Início » Opinião » Onde Sarney é um símbolo
Opinião

Onde Sarney é um símbolo

Troca de favores entre os senadores evita que os protegidos de cada um sejam 'prejudicados'. Por Arthur Chagas Diniz

Onde Sarney é um símbolo
Cota do limite de funcionários por senador cresceu 120% (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Poucos anos atrás, o Senado virou questão de polícia. Ou, deveria ter virado. Um gigantesco número de funcionários foi contratado pelo diretor geral da Casa, o todo poderoso Agaciel Maia.

A Fundação Getulio Vargas foi, então, contratada e, em tempo recorde, definiu um número limite de funcionários que cada Senador poderia contratar. E o fez de forma generosa, para os senadores, obviamente, lamentável para os contribuintes. Nenhum senador, pelo estudo da FGV, poderia contratar mais de 25 funcionários para cargos de sua confiança pessoal. Considere-se que este grupo não tem encargos regulares. Cada um deles deveria assessorar o seu senador, sem maiores discriminações funcionais.

A reforma prevista, a partir do estudo da FGV (2009), de onde resultou o limite acima, já mudou muito e, tal como o milagre da multiplicação dos pães, a cota por senador cresceu 120% (!) passando cada representante a ter 55 funcionários em cargos de confiança. As restrições relativas a nepotismo, recomendadas pelo referido estudo, não resistiram ao ímpeto dos parlamentares. A troca de favores entre os senadores evita que os protegidos de cada um sejam “prejudicados”. A regra de ouro é: “Você emprega um meu que eu emprego um seu”.

Chama a atenção, no momento, a contratação de um neto de Sarney que, presidente do Senado com considerável influência na vida pública e inumeráveis favores concedidos durante seu “eterno” reinado, ainda precise disto.

Em um momento em que os europeus começam a avaliar as origens dos problemas como resultado de benesses concedidas aos cidadãos e a impossibilidade de mantê-las, bem que poderíamos começar a fazer o “dever de casa” a partir do nosso generoso Senado.

Fontes:
Instituto Liberal - Onde Sarney é um símbolo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

11 Opiniões

  1. Afonso Schroeder disse:

    Não sou cabo eleitoral, mas ninguém se mantém por muitos anos em cargos que se percebe no minimo são aglutinadores e muito espinhosos, será que o ex-presidente, partipante com cadeira na Acadêmia Brasileira de Letras, mais os longos anos se elegendo em várias legislaturas e atualmente Senador e presidente do Senado, tem a necessidade de mostrar a sua capacidade politica e social representando a meu ver muito bém o povo brasileiro em sua função política, oxalá que Deus de entendimento e faça dispontar novos lideres, que no minimo tenham a capacidade do Estadista José Sarney.

  2. João Cirino Gomes disse:

    Para alguns o senador é um homem decente e poderoso; mas para o povo é só mais um oportunista, demagogo, aproveitador, espertalhão e até!

    E o Lula que tanto criticava o Sarney antes de se eleger, depois de eleito, passou a defende-lo!

    Por estas e outras eu acredito que; mesmo que Lula perca a voz, e aprenda a linguagem dos sinais, continuara iludindo a população com suas promessas e mentiras; sempre buscando uma desculpa esfarrapada para se justificar!

    Neste caso: Quem sabe e falta do dedo!

  3. Luiz A. F. Ramos disse:

    Essa corja de políticos sem escrúpulos deve ser exterminada da vida pública, a começar pelo clã do Sarney. Crápulas que nada produzem e sugam os cofres públicos sem cerimônia. Quando seremos um País com gente com vergonha na cara?

  4. Markut disse:

    Caramba! Como vamos mal com a nossa imaturidade coletiva , capaz de encontrar ainda quem ache o Sarney , estadista!!
    Como bem diz Chagas Diniz, Sarney é ainda um símbolo vivo de uma cultura oligárquica, retrógada e superada, mas ainda com muito poder regional, a ponto de comprometer o desenvolvimento de um país federativo, como é, ou deveria ser, o nosso, ao menos, pelo que a Constituição de 1988 afirma e garante.
    O melancólico da questão é vivermos num círculo vicioso de ignorância>maus gestores>ignorãncia, que sustenta essa visão idílica, muito conveniente para quem está encarapitado no poder.
    A única arma pacífica para esse dilema é a sociedade civil , mais esclarecida e sem rabo preso,clamar pela escolaridade básica competente, a fim de transformar estes 200 milhões de seres viventes neste país, numa sociedade de cidadãos conscientes e informados da nossa realidade.

  5. João Cirino Gomes disse:

    De pleno acordo com seu comentário MARKUT; As antas,os fantoches e os pelegos nem merecem sua atenção!

    Vamos deixar que estes abestados viajem na maionese!

  6. André Luiz D. Queiroz disse:

    Falar o que? Se, após a tal ‘consultoria’ da FGV, que não saiu barato, expor o óbvio inchaço do quadro de servidores do Senado e estabelecer até 25 assessores por Senador, e hoje vários deles chegam a ter mais de 50 funcionários ‘de confiança’ (ah, é? Pois que cada senador pague do próprio bolso por seus “asseclas”!), então é porque essa casa há muito tempo não passa de um ‘balcão de negócios espúrios’, onde o que menos interessa são os interesses legítimos do país.

    Isso lembra a passagem bíblica – Mateus, 21:12-13 “(…) vós a tendes convertido em covil de ladrões”. Falta quem expulse os ‘vendilhões’ de hoje também a golpes de chicote!

  7. Afonso Schroeder disse:

    INTERESSE DA MAIORIA:
    Em primeiro lugar nos brasileiros devemos aprender a ser justos com nós mesmos são notórios cidadãos se acharem acima de tudo e todos, mas que na realidade nunca fizeram nada pela sociedade e jamais vão ter a capacidade de fazê-lo, pois vêem tudo com olhos divorciados da maioria do povo subjugando tudo aquilo que existe de bom nos últimos anos, uma coisa é certa a grandíssima maioria do povo não deseja retrocessos político-sociais ao contrario precisamos continuar avançando cada vez mais para atingir todos os cidadãos deste País que até a ótima gestão “Lula”, andava adormecido, oxalá um dia Deus vai fazer esta minoria entender que governar com equipe é a disposição de gerenciar as coisas públicas, isto não significando que não pode haver erros, mas com certeza na maioria das vezes o governo vem acertando.

  8. Luiz Bouchardet Júnior disse:

    Depois que leio e vejo que ainda tem gente falando que o bandido do Sarney é estadista, perco a fé.
    “que no minimo tem a capacidade do Estadista José Sarney”. Estamos em um País democrático,todos nós temos o direito de gostar e opinar. Mas existe a diferença entre o olho e a remela, o anus e as fezes. Foi para o Acre para se candidatar, no Maranhão não tinha vez. Tenho ódio de comunistas, mas de vez em quando acho que o Che e o Fidel, tiveram razão de fuzilar 150000 pessoas em Cuba, tenho certeza que a maioria eram os político corruptos que lá existiam. Quem sabe algum dia isto irá acontecer por aqui. Que Deus me ouça.

  9. Pb.Luiz disse:

    não perdi meu tempo falando desse tal simbolo
    deve ser um ótimo professor da maladragem e deve ter um grande mensalão por mês

  10. Ana Oliveira disse:

    Sarney é um símbolo de: falta de caráter, de um homem sem vergonha, desprovido de moral, ladrão contumaz, cara de pau, e pior parece que não vai morrer nunca.

  11. olbe disse:

    Depois que expulsamos o Collor e ele voltou e hoje tem 52 assistentes…explicar o quê? n`política brasileira??????

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *