Início » Vida » Ciência » Brasileiros disputam prêmio da Airbus e japoneses inventam pássaro de mentira
Concurso

Brasileiros disputam prêmio da Airbus e japoneses inventam pássaro de mentira

A Airbus vai anunciar, neste mês, a melhor entre as cinco criações finalistas, buscando desenvolver soluções sustentáveis para o futuro da indústria de aviação

Brasileiros disputam prêmio da Airbus e japoneses inventam pássaro de mentira
As propostas inéditas foram selecionadas entre mais de 500 ideias inscritas neste que é um desafio global da companhia (Foto: divulgação)

Líder mundial na fabricação de aviões comerciais, a Airbus vai anunciar no dia 27 deste mês o vencedor do concurso “Fly Yours Ideas” – a melhor entre cinco criações finalistas buscando desenvolver soluções sustentáveis para o futuro da indústria de aviação. O anúncio acontecerá em Hamburgo, na Alemanha, menos de dois meses depois da queda do Airbus da Germanwings, levado ao chão nos Alpes franceses por um copiloto lunático chamado Andreas Lubitz, matando 150 pessoas. As propostas inéditas foram selecionadas entre mais de 500 ideias inscritas neste que é um desafio global da companhia – em parceria com a Unesco – e promovido a cada dois anos em âmbito universitário. A competição pretende criar uma nova geração de inovadores no ambiente da indústria de aviação. Uma boa notícia é a de que o Brasil está entre os finalistas, ao lado de China, Japão, Holanda e Reino Unido. O ganhador receberá o prêmio de  30.000 euros, cabendo 15.000 euros ao segundo colocado.

O projeto brasileiro, representado pela Universidade de São Paulo, propõe o “Retrolley” – um carrinho de lixo que permite a separação para efeitos de reciclagem do lixo produzido pelos passageiros e a coleta de fluidos residuais, reduzindo o tempo de serviço, esforço e espaço de armazenamento. A engenhoca, segundo seus inventores, diminuiria o peso dos equipamentos de cozinha trazendo, como consequência, a economia de combustível.

Francos favoritos, os japoneses da Universidade de Tóquio propõem o uso de uma espécie de drone para afastar pássaros dos aeroportos e guiá-los a um habitat confortável mais próximo. O “birdport” usa os cantos dos pássaros, táticas de separação, alinhamento e coesão para manipular aves e dirigi-las ao “porto de pássaros”, reduzindo o risco de choque com as aeronaves.

Já equipe da Universidade de Tecnologia Delft, da Holanda, vai apresentar o “Boas Vibrações”, uma sobrepele para as asas com fibras que retêm energia resultante de pressão mecânica. O revestimento absorve a carga elétrica provocada por vibrações naturais ou flexões nas asas. A energia gerada é armazenada em painéis integrados à fuselagem e utilizada para carregar os sistemas de iluminação e entretenimento, diminuindo as emissões de carbono durante o voo.

Os chineses da Universidade Politécnica do Noroeste apresentam um sistema que usa informação infravermelha e visual para avisar o piloto e a equipe em terra de obstáculos de alto risco. Já os estudantes da City University, de Londres – assim como brasileiros e holandeses – se preocuparam com a economia de energia e com as emissões de carbono. Eles criaram um inédito sistema localizado na pista que transfere energia elétrica indutivamente para um receptor localizado entre as rodas do trem de pouso da aeronave – uma fonte sustentável de energia para as operações.

A “Fly Your Ideas” integra um projeto batizado de “The Future”, uma visão sustentável da empresa para viagens aéreas em 2050. Que o futuro reserve uma aviação mais sustentável e sadia nos aspectos ambiental e também psicológico.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *