Início » Opinião » Faltam 338 dias para o próximo verão
Opinião

Faltam 338 dias para o próximo verão

Este verão passará para a história pela quantidade de vítimas que deixou. Para evitar um novo recorde macabro, é preciso começar a trabalhar já. Por Ricardo Gallupo

Faltam 338 dias para o próximo verão
Agricultores da Região Serrana do Rio temem falência (Fonte: ABr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Algumas tragédias desencadeiam processos que, se não aliviam a dor de quem vê morrer pessoas queridas e ainda perde tudo o que tem, pelo menos abrem caminho para providências que podem, no futuro, ajudar a evitar problemas semelhantes. Essas providências podem ser simples e, mesmo assim, eficazes.

A queda de um Airbus da Tam no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, em julho de 2007, por exemplo, fez com que as autoridades se lembrassem de mandar construir ranhuras de segurança na pista de pouso mais movimentada do país. Elas poderiam, se estivessem lá antes, ter contribuído para evitar a morte de 200 pessoas.

Mas só foram feitas depois. Agora, após os temporais que já custaram cerca de 800 vidas em diversas cidades do Brasil, o governo acordou para a necessidade de implantar um sistema capaz de alertar os moradores para o perigo e para a necessidade da evacuação das áreas de risco a tempo de salvar vidas.

Bombeiros resgatam corpos em Teresópolis (Fonte: Pablo Jacob/OGlobo)

De acordo com o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, mais de 5 milhões de pessoas, no Brasil, vivem em 800 lugares que oferecem perigo. Um sistema para melhorar a segurança dessa população pode ser posto em prática em quatro anos.

É provável que, nos próximos verões, as prefeituras mais responsáveis e os próprios cidadãos encontrem mecanismos capazes de reduzir perdas. Mas isso ainda não será suficiente.

Um sistema como esse já poderia ter sido implantado há algum tempo – pois as catástrofes provocadas pelos temporais vêm se tornando rotineiras na estação.

O problema é que apenas no ano passado, com os deslizamentos em Ilha Grande e no Morro do Bumba, em Niterói, as tragédias deixaram de ser vistas como uma consequência dos humores da natureza e passaram a ser mostradas como resultado da ocupação irregular do solo, do lixo acumulado e de uma série de atitudes evitáveis.

Agora, está cada vez mais nítido que tantas mortes não têm a ver apenas com as chuvas rigorosas e com a fatalidade.

É necessário que se invista na criação do sistema proposto por Mercadante, mas também é preciso um esforço para mudar a mentalidade das pessoas. Este verão passará para a história pela quantidade de vítimas que deixou. Faltam 338 para o próximo. Para evitar um novo recorde macabro, é preciso começar a trabalhar já.

Fontes:
Instituto Millenium - 338 dias para o verão

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. João Cirino Gomes disse:

    Com o valor arrecadado de imposto no Brasil; se os políticos resolverem construir casas populares para a população carente, como prometem em época de eleição, não seria favor algum, apenas obrigação! Afinal existem grandes extensões de terras dissolutas, e estão sobrando verbas, pois se assim não fosse, Lula não estaria perdoando dividas, presenteando nossos impostos e até construindo estradas, redes de hoteis e portos em Cuba! Não é mesmo?

  2. VAN disse:

    Um sistema de alerta que ja deveria estar em funcionamento ha muiiito tempo,as mudanças climáticas são evidentes,e o aumento da população em areas de risco vem contribuir para que tenhamos mais números de vítimas fatais.
    Ja em 1967 no mes de janeiro,as chuvas provocaram a morte de quase 300 pessoas no RJ,e de la pra ca ja tivemos enchentes e deslizamentos em muitas cidades de varios estados deste nosso Brasil e principalmente Rio de Janeiro que tem sofrido com sequencias de temporais e enchentes,nessa época de verão.
    Isso tudo,porque a falta de responsabilidade e a ambição dos nossos politicos,que se preocupam apenas em ocupar cargos que lhe dêem poder e rendas exorbitantes,acabam deixando o povo morando nas promessas e deslizando nos projetos,que simplesmente não saem do papel.
    E quando acontece as tragédias,todos vão fazer suas visitas,contabilizam os estragos e as vitimas fatais,e discorrem novas promessas em seus discursos e culpam Deus e a Natureza,isso quando o Municipal não joga a culpa no estadual eo estadual no federal e assim por diante.
    É lamentável,que não se tenha preparo para enfrentar tragédias como essas,e também não se tenha investimentos nem interesses em fazer levantamentos sobre o solo,investimentos em areas de saneamento,de moradias para as pessoas de baixa renda,,piscinões e tudo que é necessário,para que uma pessoa tenha uma vida com dignidade.
    Será que a união da prefeitura,governo do estado e governo federal com real interesse, não conseguiriam amenizar o sofrimento dessas pessoas.Até quando vamos ter que conviver com o descaso vergonhoso dos nossos governantes;e são os mais humildes as pessoas mais simples que depositam nas urnas a sua confiança e depois descobrem de maneira tão dura,tão cruel que tudo era uma vã promessa,que as perdas irreparáveis que sofremos servem para estatisticas,para contabilizar quantas mortes teremos a mais em cada verão.

  3. João Cirino Gomes disse:

    Já temos 510 anos de governos coniventes, oportunistas, corruptos, acomodados, ladrões, enganadores, submissos ou bananas; ou então, não seriamos mais um país de terceiro mundo, e tão explorados! Pois o Brasil tem condições de ser o melhor, e mais rico país do planeta em todos os sentidos!
    A pretensão é esclarecer a população, e não criticar este ou aquele candidato ou governo, porem, para se exigir comprometimento dos políticos e o cumprimento das leis, precisamos esclarecer a realidade e demonstrar as falcatruas cometidas por todos!
    Alguns dizem, que uns e outros fizeram isso ou aquilo!
    Então digam, se entre tudo que uns, e outros governos fizeram, não foi mais em benefícios próprios, ou o de suas corruptelas e familiares?
    Alguns só embolsaram e mexeram no dinheiro que já estava ganho!
    Mas nada fizeram, para aumentar a produção, à renda, e melhorar o nível de vida do cidadão!
    Muitos prometeram empregos, mas nunca cumpriram a meta prometida!
    Muitos roubaram os direitos dos aposentados; e outros que criticaram os ladrões anteriores, continuam roubando os velhinhos!
    Milhões de moradias sempre foram promessas!
    Sempre ouvimos reportagens a respeito de melhora na Educação, na Saúde, e na Segurança, mas o tempo passa, e nos mostra que na realidade, só existe regressão em todos os sentidos!
    Muitos falam em pagar a divida externa, e outros até vivem se vangloriando por tê-la pago; mas na realidade, as dividas só aumentam!
    Mas as conversas, as promessas e os papos furados continuam a todo vapor!
    E o preço do combustível, que dizem pertencer ao povo, tornou-se um absurdo!
    Para o povo, também tem aumento, de despesas e de impostos!
    E com a maior cara de pau, ainda tem descarado usando o dinheiro dos trabalhadores, “FGTS” para financiar a copa do mundo!
    Qual é a vantagem para o trabalhador?
    Se o trabalhador precisa emprestar, tem que pagar altos juros, mas quando usam seu dinheiro do FGTS, ele não tem lucro! Isso é justiça?
    E os políticos descarados e hipócritas continuam pregando, igualdade social e uma justa distribuição de renda, mas a realidade, o que estamos vendo é só injustiça!
    E o governo federal segue perdoando as dividas dos países que devem ao Brasil!
    Fazer cortesia com o que não lhe pertence, e não suou para ganhar é fácil!
    Quais os benefícios, que este procedimento pode gerar ao país e a população?
    Isso é patriotismo?
    E as palavras incertas sobre democracia continuam, pois no Brasil, os políticos sempre se colocaram acima da mesma lei, que criaram e cidadão é obrigado a respeitar!
    Este procedimento nada tem de Democrático, e definitivamente é injusto!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *