Início » Internacional » Conhecendo Las Vegas
turismo

Conhecendo Las Vegas

A cidade no meio do nada que é, por excelência, um parque temático para adultos

Conhecendo Las Vegas
The Strip, a principal rua e atração da cidade (Reprodução/ Passageiros a Bordo)

Atravessávamos o espaço aéreo dos Estados Unidos de leste a oeste depois de ter passado alguns dias nos Parques de Orlando com nossas crianças. A programação para conhecer Las Vegas no fim das férias foi extremamente empolgante para mim e para meu marido, mas um pouco fatigante para os pequenos. Mesmo assim, era a nossa vez e nos demos o direito.

Todo mundo que chega a Vegas se admira instantaneamente com o convite, a céu aberto ou fechado, à jogatina. Os caça-níqueis estão por toda a parte, desde o aeroporto até sabe Deus onde! E por Las Vegas passa de tudo: ávidos jogadores de fim de semana, famílias em férias, cowboys e cowgirls, milionários, gente que acaba de quebrar a cara, gente que gosta de encher a cara, gente disposta a tudo, idosos, poucas crianças e muita badalação.

Um oásis no deserto. Uma visão mirabolante para o calor de Nevada. Uma sacada de gênio no país da diversão. Las Vegas é um pouco de tudo, no meio do nada. Várias cidades em uma. Miragem turva de réplicas ao estilo mais americano possível de lugares onde gostaríamos de estar. Quase tudo em uma única rua, “the Strip”, com seus desvios e desvarios.

The Strip corresponde a 6,7 km da Las Vegas Boulevard. Tão curta, mas tão intensa! Com isso, pode arrancar o tempo que quiser de seus passantes. É, sim, muito mais densa do que parece em um primeiro momento. Seus hotéis nos fazem perder a noção de direção e tempo. Proposital? Os corredores abafados carecem de luz natural e a sensação de sufocamento é algo a que se habitua depois de algumas horas. Uma ligação intrigante entre um e outro hotel nos convida a andar por horas a fio entre cassinos e malls das mais refinadas grifes, mesmo que as roletas não tenham rendido um níquel sequer. Vegas é também a cidade que faz o impossível parecer tangível.

O som característico das moedas despencando dos caça-níqueis e o som dos botões que, quando apertados, fazem girar os olhos em busca de uma combinação vitoriosa, transformam Vegas em uma exuberância a ser pensada, mas não entendida. Para quê entender? Pôquer, bebidas, roletas. Bolsos vazios ou cheios se perdem nas horas que se desfazem nos corredores obscuros. Os hotéis e seus labirintos fazem o dia parecer noite, a noite parecer dia. No “The Venetian”, onde o céu é pintado de azul claro, temos a impressão de que o tempo somos nós quem fazemos, à nossa maneira. Pelo menos em Vegas, o tempo não entra na conta. E não deve ser levado em conta. As pessoas perdem a noção, e o amanhecer é um luxo que nem se vê.

 

Os neóns atraem ou repelem. E de tão cafonas, chegam a ser “cool”. Sem neóns, não há Las Vegas. Tudo atrai, chama, convida. Mas na terra onde o excesso é lei, as regras viram do avesso e nós viramos também.

Basicamente pode-se dizer que o charme e a vida de Las Vegas se concentram nos hotéis. Há desde os mais caidinhos até os mais bacanas, tipo daqueles que não são para o nosso bico. Toda a alma da Strip está concentrada neles.

No extremo sul, estão hotéis como o Mandala Bay, Luxor e Excalibur. O Mandala Bay guarda como trunfo o Shark Reef Aquarium. Com crianças em Vegas, a viagem se transforma em outra e esta é uma ótima alternativa para os pequenos. Vegas tem muitas atrações para eles. O Excalibur traz a lenda do Rei Arthur como pano de fundo. New York, New York, com a Estátua da Liberdade, enfeita ainda mais a cidade e faz Vegas parecer uma mistura do mundo em via de mão dupla. Além disso, traz a aventura em formato de uma montanha-russa bastante alta e veloz. MGM, do outro lado da Strip, tem como atração um zoo, arena de lutas, shows do Cirque Du Soleil e David Copperfield. Aliás, Cirque do Soleil, mágica, shows medievais, eróticos, rodeios, lutas, música, são apenas uma parte do espetáculo espalhado por toda Strip.

Um dos mais tradicionais hotéis de Las Vegas é o Flamingo, que tem muita história e uma aparência que fala por si só. Nesta mesma área, impõe-se o bacana Ceasar´s Palace e suas luxuosas grifes. Bem próximo, está o Mirage, com seus golfinhos e o seu vulcão em erupção. O Treasure Island e seus piratas fica em frente a Veneza (The Venetian) e somente em Vegas isso seria possível. E olha que os tais piratas sequer navegariam em gôndolas no Adriático. O Encore e Wynn surgem mais ao norte, com todo o seu luxo imponente marcado pelos reflexos do Sol em seus espelhos, como deuses intocáveis.

Para os aventureiros, há o Stratosphere, com atrações de arrepiar até os mais corajosos: X-Scream, Insanity e Big Shot. Afinal, ficar pendurado e ver a cidade parecer formiga não é para os fracos. Só brinca quem estiver disposto, mas a vista é para todos. Suas montanhas desérticas ao fundo garantem satisfazer qualquer ideia que se tenha tido ao subir.

Mas Las Vegas vai muito além da Strip, dos labirintos sem fim de seus hotéis interligados, dos buffets que esbanjam comida a um preço inacreditável. Há inúmeras atrações em seus arredores também. E quem não chegar até Fremont, a verdadeira e antiga Vegas coberta por neóns até o teto, não se embrenhou de verdade em seus segredos. Mesmo para quem não tenha ido se casar na White Chapel, Las Vegas consegue ser romântica ao mesmo tempo em que é um ícone do absurdo.

À medida que os olhos atentos e curiosos tentam decifrar o que há no interior dos grandes hotéis, a rua fica sendo um detalhe que se esqueceu de contemplar. É preciso parar, decidir, voltar para o mesmo ponto e retomá-lo. E ainda quando se compreende que uma rua não é feita de apenas duas margens, quando se nota que há muitas facetas a explorar, é aí que a viagem faz sentido e o tempo muda seu curso em nossos relógios interiores.

Os filhos crescem e um dia vão gostar muito mais de Vegas do que no dia em que você a apresentou a eles. Mesmo Vegas tendo tantas atrações para manter as crianças entretidas, elas nunca vão gostar tanto de Vegas quanto nós.Vegas é, por excelência, o parque temático dos adultos.

__________________________________________________________

* Marcia Rigato escreve no blog Passageiros a Bordo e é parceira do Opinião e Notícia

Fontes:
Passageiros a Bordo-LAS VEGAS E SEUS NEÓNS

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *