Início » Vida » Meio Ambiente » Efeito estufa é ‘maior falácia científica da história’?
Meio ambiente

Efeito estufa é ‘maior falácia científica da história’?

Professor da USP desmente aquecimento global e subida do nível do mar. Afirmações causam polêmica

Efeito estufa é ‘maior falácia científica da história’?
Professor diz que não há prova científica do aquecimento global (Fonte: Reprodução/India Times)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O clima está mudando e a opção agora é investir em sustentabilidade. Conversa para boi dormir? Mito ou verdade? Em tempos de Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que está sendo realizada no Rio de Janeiro, muito se fala em aquecimento global e suas supostas catastróficas consequências.

Aliás, muito se discute sobre a “hipótese” do aquecimento global, pois não se trata nem mesmo de uma teoria. Pelo menos é isso o que defende o professor do Departamento de Geografia da USP Ricardo Augusto Felício, especialista em climatologia do continente Antártico. Ele garante: não há prova científica do aquecimento global, e essa “história” já existe há 3 mil anos.

A afirmação categórica, feita pelo professor em uma recente entrevista ao Programa do Jô, da Rede Globo,  ajudou a apimentar um pouco mais a polêmica discussão em torno do assunto.

‘Bode expiatório’

Ricardo Felício afirma, por exemplo, que o nível do mar não está subindo, embora muitos cientistas (ou “aquecimentistas”) assegurem que sim. Segundo o professor, há apenas pequenas variações no nível do mar.  “O aquecimento global virou o bode expiatório para todos os males da sociedade”, argumenta.

O efeito estufa é outra hipótese descartada pelo professor. Trata-se de “uma física impossível, a maior falácia científica que existe na história”, garante Ricardo Felício, que defende também a inexistência da camada de ozônio. Será?

Céticos versus ‘aquecimentistas’

Em contraponto a afirmações de especialistas como Ricardo Felício, há inúmeros estudos, levantamentos e que tais. Um exemplo é um alerta recente feito pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID),  em parceria com a Comissão Econômica da América Latina e o Caribe (Cepal) e a Ong World Wildlife Fund (WWF), que será apresentado na próxima quarta-feira na Rio+20.

De acordo com o relatório do BID, os países da América Latina e o Caribe vão enfrentar prejuízos anuais de US$ 100 bilhões até 2050 caso não sejam tomadas medidas para tentar conter as consequências do aquecimento global. Puro alarmismo dos “aquecimentistas”, dizem os céticos.

Enquanto o professor da USP Ricardo Felício garante que o nível do mar não está subindo, o levantamento do BID diz exatamente o contrário, ressaltando inclusive a necessidade de planejamento de infraestrutura urbana e ainda a construção de barreiras físicas para enfrentar o suposto problema.

Entre alarmismos e aparentes teorias da conspiração, o fato é que o esvaziamento e o fracasso que se desenha em torno da Rio+20 não condizem com um mundo teoricamente à beira da catástrofe.

Veja na íntegra a polêmica entrevista do professor Ricardo Felício no Programa do Jô:

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

27 Opiniões

  1. Mauricio Andreoli disse:

    Que existem danos ambientais, não há dúvidas.
    Que esses danos são frutos das ações dos seres inteligentes que ocupam a Terra, também não há questionamento.
    Entretanto, eventos como a Rio +20 e discurso radical de ambientalistas não vão mudar o mundo. É idealismo sem efeito.
    Já se perguntaram o porquê da ausência de dirigentes políticos de peso mundial? Porque a sustentabilidade é cara!
    Nenhum deles quer impor aos seus cidadãos encarecimento do custo de vida e redução da participação econômica mundial. A idéia é transferir a responsabilidade para os outros, assim eles continuam como estão.
    Pessimismo? Não. Realismo.
    A alternativa é a união de países e organizações elaborando um protocolo aplicável de sustentabilidade no qual incluam ações benéficas ao meio ambiente e educação das novas gerações aliadas ao boicote comercial aos países poluidores.
    Dá para fazer? Lógico. A união faz a força, é só querermos.

  2. Mac sebastião Scárdua disse:

    Não é o que estamos vendo na prática. Na minha opinião ele deve estar ficando somente dentro da Universidade.Será que até os grandes organismos financeiros, em certa parte responsáveis pelo que está aconteçendo,pois financiaram muitos empreendimentos que hoje estão colaborando com a destruição estão errados?Como este professor entrou na USP?sinceramente,e os alunos que serão orientados por ele hem,se todos resolverem acreditar que quem é o certo é ele….e o nosso fragil Planeta….?

  3. Marly Winnie disse:

    AS CRENÇAS AMBIENTAIS ESTÃO FAZENDO ESTRAGO NA ECONOMIA DE TODOS OS PAÍSES, PRINCIPALMENTE A DOS PAÍSES POBRES!!!! HUM TRILHÃO DE DÓLARES POR ANO PARA DISTRIBUIR ENTRE GOVERNOS CORRUPTOS É O QUE OS FANÁTICOS AMBIENTALISTAS QUEREM . UMA IMORALIDADE!!!!!! NÃO QUEREM SALVAR PLANETA NENHUM.

  4. kão disse:

    Nossa Senhora das Piadas Fracas, o Jo tá mal, gente boa.
    É uma pena, eu gostava dele, da inteligência e humor fino, levemente sarcástico e sempre, sempre bem colocado e engraçado.
    Isto acabou!
    Ouçam as perguntas que ele faz prá este professor, é uma coisa inacreditável e, para quem gostava do humorista, triste. Prestem atenção, nem a platéia ri como antes.
    Mesmo ganhando um monte de dinheiro (deve ser assim…), se fosse comigo eu já teria caído fora. Antes da chuva de batata, tomate e ovos.
    Abraço.

  5. Almanakut Brasil disse:

    Ontem, 17/06/2012, olhava-se para o horizonte da região oeste de Ribeirão Preto, por volta das 18h30, e via-se uma grande faixa vermelha que podia ser confundida com um belo pôr-do-sol!

    Depois que sumiu, via-se a fumaça encobrindo a iluminação artificial!

    Quem sabe, esse professor lá no meio, como os muitos animais que são incinerados, possa mudar a sua opinião de especialista de metrópole carbonizada!

  6. Edenilson disse:

    A ocorrência de aquecimento global, elevação do nível do mar, mudanças climáticas, ou mesmo resfriamento global por si só não provam a influência humana. Esses fenômenos podem estar acontecendo, mas o que se discute é se são causadas pelo homem ou não. As geleiras, por exemplo, já desapareceram duas vezes só no século XX, fatos documentados até em jornais dessas épocas. Nos anos 70, havia a ameaça de um resfriamento global, e quando as temperaturas voltaram a subir, aí começaram a falar em aquecimento global causado pelo homem (aliás, o próprio resfriamento seria culpa do homem, diziam na época).

    Hipótese certa ou não, o fato é que hoje ela movimenta bilhões de dólares por ano, entre “estudos científicos”, mercado de carbono, ONGs ambientalistas, jornalistas “especializados”, etc… e por isso mesmo, haverá resistências para que ela permaneça.

    Sobre a aparente elevação do nível do mar, o professor Ricardo Felício deixa bem claro o que está acontecendo. Aliás, o Império Romano deixou de usar sal como moeda justamente porque os oceanos estavam se elevando naquela época.

  7. áureo Ramos de Souza disse:

    Quer dizer que tudo no mundo os homens inventam para venda de outro produto mais caro. Interessante como existe gente mentirosa neste mundo ou é o professor Ricardo que está errado? Devemos avançar mais nisto e que este professor faça palestras em canais televisisivos para esta orientação.

  8. George da Silveira disse:

    Concordo com Marly Winnie; e acho que o que está acontecendo é um comércio do ambientalismo ou comércio mundial do aquecimentalismo; ah, dêem o nome que quiserem, mas tem gente se dando muito bem às custas de governos pobres como o nosso e juntamente com a mídia e os filmes futuristas de holywood e outros metendo esse tipo de idéia na cabeça de mutia gente no mundo inteiro. Concordo que o clima do mundo tá esquisito, por exemplo aqui no Rio o inverno não é tão rigiroso como no tempo em que eu era criança, quando eu via as temperaturas despencarem mesmo; mas acho que existe um jogo estratégico por trás dessa conversa ambientalista, alguma coisa que soe como união das nações para escolha de um líder mundial, banco mundial, moeda mundial e um governo sobre as consciências. Quem pode negar isto? Vide a internet com suas páginas sociais sendo vigiadas e já li em determinado site que até os celulares e tudo o que agente coloca na net é vigiado.
    blablablá a parte, eu imagino quanto não gastaram nesse Rio+20 que como na Eco 92 não vai dar em nada. è dinheiro prá parlamenttar comer. Coitado de nós O POVO!

  9. Frambell disse:

    NA DÚVIDA, VAMOS TODOS CUIDAR DA NATUREZA
    A falta de sintonia da ciência ao explicar a suas teorias as vezes confunde mais do que explica. Pela lógica, as teorias científicas são vistas pelos mortais como algo de graus de dificuldade diferentes para se entender. Até hoje, a teoria da evolução do Darwin, ainda, não satisfatoriamente explicada ou, pelo menos, não entendida, deixa muitas perguntas no ar. Da mesma forma a teoria do Big-Bang.
    Para todos nós, no entanto, por sentirmos diretamente na pele e por vermos com os olhos, as suas conseqüências, o aquecimento global parece ser algo muito mais compreensível e palpável. Entretanto, se estabelecem as contradições. Às vezes, a ciência nos dá a impressão de tentar dificultar a nossa compreensão, supervalorizando as suas teorias. Esperamos que o fato do aquecimento global em dois ou três graus, e o desaparecimento de algumas nascentes em várias partes da terra, fato corroborado por vários cientistas, não sejam transformados em mera sugestão psicológica, ocasionada pelo medo de uma possível escassez de água no futuro. Além de não colaborar em nada com a tão necessária e saudável preservação ambiental, não deve visar, apenas, o aquecimento global. Mas, toda a gama de conseqüências do desmatamento das florestas que vão, desde a destruição da biodiversidade, o aparecimento da erosão, com o conseqüente empobrecimento do solo à diminuição dos índices pluviométricos. Mas não param por aí. Logo, quer queira a ciência ou não, os cuidados com o meio ambiente devem continuar a ser a grande prioridade dos governos.
    frambell

  10. Alexandre Boratto do Vale disse:

    Seria prudente a quem estiver interessado no assunto que parasse de usar o termo ” aquecimento global “, isso é causa de inúmeras contestações , bom somente para os com verve polemista, por favor usem o termo desequilíbrio climático, desequilíbrio climático , desequilíbrio climático, etc etc etc

  11. Claudoo Gambine disse:

    Não dá para dizer que sim ou não sem ter base cientifica para isso, mas que muitos cientistas vendidos usaram o mesmo discurso antes isso é fato, também é fato que a ação antrópica afeta e muito ao planeta e também é fato que toda ação implica em uma reação ou seja o que nos fazemos ao planeta tem um preço.

  12. Renato Vasconcellos disse:

    Já participei de vários seminários, palestas etc… sôbre o assunto e confesso que ouvi opiniões contaditórias inclusive parecidas com a do professor.
    O que conclui depois de tudo que ouvi foi o seguinte:
    – A influência do homem no espaço menor, sob forma de poluição do ar, lixo, poluição da água, desmatamento prejudicando as nacentes de água e as margens dos rios, e cume dos morros é um fato.
    – Agora, a questão maior do aquecimento, elevação dos níveis dos oceanos, eu confesso que tenho muitas dúvidas à respeito, principalmente em função dos grandes interêsses econômicos
    È bom não embarcar em canoa furada….

  13. Antonio Manoel Garcia Gonçalves Rato disse:

    É preciso ter muito cuidado
    Pessoalmente, não tenho elementos suficientes para acreditar nas duas teorias – a do aquecimento global, ou a do professor.
    Essas discussões só são válidas no âmbito científico, sem jamais querer limitar a liberdade de expressão !
    Quem ousaria contestar esse professor Ricardo Felício ?
    Quem ousaria contestar a posição contrária que advoga a teoria do aquecimento global ?
    Só mesmo cientistas versus cientistas, não é mesmo ?
    Estamos vivendo a “sociedade do espetáculo” em que a busca do inusitado, do espanto e, mesmo do escândalo é constante e gera grana, muita grana.
    Portanto, a meu sentir, assuntos de alta complexidade merecem muito cuidado. Antonio Manoel G.G. Rato – Engº

  14. Elcio Rice disse:

    Muito interessante; a discussão, que é sempre salutar, deve ser balizada não pela desinformação ou pelas hipóteses pseudocientíficas. Algumas das coisas que o professor disse são coerentes com as descobertas mais recentes das ciências, como a astrobiologia por exemplo. Igualmente as motivações políticas e econômicas existem por trás dos discursos dos governantes.
    Desmatamentos destroem o equilíbrio da vida animal. Recentemente vimos notícias de onças invadindo cidades por falta de espaço adequado pra viver, caçar e procriar. Incêndios não mudam o clima global, mas matam muitos animais e afetam o ecossistema do qual somos parte. Acho que a ideia do professor está limitada na visão do planeta inserido na enormidade universal, onde realmente nossa ação é irrelevante. Mas o ideal é que façamos a nossa parte para termos um bom lugar para viver.

  15. Endrius Lopes disse:

    Esse professor é dono de um enorme ceticismo , não acredita no catastrófico efeito estufa . Como ele explica então o aumento da temperatura média em todo o planeta? Está ” ai “, ele não explica !Tenho grande pena dos alunos deste professor , lamentável!

  16. Pereira disse:

    Quantas vezes a Terra já acabou, e quais foram os responsáveis pelas outras vezes? A Era em que vivemos também vai se acabar um dia. E os humanos contribuirão muito pra isso, mas é inevitável. Quem povoará futuramente?

  17. João M T Costa disse:

    É lamentável que um órgão sério como esse aqui dê espaço para bobagens como essa.

  18. José Smokovicz disse:

    A TERRA já passou por períodos muito mais quentes…agora estamos em processo de resfriamento global…em escala planetária estamos em resfriamento…
    O grande problema com os ambientalistas é que são apenas alienados…não tem raciocínio critico…não fazem ponderações…

    Os vulcões são os maiores poluidores naturais e até agora não ví o GREENPEACE fazer nada…muito menos o WWF da famigerada ONU/UNESCO…porque não tem o que fazer, simplesmente é natural altamente poluidor…o CO2 é o gás da vida…sem ele não há crescimento vegetal…efeito estufa não existe no planeta…é condição de vida…

    Temos que parar esta papagaiada!!! Onde já se viu tributar arroto de ovelhas…é o fim da rosca…a burrice é tanta que chega dar vergonha de ler artigos ditos “científicos”…é um embuste!!!!!!!!!!!

  19. cesarious disse:

    tudo bem, o planeta não vai acabar tão cedo, apenas os seres vivos…

  20. Robson Mothé disse:

    A Terra passa por períodos de aquecimento e resfriamento há milênios, antes da existência humana, é um processo natural, claro que ninguem defende o desmatamento criminoso, a poluição, ou outro tipo de agressão da natureza.
    O governantes deveriam debater o arsenal atômico que têm o poder de destruir o planeta dezenas de vezes e de se investir fortemente nos países pobres, principalmente na África, pois quanto mais pobre o povo mais ele vai desmatar o meio ambiente.

  21. joaocarlosamil@gmail.com disse:

    Não entendo como as declarações deste professor, causou polêmica. Não quero critica-lo, mas em 1985 um jovem por nome de Adilson José Campos, publicou na cidade de Belo Horizonte, a teoria dos universos, que detalhava uma futura farsa ambientalista, em cima do aquecimento global. O que este professor da USP diz, nada mais é que uma “paródia” da teoria dos universos. Aliás, ao ver sua declaração, parece que ele está lendo a teoria dos universos. Plágio de obras intelectuais, não é crime?

  22. Guilherme disse:

    Nem o professor, nem os “aquecimentistas” estão certos. Na minha opinião é impossível dizer se o planeta está realmente aquecendo e que esse aquecimento durará por uma longo prazo.
    Muitos aqui sabem e já falaram sobre os ciclos de aquecimentos e resfriamentos naturais do planeta.
    Outro ponto está na influência do homem nesse suposto aquecimento. Me lembro de uma entrevista com um outro climatologista na qual ele afirmava que as liberações de carbono na atmosfera causadas pelo homem é ínfima se comparado a que o planeta por si só libera. Ou seja, o homem, desmatando ou não, não interfere no clima do planeta, que é um sistema milhares de vezes “parrudo” e complexo e que não é isolado do sistema Solar, este sim, pode fazer a diferença e faz.
    Isso não significa que o homem deve desmatar à solta, queimar e agir como bem entender. O homem não é isolado da natureza, suas ações devem ser medidas e não tem erro “pequeno”.

  23. Franco disse:

    A mim parece claro que toda essa grita em torno do meio-ambiente é apenas mais uma possibilidade de negócios bilhardários que se avizinha para os capitalistas.

  24. ISAAC J. A. CARMO disse:

    Tem gente, ou tem cientista, dizendo que é mentira. Minimamente, dá para ficar de orelha em pé, vendo aqueles noticiários sobre o derretimento das geleiras polares. É cena apocalíptica mostrada pelo noticiários sobre o derretimento das geleiras polares, aquilo que parecia ser eterno! Algém não tem interesse que essa verdade seja dita. Acho que não é história pra boi dormir, é história pra boi morrer, com esse aquescimento que já está destruindo a camada de ozonio – essa que era a nossa garantia de vida saudável no planeta. Se há três mil anos atrás esse fenômeno ocorreu, pode ter sido encarado como normal, afinal nós não tínhamos as chaminés das grandes fábricas jogando para o espaço milhões de toneladas de dióxido de carbono, não tínhamos os carros a motor porque não tínhamos também o combustível fóssil para ser queimado e agravar o processo, nem tínhamos as matas derrubadas. Não vamos ser tõ incrédulos diante da evidência de que estamos sim no aquecimento global perigoso.

  25. joao czaskos disse:

    Muitos cientistas, e pessoas que estudam o planeta, em quase sua maioria mudam de opinião durante suas vidas. Em Rio 92 só se falava nisto, hoje a maioria mudou de opinião. Então medir nível de oceanos é impossível, pois compõe a maior parte do planeta. Efeito estufa, inexiste prova. Camada de ozônio é impossível de calcular….Geleiras sempre derreteram e voltaram a crescer. Em minha opinião o maior problema é a poluição….qualquer ilha do planeta por mais isolada que esteja, está entupida de lixo, plástico, materiais que levam séculos para se decompor… Animais marinhos estão sendo extintos, por se alimentarem de plásticos. Isso sim será e é irreversível. No século 18 e 19 o planeta sofreu as maiores queimadas da história, com as maiores emissões de gases na atmosfera, pois com as colonizações, milhões de quilometros quadrados de florestas foram derrubadas e queimadas para agricultura e pecuária e o clima não se alterou. Outro fato a favor do planeta será a população mundial se estabilizar em 2050 em torno de 8,4 bilhões de habitantes e entrar em declínio, sendo que em 2100, o planeta sofrerá grande diminuição de seres humanos. Ou seja, haverá comida e atmosfera saudável nos próximos 100 anos. Meu receio são testes nucleares realizados no fundo do mar. Estes testes alteram a crosta terrestre e aí sim pode haver algo totalmente inesperado, mas fora isso, podemos ficar tranquilos.

  26. Alfredo Seubert disse:

    Gostaria de que pudessem me enviar algum livro referenciando essas falacias, afim de fazer meu tcc.

  27. Davi Andrade disse:

    Falem há quanto tempo o efeito estufa existe

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *