Início » Opinião » Leitor comenta a punição adequada para menores infratores
Opinião Pública

Leitor comenta a punição adequada para menores infratores

Guilherme é o Opinião Pública da semana. Participe você também!

Leitor comenta a punição adequada para menores infratores
Opine e participe!

Guilherme comentou a matéria “Leitor comenta o referendo sobre maioridade penal sugerido por Cunha” e foi eleito o Opinião Pública da semana. E você? Já deu a sua opinião hoje?

Os menores devem ser punidos sim, mas não junto aos adultos. Esses adolescentes sabem que cada ação tem uma consequência, e esta consequência não pode ser ficar algumas horas na delegacia ou alguns dias em uma “instituição” e depois ser liberado como se nada tivesse acontecido.

Mas no estado atual do sistema penitenciário, juntar essas crianças aos adultos é uma proposta imediatista, que pune os criminosos agora, mas projeta um futuro ainda mais violento e sem perspectivas para esse jovem, e logicamente, para a sociedade. Isso sem considerar que nossa polícia civil e promotores só conseguem solucionar 10% dos assassinatos, e sem contar quando condenam a pessoa errada.

O sistema penal tem uma base, uma raiz, muito precária e estamos brigando por uma mudança lá na ponta.

Referendo para melhorar o trabalho da polícia, melhorar a educação e saúde dessas crianças ninguém cobra, programa de TV (estilo Datena) nem comenta.

9 Opiniões

  1. olbe disse:

    Acho que o governo vai realmente tomar uma atitude quando o povo começar a fazer justiça com as próprias mãos..

  2. olbe disse:

    Ludwig Von Drake, me responda com todo honestidade: “Se uma criança destas tivesse matado seu filho, vc continuaria pensando assim?” É preciso “vestir os sapatos do outro pra sentir o problema.

  3. olbe disse:

    Que crianças? Elas matam sem nenhuma culpa, pior do que as pessoas que estão presas….

  4. Jayme Mello disse:

    A mais que possível solução dessa (outra) catástrofe social, está nas mãos do Estado. Na medida que ele, o Estado, efetivamente e sem problemas de continuidade, cumpra sua função institucional, ou seja; passe a cuidar/tratar/restaurar esse imenso tecido social lesionado, pois, algumas de suas células apresentaram distúrbios tais, que são incompatíveis, com a boa vivência coletiva.

    E, de antemão, desnecessário qualquer outra inclusão de dispositivo legal. Haja vista, que não nos falta legislação, ao contrário, o que carecemos é essencialmente de vontade politica, a disciplina no cumprimento do dever de Estado no que se refere, ao empenho,a resolutividade objetiva e absoluta da adequação de equipe de multi-profissionais para as ações técnico-educativas e os de apoio administrativo, em quantidade e qualificação profissional requerida. Estruturas físicas e instalações adequadas e condizentes com as necessidades requeridas para o acolhimento dos internos.

    O preponderante que as pessoas lá recolhidas, sejam restauradas como pessoas e, com o devido e mais que necessário rigor, sem contudo, perder o senso humanitário daquela internação, pois, que cometeram deslizes, mas que, entretanto, são pessoas e, elas, precisam serem instrumentalizadas para retornar com dignidade ao seio da sociedade, afinal, são também como nós, também, células desse tecido social,

    Concluindo, se lá no início o Estado, primariamente, cuidasse de sua sociedade, com equidade, dando-lhe dignidade, cidadania, saúde, e o mais importante a educação igualitária, indistintamente, com a mais absoluta certeza, o quantitativo desse tipo de estabelecimentos, bem como o número de internos seria bem menor, quase ínfimo.

    Juventude sem escola igualitária, não tem perspectiva digna e, via de regra, caminha em direção aos “incontáveis” estabelecimentos penais, quando não morre antes.

  5. olbe disse:

    No nordeste eles colocam homens junto com mulheres nos presídios…vão querer o quê?

  6. Fábio Nascimento disse:

    Acredito que o melhor caminho é o da punição. Um adolescente que adquire uma arma com o fim de praticar delitos sabe perfeitamente o caráter ilícito de tal conduta. Pois pergunte a um menor, que ceifou a vida de alguém, se o que ele fez, aceitaria que alguém fizesse com ele ou a alguém da sua família? Se ele (menor infrator) não desejaria punição a quem cometesse um crime desse contra um ente dele? A punição nessa hora serviria apenas para um lado? Crime só existiria para um, e não para outro? Perguntem a um menor…

  7. Ludwig Von Drake disse:

    Fere o princípio da igualdade punir criminalmente o jovem menor de 18 anos se ele legalmente não tem autonomia plena para determinar sua vida. É preciso que a medida seja acompanhada da maioridade civil. Querem ferir de morte o nosso já combalido Código Penal

  8. isam disse:

    Esses dito menores, devem pagar pelo crime que cometerem. Se o nosso governo incompetente não constroem mais presídios (por falta de dinheiro, porque saquearam cofres PÚBLICOS por 13 anos), o jeito é manter atuais Instituições para menores, porém com penas mais duras (metade das penas previstas para adultos). E A MAIORIDADE PENAL PARA 16 OU 14 ANOS, PORQUE ELES SABEM PERFEITAMENTE O QUE ESTÃO FAZENDO,

  9. Joma Bastos disse:

    Ótimo comentário!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *