Início » Economia » Nacional » I-móveis e auto-móveis
Econometria

I-móveis e auto-móveis

Valor dos imóveis cresceu muito acima da renda, deixando menos dinheiro disponível para gastar com automóveis e outros bens duráveis

I-móveis e auto-móveis
Quem casa, quer casa: com razão o imóvel residencial é uma prioridade no orçamento doméstico (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Segundo dados da FENABRAVE, as vendas de 274 mil veículos (automóveis e comerciais leves) em maio de 2012 apresentam impressionante queda de 8,7% sobre os 300 mil de maio do ano passado, não obstante as vendas terem subido muito em relação a abril, por conta da queda do IPI promovida pelo governo.

Se compararmos os primeiros cinco meses de 2012 com igual período do ano passado (1.292 mil veículos em 2012 contra 1.351 mil em 2011) temos um decréscimo de 4,4%. É claro que um governo de bases sindicalistas, nascido no centro automobilístico do ABC paulista, tem de ficar preocupado com seu apoio, daí usar de todos os recursos para segurar esta onda, até mesmo antecipar a restituição do inexorável Imposto de Renda.

Não vamos cansar os leitores com estatísticas dos demais setores de eletrodomésticos e outros bens que também foram contemplados pela isenção do IPI, que devem estar em patamares semelhantes.

Dizem que a ciência econômica não é uma boa base para fazer previsões, que análise da conjuntura mais bem sucedida é quando tiramos conclusões sobre o passado, já que o presente está em andamento e o futuro, bem… não pertence exatamente aos bípedes da categoria homo sapiens.

Na ciência econômica, entretanto, há uma disciplina chamada econometria que se ocupa em quantificar e analisar as correlações entre os diversos fatos. Assim, é muito curioso que o jornal Valor Econômico tenha publicado, na semana passada, interessante relato sobre o mercado de… imóveis; qual a possível correlação entre os i-móveis e os auto-móveis, além do sufixo comum?

Segundo a reportagem, nos últimos anos, o valor dos imóveis cresceu muito acima da renda, criando um descompasso entre a capacidade de endividamento das famílias e o financiamento imobiliário. Enquanto a renda média do trabalho do brasileiro subiu 43% entre 2007 e 2011, o valor médio dos financiamentos de aquisição de imóveis feitos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH) aumentou 83%. Em 2007, o empréstimo médio concedido pelo SFH era de R$ 82 mil, com parcela inicial que comprometia 42% da renda de um casal médio brasileiro, considerando um prazo de 30 anos. Em 2011, o financiamento médio atingiu R$ 150 mil, com as parcelas iniciais equivalentes a 52% da renda do casal.

Algumas das principais incorporadoras imobiliárias do país indicaram, nas últimas semanas, que estavam cancelando contratos assinados há alguns anos, durante o boom do mercado imobiliário, porque os clientes não teriam condições de passar pelo crivo de análise de crédito dos bancos no momento do repasse do financiamento da construtora para o mutuário final, que ocorre na entrega das chaves.

Quem casa, quer casa: com razão o imóvel residencial é uma prioridade no orçamento doméstico, como recomenda a unanimidade dos consultores de planejamento econômico familiar.

Nosso leitor, já acostumado com o raciocínio dedutivo, há de concluir rapidamente, ao estilo Sherlock Holmes, que a econometria tem seu lugar. Se a renda disponível das famílias, depois do pagamento da prestação dos imóveis encolheu, sobrou muito menos para a troca do automóvel e outros bens classificados de consumo durável. Esperamos que o consumo de proteínas não tenha também se reduzido.

Observará o atento leitor que estes movimentos para restabelecimento dos equilíbrios, não tem relação com as fragilidades das economias internacionais: a conturbada Europa, os Estados Unidos com recuperação lenta e a China tentando reacelerar seu ritmo de crescimento, ainda invejável.

Conseguirá o ministro da Fazenda proibir a importação da crise externa, para que esta não se some aos problemas internos? As telenovelas sempre terminam os capítulos com o cliff hanging (como o cowboy se segurando à beira do abismo) para estimular a audiência do próximo dia.

Fontes:
Profit Projetos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *