaglieri Itália que os acompanhava”.

    “Entretanto houve um trágico incidente: Um nosso soldado, num impulso de momento, não se conteve e arrancou a Cruz de Ferro do peito de um sargento alemão. O sargento, sem olhar para o soldado, pediu licença a seu comandante para sair de forma, pegou uma metralhadora em uma pilha de armas a seu lado e atirou no peito do brasileiro, largou a arma na pilha e entrou novamente em forma antes que todos se refizessem da surpresa. Por um momento ninguém sabia o que fazer. Já vários dos nossos empunhavam suas armas quando o oficial alemão sacou da sua e atirou na cabeça do seu sargento, que esperou o tiro em forma, olhando firme para frente. Um frio percorreu a espinha de todos, mas foi a melhor solução” – Concluiu Dionísio.

    Ao ouvir esta história, eu já tinha mais de dez anos de serviço, mas não pude deixar de me emocionar. Não foram as tragédias nem as atitudes altivas o que mais me impressionaram. O que mais me marcou foi o bom coração de nossa gente, a magnanimidade e a bondade de sentimentos, coisas capazes de serem reconhecidas até pelo inimigo. Capazes não só de poupar vidas como também de facilitar a vitória. É claro que isto só foi possível porque os alemães estavam em situação crítica; noutro caso, ninguém se entregará só porque o inimigo é bonzinho, mas que a crueldade pode fazer o inimigo resistir até a morte, isto também é real. Na História Pátria podemos ver como Caxias, agindo com bondade, só pacificou, e como Moreira César, com sua crueldade, só incentivou a resistência até a morte em Canudos.

    O General Dionísio e o interprete alemão – Major Kludge, se tornaram amigos e se corresponderam até a morte do primeiro, no início dos anos 90. O General Mark Clark, comandante do 5° Exército norte-americano, ao qual a FEB estava incorporada, disse que foi um magnífico final de uma ação magnífica. Dionísio disse apenas que a história real é ainda mais bonita do que se fosse somente um grande feito militar.”
    Cel.Hiram Reis e Silva

    OBS.: O Coronel de Engenharia Hiran Reis e Silva do Glorioso Exército Brasileiro tem várias aventuras na Selva Amazônica Brasileira e é professor do Colégio Militar de Porto Alegre/RS.

    Esta é uma contribuição para a Seção Grandes Brasileiros do O&N.

    BRASIL ACIMA DE TUDO. SELVA!

    EDVALDO TAVARES – MÉDICO – DIRETOR EXECUTIVO DO SISTEMA RAIZ DA VIDA, http://www.raizdavida.com.br BRASÍLIA/DF

  25. Luiz Franco disse:

    Uma pessoa que dá a vida por uma causa perdida. Uma causa de grupos interessados em seus próprios interesses de classe. E que transformam seus ideais em moeda de troca. Essa pessoa, hoje, seria um idiota, não um herói.

  26. A. Paes de Almeida disse:

    Sobre o que diz o Dr. Edvaldo Tavares, de Brasília, sobre o povo brasileiro.

    O Sr. trouxe uma série de estereótipos sobre os brasileiros que dizem pouca coisa sobre nós. O que dizem é sobre a percepção de outras pessoas, com largos e exagerados traços que estão longe de descrever o povo brasileiro.

    Realmente não somos a terra dos papagaios. Nossa diversidade cultural e linguística é enorme. Tão importante como a nossa bio diversidade.

  27. Cinai disse:

    Bem, costumo dizer que gostamos de imitar os EUA.
    Então, Tiradentes e o restante do pessoal se entusiasmaram, com o exemplo de lá. Ou seja, a independência dos EUA.
    Imitou, mas, não foi bem sucedido.
    Também,hoje, se imita a metodologia de ensino, mas, os resultados também não são os mesmos.De lá.
    Talvez, devêssemos experimentar algo original…

  28. João Cirino Gomes disse:

    Em 21 de abril de 1792, Tiradentes foi executado!
    Trinta anos depois o Rei de Portugal monta a farsa de independência e colocando seu filho para proclama-la! Em 7 de setembro de 1822

  29. Peter Pablo Delfim disse:

    História no Brasil é um escandalo. De arrepiar. Serve apenas para contemplar interesses nem sempre muito claros. Mas, o terrível mesmo, é que continua assim ainda hoje. Uma vergonha.

  30. Davyd Wandell Xavier disse:

    Muito bem
    Combatentes da FEB devem ser lembrados
    por morrerem pela pátria
    eu conheço só um
    Fredolino Chimango
    Morto na Itália
    na segunda guerra

  31. lontra disse:

    @Eduardo,
    Este é o erro do cinema e seus mocinhos imortais. Heróis morrem pela pátria, caso do Tiradentes. A sua morte acelerou a independência, o que de fato não agradou a coroa. Trujillo deve achar Fidel e Che traidores. Tiveram ambos também um triste fim. Che morreu em outra luta na Bolívia e Fidel de heroi passou a tirano. Lula encurtou o caminho, não foi martir, não foi heroi, mas luta incansavelmente para ser o nosso Perón.

  32. denis disse:

    Tiradentes tinha barba e cabelos compridos mesmo?

  33. Vanessa disse:

    Isso não é totalmente verdade TIRADENTES não foi esse herói citado nesse texto

  34. Larissa disse:

    Eu não concordo com esse texto, nem se tem dados suficientes para saber como ocorreu a Inconfidência Mineira,ou melhor, o que deveria ocorrer. Por acaso, algum brasileiro aprendeu na escola o nome Cipriano Barata? Acho que não.
    Cipriano Barata foi líder da Inconfidência Baiana e muitos brasileiros até hoje nem sabe o que foi esse movimento. Ele, sim, deveria ser nosso herói, pois é digno de tal cargo. A maioria dos brasileiros não sabem que foram manipulados e tiveram incutidos na sua essência de cidadão um “herói” deplorável como Tiradentes.Sim, nós fomos e somos manipulados.Quais os motivos disso? Poder controlar a essência de cidadãos dos brasileiros por uma minoiria, ou seja, o grnade motivo é para nós, brasileiros, aceitemos tudo sem reclamar. Impostos pagos com sacrifício todo mês, sem obter nenhuma vantagem: onde está nossa educação( você pai de família tem que pagar escola particular para o seu filho), onde está nosso sistema de saúde(o pai de família tem que pagar convêncio médico), onde está nossa segurança(mais uma vez, pai de família tem que morar em condomínio fechado)? Eu, então, pergunto: onde está nosso dinheiro? Somos todos Tirandentes indo para a forca. Depois de tudo isso, sinto apenas pena e vergonha, como querem que eu sinta.

  35. hermes disse:

    legal,interessante!

  36. amrim tup disse:

    É a primeira vez que leio que tiradentes prentendia algumas reformas sociais tipo abolição
    A revolta dos alfaiates tinha mais propostas sociais e é totalmente esquecida ate pelo autor do texto atual.

  37. lais disse:

    eu quero figuras de monumento histórico do tiradentes.

  38. David disse:

    Tiradentes é um mito inventado pelos letrados do Centro-Sul. A contribuição dele para o Brasil não pode ser comparada a Frei Caneca.

  39. barbara disse:

    eu acho que tiradentes nao devia ser enforcado mas tem alguns que nao tem compaixao com os outros

  40. MARCIO JUNIOR disse:

    MUITO LEGAL E BOM MESMO BASTANTE COMPLETO SO QUERIA SABER O NOME DELE COMPLETO SEM SER JOAQUIM DA JOSE DA SILVA XAVIER

  41. juliana disse:

    GOSTEI MUITO ,FOI MUITO APROVEITOSO.E UMA HISTÓRIA MUITO BONITA,PENE QUE NEM TODOS GOSTAM DE RELEMBRAR A NOSSA HISTÓRIA.

  42. francieli souza disse:

    Eu achei estes textos muitos bons.
    Nos informam muitas coisas que ainda não conhecemos.
    Achei muito importante para nosso futuro, para nós sabermos dos nossos antepasados.

  43. EDVALDOTAVARES disse:

    VITAL BRAZIL MINEIRO DA CAMPANHA – MERECE SER LEMBRADO POR OPINIÃO E NOTÍCIA. É uma modesta sugestão que acredito, salvo não existir nada em contrário, ser merecedora de avaliação. Vital Brazil é uma glória científica na história da medicina brasileira que merece compor a honrosa galeria de "Grandes Brasileiros". "BRASIL ACIMA DE TUDO". MÉDICO. bRASÍLIA/DF.

  44. Mariana Pereira disse:

    Eu queria saber + sobre a conjuração Mineira.
    Amo vcs.

  45. Marinalva disse:

    É uma pena que na história do nosso país não se valorise os heróis simples, nascidos no meio do povo. E que para ser herói tenha-se que nascer em berço de ouro.Mas como professora de história tenho como obrigação ensinar o que está nos livros,omitindo a verdade. Tiradentes sendo verdadeiro ou não, é um herói do qual devemos nos orgulhar.

  46. EDVALDO TAVARES disse:

    O QUE A CIÊNCIA DIZ DA EXISTÊNCIA DOS TRAMBIQUEIROS DO CONY – A maneira de ser do povo brasileiro, diferente dos demais da totalidade do mundo, sempre desperta curiosidade, talvez, mais, para os próprios brasileiros. O jeitão, o jeitinho, a ginga, a malandragem, a manimolência, a tendência a querer dar a volta em alguém, a saída de banda, o papo de cerca Lourenço, o atirar-se de cabeça quando a situação está mole, o empurrar com a barriga quando tudo está difícil, o entrar de lado quando as circunstâncias requerem sutilezas, o quebra-galho quando há necessidade de auxílio, e as demais características brasilianas, a ciência anda à cata de descobertas. A curiosidade sobre esses traços ímpares da personalidade, pertencentes somente ao brasileiro, chegou a tal ponto que além de escritores, jornalistas, historiadores, o Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp, a USP, a Universidade de Minas Gerais, a Universidade Federal Fluminense e demais, querem saber porque o brasileiro tem essa cara – os cientitstas estão morrendo de curiosidade. A cara do BRASIL, quanto ao papo, é devido ao tupi que, por não ter sido uma língua escrita, tudo tinha de ser resolvido na conversa – e tinha que haver muito bom papo. O rastreamendo genético realizado no DNA acrescentou informações do nosso jeitão – talvez tenha um gene da exclusividade brasileira. Walt Disney com o Zé Carioca, o papagaio bom de papo, popularizou a nossa ginga e malandragem. Quanto às leis, criadas pelas classes privilegiadas e ricas, atingiam os mais carentes, que para sobreviverem, sem serem presos como transgressores, tinham que dar um jeitinho para superar as suas restrições – houve necessidade de criação de enxurradas de jeitinho. Dessa miscelânea, aperfeifeiçoada durante 507 anos, surgiu, o mais inteligente, o mais criativo e o de maior jogo de cintura, “O POVO BRASILEIRO”. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  47. Tatiane disse:

    adorei achei super interesante espero que todos leiam !!!

  48. isabelle disse:

    foi otimo o escritor esta de parabens beijos deixe mensagens para mim no meu email por favor

  49. bruno disse:

    eu achei muito interesante

  50. EDVALDO TAVARES disse:

    TIRADENTES É O ÚNICO HERÓI BRASILEIRO QUE TEM FERIADO NACIONAL. Em 21 de abril de 1960, dia de Tiradentes, foi inaugurada Brasília, a atual capital da República Federativa do BRASIL. Tiradentes é o Patrono Cívico do BRASIL e, o largo da Lampadosa ou Lampadário ou Campo de São Domingos, no Rio de Janeiro, onde foi enforcado, se chama atualmente de Praça Tiradentes. Tiradentes recebeu muitas homenagens além das citadas. É nome de cidades e de unidades militares do Glorioso Exército Brasileiro e Polícias Militares. Muitas estátuas foram erguidas para o herói, basta apenas fazer uma pesquisa na internet, nos livros de História do BRASIL, nos museus históricos e nas bibliotecas. Há um número incontável de fontes que podem fornecer informações sobre o Patrono Cívico da Nação Brasileira. Durante os três longos anos de prisão, enquanto aguardavam a sentença, surgiram os conflitos entre os conjuradores. Uns resistiram aos interrogatórios, outros cederam. José Álvares Maciel, teórico do movimento, em várias sessões de interrogatórios declara-se inocente e atribui toda a culpa aos demais conjurados. Maciel acusa que o instigador de tudo fora Tiradentes. Alvarenga Peixoto inventa que Tiradentes era estúpido e que as reuniões dos conjuradores eram cenas depravadas. Tiradentes era um excelente comunicador, bom orador e muito organizado, habilidades que o fizeram líder da Conjuração Mineira. Pouco antes de ser enforcado, as últimas palavras de Tiradentes, o herói que ofertara a sua vida pela liberdade do BRASIL, traído, foram: “Jurei morrer pela Independência do Brasil, cumpro a minha palavra! Tenho fé em Deus e peço a Ele que separe o Brasil de Portugal”. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASILIA/DF.

  51. jonathan taborda de aguiar disse:

    Gostaria de perguntar porque não se tem informações depois da morte de Tiradentes e qual título ele recebeu?

  52. EDVALDO TAVARES disse:

    UM POUCO MAIS SOBRE TIRADENTES – O MÁRTIR QUE DOOU A VIDA POR UM BRASIL INDEPENDENTE. Nascido (1746-1792) na Fazenda do Pombal, entre as cidades de Tiradentes, antes chamada de São José, e São João del Rei, MG. Filho de um pequeno fazendeiro, Joaquim José da Silva Xavier, foi mascate, médico e dentista práticos, e pesquisador de minerais – apesar de não ter tido uma formação educacional regular. Ficou conhecido como dentista prático – extraia com habilidade e substituia os dentes por outros confeccionados por ele, daí o cognome de Tiradentes. Em 1780, alistou-se na tropa da Capitania de Minas Gerais e em 1781 foi nomeado pela rainha Dona Maria I, comandante da patrulha do Caminho Novo, cuja função era garantir o transporte do ouro e dos diamantes extraídos da capitania pela estrada que se dirigia ao Rio de Janeiro. Nessa época, começou a criticar a exploração dos recursos minerais brasileiros por Portugal, não concordando com o enriquecimento da metrópole enquanto o povo permanecia pobre. Descontente por não conseguir promoção na carreira militar, permanecendo como alferes (segundo-tenente), licenciou-se da cavalaria em 1787. Enquanto no posto de segundo-tenente, serviu ao Regimento de Dragões de Minas Gerais, onde comandou uma patrulha de ronda do mato com a finalidade de prender ladrões e assassinos [Obs.: em minha pesquisa nas fontes históricas, observei que alguns historiadores relatam a fase militar de Tiradentes como “comandante da tropa encarregada da proteção das riquezas transportadas” e outros como “encarregado da missão de prender ladrões e assassinos”, talvez esta de pender os foras-da-lei, seja uma represália dos comandantes ao seu espírito revolucionário]. Com a experiência adquirida em mineração tornou-se técnico em reconhecimento de terreno e na exploração de seus recursos. Trabalhou também para o governo no reconhecimento e levantamento do sertão brasileiro. Quando morou durante um ano na capital do BRASIL, Rio de Janeiro, desenvolveu projetos de canalização dos rios Andaraí e Maracanã para melhoria do abastecimento de água, porém, não teve os seus projetos aceitos, o que contribuiu para o aumento do seu desejo de liberdade para a colônia. Ao voltar para Minas Gerais, começou a pregar a independência do BRASIL em Vila Rica e arredores. Organizou um movimento composto de pessoas do clero e de certa projeção social. O reforço ideológico foi adquirido com a independência das colônias americanas e a formação dos Estados Unidos, que se livrara do domínio inglês, em 1776. Fatores regionais, econômicos, o declínio da mineração do ouro, a insatisfação dos moradores que não conseguiam cumprir o pagamento de 100 arrobas anuais, juntamente com o entusiasmo dos jovens brasileiros que retornaram da Europa, onde tinham ido estudar, impregnados com as idéias iluministas de liberdade. Militares, escritores e poetas famosos, sacerdotes e magistrados, também se juntaram na articulação pela libertação do BRASIL, do jugo português, e da proclamação da República. Todos, visavam a abolição imediata da escravatura, a construção de uma universidade, o desenvolvimento da educação para o povo, e reformas sociais de interesse para a coletividade. Joaquim Silvério dos Reis, coronel, simulando simpatia e companheirismo pelo movimento, denunciou-os ao Visconde de Barbacena. Tiradentes foi preso numa casa de um amigo, onde se escondera, na Rua dos Latoeiros (atual Gonçaves Dias) por Joaquim Silvério dos Reis que, a mando do Visconde de Barbacena, o acompanhara em todos os passos, então, sabendo ode se encontrava. O coronel, por sua delação, entre outros benefícios, recebeu o título de Fidalgo. O movimento da conjuração mineira nem foi posto em prática, apenas permaneceu, durante pouco tempo, e morreu nos ideais dos cojuradores. A traíção cometida pelos portugueses – Coronel Joaquim Silvério dos Reis, tenente-coronel Basílio de Brito Malheiro do Lago e o açoriano Inácio Correia de Pamplona – em troca do perdão de suas dívidas com a Fazenda Real, o mais vil dos atos humanos, pôs fim o sonho de um punhado de idealistas. Tiradentes, a princípio, negou a sua participação na conspiração, depois, “ASSUMIU TOTALMENTE A RESPONSABILIDADE PELO MOVIMENTO E INOCENTOU TODOS OS SEUS COMPANHEIROS”. Presos, todos aguardaram durante três anos pela finalização da sentença. Alguns foram condenados a morte e outros ao degredo. Posteriormente, a rainha D. Maria I, alterou todas as penas para degredo com excessão a de Tiradentes. Na manhã de sábado de 21 de abril de 1792, em procissão dirigiu-se – as ruas todas engalanadas no centro da cidade – ao patíbulo, percorrendo o trajeto entre a cadeia pública e o largo da Lampadosa, atual Praça Tiradentes, onde se encontrava armado o palanque da execução, destacado-se a sinistra forca. Com o seu sangue foi lavrada a certidão de que a sentença fôra cumprida e declarada infame a sua memória. As partes do corpo que fôra esquartejado foram distribuídas ao longo do Caminho Novo: Cebolas, Varginha do Lourenço, Barbacena e Queluz (antiga Carijós) – locais onde fizera seus discursos revolucionários. A sua casa foi destruída e seus descendentes foram considerados infames. Tiradentes não casou mas teve dois filhos, João e Joaquina. Após a Independência do BRASIL, por Dom Pedro I e Pedro II, neto e bisneto de Dona Maria I que o condenou a morte, pertencentes a linha masculina da Casa de Bragança, Tiradentes permaneceu relativamente na obscuridade. Sua imagem foi resgatada, de forma exagerada – assemelhando-se a Jesus Cristo -, pelos ideólogos positivistas que participaram da fundação da República. Tiradentes é Patrono Cívico Nacional e 21 de abril é feriado brasileiro. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  53. jessica disse:

    muito bom

  54. jessica disse:

    muito bom

  55. EDVALDO TAVARES disse:

    TIRADENTES ERA DE ORIGEM MODESTA, MAS NÃO, UM QUALQUER – ERA SEGUNDO-TENENTE E TINHA UMA CARREIRA NO OFICIALATO PELA FRENTE. Trecho publicado NO HAHR licenciado pela Duke University Press para o JSTOR: “The uncertainty of the times played into the hands of a small group of malcontents who were toying with the idea of the political emancipation of Minas Gerais. Far some time past a number of highly-placed citizens of the captaincy, laymen as well as priests, led by a second lieutenant in the army, Joaquim José da Silva Xavier, popularly known as Tiradentes, had been discussing the possibility of un uprising designed to bring about the end of Portuguese rule”. O texto em inglês, não traduzido, para que a idéia contida não fosse distorcida e assim ficar à juízo da interpretação de qualquer leitor. Tiradentes, conforme confirmação no contido do extrato daquela Universidade dos EUA era um oficial da elite do Exército e era também líder do movimento. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  56. EDVALDO TAVARES disse:

    TIRADENTES ERA DE ORIGEM MODESTA, MAS NÃO, UM QUALQUER – ERA SEGUNDO-TENENTE E TINHA UMA CARREIRA NO OFICIALATO PELA FRENTE. Trecho publicado NO HAHR licenciado pela Duke University Press para o JSTOR: “The uncertainty of the times played into the hands of a small group of malcontents who were toying with the idea of the political emancipation of Minas Gerais. Far some time past a number of highly-placed citizens of the captaincy, laymen as well as priests, led by a second lieutenant in the army, Joaquim José da Silva Xavier, popularly known as Tiradentes, had been discussing the possibility of un uprising designed to bring about the end of Portuguese rule”. O texto em inglês, não traduzido, para que a idéia contida não fosse distorcida e assim ficar à juízo da interpretação de qualquer leitor. Tiradentes, conforme confirmação no contido do extrato daquela Universidade dos EUA era um oficial da elite do Exército e era também líder do movimento. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  57. EDVALDO TAVARES disse:

    A CONJURAÇÃO MINEIRA-1789; LIVRO DE HISTÓRIA GERAL E DO BRASL – CLAUDIO VICENTINO E GIANPAOLO DORIGO. Editora Scipione, 2002, capítulo 25, páginas 312,313 e 322 – A Conjuração Mineira. “Entre os mais ativos desse grupo destacavam-se os poetas Cláudio Manuel da Costa, Inácio José de Alvarenga Peixoto e Tomás Antônio Gonzaga, os padres José de Oliveira Rolim, Carlos Correia de Toledo e Melo e Manuel Rodrigues da Costa, o tenente-coronel Francisco de Paula Freire Andrade, os coronéis Domingos de Abreu e Joaquim Silvério dos Reis e o alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido como Tiradentes, um dos poucos, participantes de origem modesta e responsável pela divulgação do movimento junto ao povo. Os rebeldes reivindicavam um governo republicano, tomando a constituição dos Estados Unidos como modelo,…” Várias foram as motivações que deram origem ao fracassado movimento, sendo que, “alguns recém-chegados da Europa, onde haviam tido contato com as idéias revolucionárias iiluministas – a se reunir secretamente em Vila Rica, conspirando contra o governo português e preparando uma insurreição”. Encontra-se também no livro o significado de que o “herói que se preze tem de que ter,de algum modo, a cara da nação” e Tiradentes tem. Complementa que “tem de responder a alguma necessidade de aspiração coletiva, refletir algum tipo de personalidade ou comportamento que corresponda a um modelo coletivamente valorizado. Na ausência de tal sintonia, o esforço de mitificação de figuras políticas resultará vão. Os pretendidos heróis serão, na melhor das hipóteses, ignorados pela maioria e, no pior, ridicularizados”. Tiradentes responde à aspiração do povo, não é ignorado e nem ridicularizado, é amado e tem a cara da nação. “Mesmo negando a participação na conspiração, os demais envolvidos foram condenados ao desterro nas colônias portuguesas da África. 'APENAS TIRADENTES ASSUMIU INTEGRALMENTE A RESPONSABILIDADE' pela conspiração e foi condenado à morte. Enforcado em 21 de abril de 1792, no Campo de São Domingos, Rio de Janeiro, teve seu corpo esquartejado e seus membros distribuídos pelas cidades onde estivera buscando apoio. Sua cabeça foi exposta publicamente em Vila Rica a fim de intimidar possíveis conspiradores e evitar novas rebeliões”. O pintor Pedro Américo-1893 retratou Tiradentes esquartejado como simbolizando o sangue e o corpo do redentor que morrera pela nação. Portanto, Tiradentes é Herói Brasileiro. Solicito a gentileza a Sra. Maiara para que mencione a fonte histórica que a inspirou no seu comentário de que “Tiradentes foi um pobre alferes que aspirava riqueza que teve a infelicidade de não ter a sua pena comutada em exílio para outras colônias…” “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  58. EDVALDO TAVARES disse:

    A CONJURAÇÃO MINEIRA-1789; LIVRO DE HISTÓRIA GERAL E DO BRASL – CLAUDIO VICENTINO E GIANPAOLO DORIGO. Editora Scipione, 2002, capítulo 25, páginas 312,313 e 322 – A Conjuração Mineira. “Entre os mais ativos desse grupo destacavam-se os poetas Cláudio Manuel da Costa, Inácio José de Alvarenga Peixoto e Tomás Antônio Gonzaga, os padres José de Oliveira Rolim, Carlos Correia de Toledo e Melo e Manuel Rodrigues da Costa, o tenente-coronel Francisco de Paula Freire Andrade, os coronéis Domingos de Abreu e Joaquim Silvério dos Reis e o alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido como Tiradentes, um dos poucos, participantes de origem modesta e responsável pela divulgação do movimento junto ao povo. Os rebeldes reivindicavam um governo republicano, tomando a constituição dos Estados Unidos como modelo,…” Várias foram as motivações que deram origem ao fracassado movimento, sendo que, “alguns recém-chegados da Europa, onde haviam tido contato com as idéias revolucionárias iiluministas – a se reunir secretamente em Vila Rica, conspirando contra o governo português e preparando uma insurreição”. Encontra-se também no livro o significado de que o “herói que se preze tem de que ter,de algum modo, a cara da nação” e Tiradentes tem. Complementa que “tem de responder a alguma necessidade de aspiração coletiva, refletir algum tipo de personalidade ou comportamento que corresponda a um modelo coletivamente valorizado. Na ausência de tal sintonia, o esforço de mitificação de figuras políticas resultará vão. Os pretendidos heróis serão, na melhor das hipóteses, ignorados pela maioria e, no pior, ridicularizados”. Tiradentes responde à aspiração do povo, não é ignorado e nem ridicularizado, é amado e tem a cara da nação. “Mesmo negando a participação na conspiração, os demais envolvidos foram condenados ao desterro nas colônias portuguesas da África. 'APENAS TIRADENTES ASSUMIU INTEGRALMENTE A RESPONSABILIDADE' pela conspiração e foi condenado à morte. Enforcado em 21 de abril de 1792, no Campo de São Domingos, Rio de Janeiro, teve seu corpo esquartejado e seus membros distribuídos pelas cidades onde estivera buscando apoio. Sua cabeça foi exposta publicamente em Vila Rica a fim de intimidar possíveis conspiradores e evitar novas rebeliões”. O pintor Pedro Américo-1893 retratou Tiradentes esquartejado como simbolizando o sangue e o corpo do redentor que morrera pela nação. Portanto, Tiradentes é Herói Brasileiro. Solicito a gentileza a Sra. Maiara para que mencione a fonte histórica que a inspirou no seu comentário de que “Tiradentes foi um pobre alferes que aspirava riqueza que teve a infelicidade de não ter a sua pena comutada em exílio para outras colônias…” “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  59. Maiara disse:

    Eu achei interessante a colocação do Eduardo.
    Mas, infelizmente o que houve foi a criação de um herói. Quando houve a Proclamação da República, conseqüentemente, houve a necessidade de formentar ,ou até mesmo, criar uma identidade nacional, a brasilidade. A Inconfidência Mineira NÃO foi liderada por Tiradentes, ele foi simplesmente um pobre alferes que aspirava riqueza que teve a infelicidade de não ter sua pena comutada em exílio para outras colônias como os demais que “coincidentemente” eram ricos. E a Inconfidência Mineira claramente era um movimento emancipacionista que tinha por objetivo libertar a elite dos altos impostos, mas não os pobres da miséria ou os escravos de sua condição degradante. Esse é o movimento que Tiradentes participou.
    Devemos rever nossos conceitos e principalmente não acreditar em tudo que nos dizem sem antes exercitarmos nossa busca por conhecer o real, buscando várias fontes para pesquisa e principalmente enquadrar fatos dentro de nossos conceitos.

  60. Maiara disse:

    Eu achei interessante a colocação do Eduardo.
    Mas, infelizmente o que houve foi a criação de um herói. Quando houve a Proclamação da República, conseqüentemente, houve a necessidade de formentar ,ou até mesmo, criar uma identidade nacional, a brasilidade. A Inconfidência Mineira NÃO foi liderada por Tiradentes, ele foi simplesmente um pobre alferes que aspirava riqueza que teve a infelicidade de não ter sua pena comutada em exílio para outras colônias como os demais que “coincidentemente” eram ricos. E a Inconfidência Mineira claramente era um movimento emancipacionista que tinha por objetivo libertar a elite dos altos impostos, mas não os pobres da miséria ou os escravos de sua condição degradante. Esse é o movimento que Tiradentes participou.
    Devemos rever nossos conceitos e principalmente não acreditar em tudo que nos dizem sem antes exercitarmos nossa busca por conhecer o real, buscando várias fontes para pesquisa e principalmente enquadrar fatos dentro de nossos conceitos.

  61. EDVALDO TAVARES disse:

    CLÁUDIO MANUEL DA COSTA (1729-1789) – O OUTRO MÁRTIR DA INCONFIDÊNCIA MINEIRA. Advogado e poeta nascido em Mariana, MG, foi encontrado morto na prisão e a sua morte na versão oficial foi atribuída à suicídio. Um livro de 1911, Igrejas e Irmandades de Ouro Preto, do historiador Joaquim Furtado de Menezes, constituiu-se em peça histórica importante para o esclarecimento da misteriosa morte de Cláudio Manuel da Costa na prisão. O poeta e advogado inconfidente, não se suicidou, ele foi assassinado. O provável mandante foi Luis Antônio Furtado de Mendonça (1754-1806), o Visconde de Barbacena, que foi governador de Minas Gerais. O livro relata que o médico português Caetano José Cardoso (1749-1826) foi um dos responsáveis pelo laudo cadavérico do inconfidente. Cláudio foi morto porque sabia demais e o Visconde de Barbacena, cujo o envolvimento com o movimento inconfidente é pouco conhecido, era sobrinho do vice-rei Luis de Vasconcelos que estava responsável pelo processo contra os inconfidentes. Barbacena, nascido em Lisboa, temia ser incriminado se o poeta fosse ouvido pelo vice-rei no Rio de Janeiro. Cláudio Manuel da Costa, advogado e poeta, foi mais um herói traído que morreu pela causa de um BRASIL independente. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  62. EDVALDO TAVARES disse:

    CLÁUDIO MANUEL DA COSTA (1729-1789) – O OUTRO MÁRTIR DA INCONFIDÊNCIA MINEIRA. Advogado e poeta nascido em Mariana, MG, foi encontrado morto na prisão e a sua morte na versão oficial foi atribuída à suicídio. Um livro de 1911, Igrejas e Irmandades de Ouro Preto, do historiador Joaquim Furtado de Menezes, constituiu-se em peça histórica importante para o esclarecimento da misteriosa morte de Cláudio Manuel da Costa na prisão. O poeta e advogado inconfidente, não se suicidou, ele foi assassinado. O provável mandante foi Luis Antônio Furtado de Mendonça (1754-1806), o Visconde de Barbacena, que foi governador de Minas Gerais. O livro relata que o médico português Caetano José Cardoso (1749-1826) foi um dos responsáveis pelo laudo cadavérico do inconfidente. Cláudio foi morto porque sabia demais e o Visconde de Barbacena, cujo o envolvimento com o movimento inconfidente é pouco conhecido, era sobrinho do vice-rei Luis de Vasconcelos que estava responsável pelo processo contra os inconfidentes. Barbacena, nascido em Lisboa, temia ser incriminado se o poeta fosse ouvido pelo vice-rei no Rio de Janeiro. Cláudio Manuel da Costa, advogado e poeta, foi mais um herói traído que morreu pela causa de um BRASIL independente. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  63. Thalyta de M .A. disse:

    Achei muito, bom eu também estou escrevendo um livro, está ficando um livro muito bom, com conteudo e tudo mais é super legal, espero que um dia, fique tão conhecida como a senhora Maria Clara Machado

  64. EDVALDO TAVARES disse:

    POVO SEM HERÓI É POVO SEM MEMÓRIA – FACILMENTE VENCÍVEL. Marco Túlio Cícero, cônsul romano, conhecido como o Demóstenes romano, famoso pelos discursos contra Verres (“Verrinas”) e contra Catilina (“Catilinárias”), 106 a.C. – 43 a.C., disse: “Não saber o que aconteceu antes de termos nascido é permanecer eternamente uma criança. Pois de que vale uma vida humana se não estiver entrelaçada à vida de nossos antepassados, através dos registros da História?”. De acordo com Cícero, grande orador romano, de que vale viver e ser rotulado como ser humano estacionado em qualquer parte do mundo desconhecendo a história dos seus antepassados e os fatos ocorridos que permitiram o estacionamento em um lugar qualquer? A História do BRASIL é rica de heróis e de fatos históricos, basta pesquisar nas verdadeiras fontes de informação. O gigantismo territorial, a preservação de sua integridade e, a comunicação com conseqüente compreensão através do uso de uma só lingua (portugês/brasileiro) nos quatro cantos de uma imensidão de 8.547.403 quilômetros quadrados – quarto maior país do mundo em extensão territorial contínua -, só foi possível graças a saga de nossos heróis. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  65. EDVALDO TAVARES disse:

    TIRADENTES É UM HERÓI BRASILEIRO – Um instrumento de comunicação é democrático quando permite manifestação livre, mesmo que seja estruturada em asneira. Este fórum é tolerante com a asneira. O reconhecimento de um ato de heroismo é quando é relevante para uma coletividade, independente do resultado. Herói é o praticante do ato. TIRADENTES é um herói brasileiro. TIRADENTES é um modelo a ser seguido por todos os brasileiros. Infelizmente o BRASIL sofre de duas doenças crônicas. Uma é moral, está infestado de traidores e corruptos e, outra é sócio-cultural, a pululação de pobres ignorantes. Felizmente, vê-se atualmente com mais freqüência manifestações de brasilidade. A bandeira brasileira está hasteada em variados lugares. Empresas têm estampado o símbolo nacional na blusa de seus funbcionários e é maior o número de pessoas que expressam o orgulho de ser brasileiro. “BRASIL ACIMA DE TUDO”. EDVALDO TAVARES. BRASÍLIA/DF.

  66. benny Khossa disse:

    essa discussão sobre heroi é mesmo controversa. eu não sou brasileiro (sou moçambicano), e entrei neste site para colher subsidios para um debate semelhante que há nestes dias em moçambique. Que é quem é e quem não é herói. mas em parte eu concordo com o E duardo quando diz que nõs dias que correm não há heróis absolutos, porém um reparo deve ser feito: É impossível agradar a gregos e troianos. pressisa-se de heróis, não temos forçosamente que encontrar figuras de absoluto reconhecimento, mas sim alguma que reuna certo consenso e, na falta deste, quem tem o ceptro, a coroa ou a dianteira constitucional dita que é e quem não é herói. isso faz-me lembrar a telenovela zeca diabo quando o prefeito Odorico dava nome da mãe as ruas do seu municipio.

  67. MARILEI DIAS disse:

    O BRASIL FICOU DEVENDO MAIS CONSIDERAÇÃO PARA COM TIRADENTES… ELE FOI O MAIOR HERÓI BRASILEIRO

  68. Joao Evaldo de Oliveira disse:

    O conceito, o rótulo de herói ou vilão; herói ou traidor depende muito da ótica do observador e de qual lado ele se encontre. Particularmente, como nunca irei concordar com a apropriação indevida de nossas riquezas pelos portugueses (à época do Brasil Colônia), prefiro considerar Tiradentes mais como herói traído que vilão.

  69. Eduardo disse:

    É… de fato, se seguirmos a minha teoria do “herói absoluto” ao pé da letra, nem o Super-Homem e um herói, afinal Lex Luthor, seu arqui-inimigo, o odeia. Quando eu levantei essa questão não esperava ser levado tão ao pé da letra. Queria apenas sacudir um pouco essa idolatria por uns personagens históricos que nossos livros de colégio costumam glorificar ou mitificar sem necessidade. Tiradentes é um exemplo clássico dessa romantização exagerada da história para fins didáticos. Afinal, temos que mostrar a história de algum herói brasileiro para nossos filhos, nem que seja meio inventado.

  70. Flávio disse:

    O “herói” da república, Tiradentes, não passou de um falastrão, beberrão, mal dentista, mal comerciante, mal contrabandista de metais e pedras preciosas, mal amante, mal pai, mal alferes, mal inconfidente, mal brasileiro… chegando a ser evitado pelos demais inconfidentes, como Alvarenga Peixoto, Cláudio Manoel e Tomás Gonzaga. Tiradentes não passou de um panfleteiro na inconfidência, que aliás, assim como Tiradentes, ela não valeu nada. Não tinha objetivos concretos quanto à abolição da escravatura, a justiça e igualdade social, tampouco a independência do Brasil, sendo que questionavam apenas o rompimento de Minas, Rio de Janeiro e São Paulo. Para refletir, “nosso maior compatriota de todos os tempos”, foi criação da ditadura militar, através do Dec. de 1965, do ditador Castelo Branco. Como diziam em Vila Rica na época do movimento: “Levante, só se for de putas.”

  71. Francielli disse:

    Uma pequena observação:
    Fiz um seminário sobre o caso de Tiradentes e consultei alguns historiadores,e as opniões são diversas. A verdade é que a causa de Tiradentes foi utilizada pelos proclamadores da república, o que muitos acreditam ser o motivo de Tiradentes ser um herói de ocasião. Talvez seja verdade, mas acredito em suas intenções pois Tiradentes foi o único “líder” da inconfidência que não tinha muito dinheiro, ele lutou pela sua causa, foi preso e não entregou nenhum de seus companheiros. Seu objetivo, provavelmente, era que a inconfidência não acabasse, ou seja, morreu pela sua causa. Claro que a Inconfidência não pensava apenas nos pobres, afinal, a maioria de seus integrantes eram pessoas de posses que estavam incomodados com a pressão de Portugal com a cobrança de altos impostos. Mas eles sonhavam com um Brasil independente, que andasse com suas próprias pernas, e pensando nisso, Tiradentes tem sua credibilidade apesar de ser um símbolo utilizado mais tarde para certos interesseiros conquistarem o carisma do povo.

  72. Amanda disse:

    Tiradentes foi sim um exemplo de herói nacional , porque lutou pela liberdade, autoridade e direitos iguais a todos. “Corria” atrás de um mundo melhor regido pelos princípios da razão, com menos conflitos e injustiças sociais e no qual todos pudessem expressar livremente seus pensamentos (isso, pela influência do iluminismo).

  73. Denilson disse:

    Eduardo. Lamentável vc achar que os heróis dos outros são melhores do que os nossos. Mais lamentável vc achar, ainda, que só é herói aquele que pode assim ser chamado por todas as culturas e sob todos os pontos de vista. Estuda um pouco, rapaz. E leia, leia muito mais!!!!!!!!!!!!

  74. Sandra da Rosa Lorenz disse:

    Gostei do artigo, e tenho q concordar q somos um povo q não valoriza seus heróis, parece q os “contra-valores” nos são mais caros, infelizmente. Como exemplo cito os Ex-combatentes da FEB, sem dúvida nossos heróis, que até hoje penam as consequências da guerra, mas, principalmente da volta dela, qndo foram aplaudidos por um momento e esquecidos pelo resto do tempo… lamentável.

  75. Pricila disse:

    Eu nao gostei do que foi escrito, esperava algo que falasse que Tiradentes nao foi heroi, e isso nao aconteceu. Se pudessem, escrevam algo que fale que Tiradentes nao foi heroi, e o porque dele nao ter sido heroi. Obrigada.

  76. jorge oliveira quilombo disse:

    eu,candidato a deputado federal quilombo 4517 psdb sp,herói negro afro-descenente ao contrario de muitos do meu partido ,sou afavor das cotas na educação no mercado de trabalho etc,e reparações e indenização para meu povo,construimos a riqueza do Brasil o paraiso para todos os povos mundo que veram para ca menos para nós , os judeus foram indenizados por dez anos de seus martirios ,e porque não nos pelos 400 anos, o Ali kamel o fantoche da Globo me chamou de louco irresponsavel,mas eu pergunto se os perseguidos politicos vão receber mais 2 bilhões reais do dinheiro publico
    porque nós não. milhares de jovens negros são condenados ilegalmente, perseguidos, espancados mortos,chacinados etc, é interessante os nazistas e facistas querim cabar com os judeus e este odeiam estes ,mas na hora dos direitos dos negros se unem contra nós. ea um cinismo resto que ve mas faz quenão ve .eu digo [queenguanto não ouver justiça socila economica em favor dos nrgros afro-descendente não havera paz neste pais].DIZEM QUE EU SOU FIGURA RARA,e ai tu acha.

  77. Francielli disse:

    Pelo o que eu li, a solução parece simples, indico a todos que procurem a definição de herói. Não encontrei nada que falasse sobre aprovação do mundo todo. Outra coisa, o leitor Eduardo citou “Cristo” entre outros também considerados heróis, mas mesmo que conhecidos no mundo todo, não são todos que consideram eles como heróis, o que fura sua teoria. Concordo com a parte do pai de familia ser um herói, mas isso também fura sua teoria, pois um pai de familia herói será assim considerado pela sua familia e alguns conhecidos….Apropósito, martírio advém de “heroísmo que resulta em auto sacrifício”, o que se encaixa na história de Tiradentes…

  78. Marcio Fernando Barci disse:

    Concordo com Eduardo e achei barata a colocação da leitora que disse elepretender ser herói.
    O tiradentes foi o 'laranja' da hora – sómente tornou-se heroi e conhecido no inicio doas anos 1900, quando após a republica, fizeram-se necessários alguns 'heróis'… Acharam ele!
    Como postou o Zadik – pobre povo (Brecht) – a coisa não mudou muito desde então!
    O Lullalonge é o maior farsante que esse País ja teve, mas esperto como pulga de bordel – gasta o dinheiro da Saude (para tratar os rotos) e o distribui aos esfarrapados no mensalinho eleitoreiro.
    Usa o recurso do inimigo feito de amigo ( os rotos) e arregimenta todos os esfarrapados pela miséria de R$50 por mes… e ainda batem palma.
    Mas ele merece essas palmas pois usou a força do inimigo para derrotá-lo e eleger-se 'eroi' dos esmulambados q

  79. Fernando disse:

    Certamente o caro Eduardo bem que gostaria de ser noso ´´herói“nacional, com feriado e uma parada(risos).

  80. Almirante Negro disse:

    Só para complementar, lamentável também que considere apenas o “pai de família de classe média brasileiro” como herói. Herói é aquele pai de família que a sustena e a mantém unida de forma honesta e digna ganhando menos da metade de um salário mínimo. Mas para os “wannabe” da classizinha medíocre média brasileira, que ama os ricos e deles se tornam capachos, essa classe sim é a de heróis…

  81. Eliete disse:

    Eduardo se tiradentes foi ou ñ foi heroi pra vc isso é um problema so seu ,o que eu sei é que sou descendente de tiradentes e ele pra mim e muitos brasileiros é e sera heroi ate breve…

  82. Milton Zadik disse:

    triste do povo que precisa de heróis (B.Brecht)

  83. Eduardo disse:

    Então não existem heróis puros? Certamente que sim. De Moisés aos astronautas, passando por Cristo, Gandhi, Buda, etc não é difícil reconhecer heróis que não precisaram matar, humilhar ou chefiar revoluções violentas para virarem heróis.
    Mas, pra falar a verdade, nem precisamos ir muito longe pra encontrar um herói. Qualquer pai de família honrado de classe média brasileira é um herói em seu universo familiar.

  84. Elisio Gomes Filho disse:

    Bom, faz-se necessário esclarecer que “Tiradentes” e seu grupo tinham como objetivo primordial a emancipação das Minas Gerais e não do Brasil. E se caso houvesse a independência daquela região região e de outras, a questão da escravidão ficaria na mesma, ou seja, a elite econômica e social mineira, teria interesse em mantê-la por causa da extração aurífera.

  85. Luciana Mares disse:

    E será, Eduardo, que é possível alguém ser reconhecido em TODOS os cantos do mundo como herói? Todos têm falhas, todos erram, todos têm o seu lado bom e o ruim, não acho então que existe “herói relativo”, acho que existe herói “humano” – ou herói simplesmente – porque todo ser humano é assim, com suas qualidades e defeitos. Desse jeito que vc fala ninguém pode ser considerado herói. Aqui no Brasil quem lutou pela indepedência do país é herói e ponto final. Lutou, se arriscou, fez alguma coisa em vez de ficar parado. Já herói na política, ao meu ver, não existe. Os comunistas citados pelo outro leitor eu não considero heróis nao. Mas dizem que política, futebol e religiao nao se discute, nao é isso?

  86. Eduardo disse:

    Che Guevara foi um revolucionário, pôs sua vida em jogo e perdeu feio, parecido com Tiradentes. Pode no máximo ser chamado de mártir. Fidel e Lula são dois patetas que se acham heróis, ou querem que a gente ache.

    Herói é uma das palavras mais antigas da humanidade. Pouco depois de abandonar os grunhidos para começar a falar, os homens e mulheres da caverna apontaram para aquele mais forte que conseguiu matar o tigre de dente de sabre e gritaram em uníssono: Herói! Herói! Pronto, aquele grupo agora tinha um herói.
    Quando a humanidade cresceu a ponto de não haver espaço para todos, os heróis pararam de lutar contra tigres e passaram a lutar contra outros homens. Depois disso o conceito do herói “absoluto” acabou, e passamos a ter heróis relativos: o querido de um lado é o odiado do lado oposto. O herói daqui é o vilão de lá.
    A instabilidade do heroísmo não acontece só em termos geográficos: o tempo também é costuma ser um exímio exterminador de heróis: Fernão Cortez era um dos maiorais lá pelos idos de 1500. Enfrentou oceanos cheios de monstros, desbravou terras inóspitas, botou pra correr um bando de índios hereges e reservou para a Espanha o pedaço mais rico das Américas. Digno de aparecer em todos os livros de história da época como herói nacional espanhol. Hoje em dia a opinião sobre ele é bem diferente.
    Então, se retirarmos da lista todos esses “heróis de um só lado”, sobram muito poucos heróis verdadeiros. Herói que se preza tem que ser herói em qualquer livro de história, de qualquer época, em qualquer circunstância.

  87. Carlos disse:

    Eu gostaria de perguntar ao Eduardo se os herois dele e o Che Guevara, Fidel Castro e o Lula da Silva?

  88. Eduardo disse:

    Essa história de “herói nacional” é sempre muito controversa. Heróis que têm sua fama e adoração restritos ao limites do seu país não são heróis completos. Tiradentes, por exemplo, só pode ser chamado de herói aqui no Brasil. Em Portugal ele não passa de um vil traidor. Bin Laden é um herói para muitos muçulmanos radicais.

    Outra razão para não chamar Tiradentes de herói é muito simples: ele não foi vencedor. Os heróis que a gente conhece da TV e da história são bem sucedidos, derrotam os vilões, derrubam os governos autoritários, etc. O nosso boticão não chegou nem perto disso. Se foi mesmo um herói, foi um tanto incompetente.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *